INTERSECCIONALIDADE E VIOLÊNCIA DE GÊNERO DENTRO DO LAR

A LUTA DAS MULHERES NEGRAS CONTRA O RACISMO E O PATRIARCADO NO BRASIL

Autores

  • Christiane Heloisa Timm Kalb Professora Doutora - Departamento de Direito - CESUSC - Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina - SC-401, n. 9301 - Santo Antonio de Lisboa, Florianópolis - SC, 88050-001, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4623-8930
  • Raquel Cristini da Silva Faculdade CESUSC https://orcid.org/0009-0002-9492-6375

DOI:

https://doi.org/10.9771/rds.v4i2.55367

Palavras-chave:

Violência doméstica, Violência contra as mulheres negras, Gênero, Raça, Interseccionalidade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a articulação entre a interseccionalidade e criminologia feminista para tratar da violência doméstica no Brasil, com enfoque na mulher negra na sociedade brasileira. A violência doméstica, mais especificamente contra as mulheres negras, pode e deve ser tratada como uma problemática histórica não só de gênero como também de raça, problemática esta que está atrelada a formação de identidade das mulheres negras, desde a construção da sociedade brasileira. Neste sentido, a reflexão trazida envolve as primordiais discussões acerca das categorias raça e gênero, e como o racismo interferiu e ainda interfere nas violências de gênero, e as consequências trazidas pela cultura patriarcal que foi instalada em nossa sociedade. A metodologia aplicada é de revisão bibliográfica, com análise de legislações aplicáveis ao tema. Nessa conjuntura, haja vista que as mulheres negras estão introduzidas no ramo da violência que vai além das questões de gênero, faz-se necessário um olhar central que adentre as especificidades da violência doméstica com o conceito da interseccionalidade. Por ora, concluímos que a violência doméstica no Brasil não pode ser apenas vislumbrada, estudada e analisada sob o aspecto de gênero e classe, mas precisa de um enfoque também sob às lentes das questões raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christiane Heloisa Timm Kalb, Professora Doutora - Departamento de Direito - CESUSC - Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina - SC-401, n. 9301 - Santo Antonio de Lisboa, Florianópolis - SC, 88050-001, Brasil.

Professora Doutora - Departamento de Direito - CESUSC - Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina - SC-401, n. 9301 - Santo Antonio de Lisboa, Florianópolis - SC, 88050-001, Brasil. Doutora e Pós Doutora em Ciências Humanas, PPGICH, UFSC, Florianópolis-SC. Mestre em Patrimônio Cultural e Sociedade, Univille, Joinville-SC. Advogada atuante em SC. Orcid: 0000-0003-4623-8930

Raquel Cristini da Silva, Faculdade CESUSC

Graduanda em Direito (10a fase), Faculdade CESUSC, Florianópolis SC. Graduanda em História, UDESC, Florianópolis SC.

Referências

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALMEIDA, Tania Mara Campos; PEREIRA, Bruna Cristina Jaquetto. Violência doméstica e familiar contras mulheres pretas e pardas no Brasil: reflexões pela ótica dos estudos feministas latino-americanos. v. 2, n. 2, p. 42-63, 2012.

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro: Ed. Jandaíra, 2021. 256 p. (Feminismos plurais). ISBN 9788598349749.

AMORIM, José Roberto Neves. Direito ao nome da pessoa física. São Paulo: Saraiva, 2003.

ANDRADE, Maria Verônica. A mulher negra e seus desafios nos tempos atuais. Maranhão, 2019.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Criminologia e feminismo: da mulher como vítima à mulher como sujeito de construção da cidadania. Sequência: estudos jurídicos e políticos, v. 18, n. 35, p. 42-49, 1997.

ARANTES, R. F. de M. Meditações sobre feminismos, relações raciais e lutas antirracistas. Recife: SOS Corpo, 2018.

BARATTA, Alessandro. Da questão criminal à questão humana. In: CAMPOS, Carmen Hein (org.). Criminologia e Feminismo. Porto Alegre: Sulina, 1999.

BRASIL, DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969, disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/D65810.html

BRASIL. LEI Nº 14.532, DE 11 DE JANEIRO DE 2023, disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2023-2026/2023/lei/l14532.htm.

BRASIL. LEI Nº 12.288, DE 20 DE JULHO DE 2010, disponível: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12288.htm

CAMPOS, Carmen Hein de; CARVALHO, Salo. Tensões atuais entre a criminologia feminista e a criminologia crítica: a experiência brasileira. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 143-171, 2011.

COLLINS, Patricia Hill; BIG, Sirma. Interseccionalidade. Editorial Boitempo, 2012.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness, and the Politics of Empowerment. New York, Routledge, Chapman and Hall, 1990.

COUTINHO, M. L. P. ; Discriminação no trabalho: mecanismos de Combate à discriminação e promoção de igualdade de oportunidades. Brasília, 2006.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista estudos feministas, v. 10, p. 171-188, 2002.

DUARTE, A. C. A Constitucionalidade das Políticas de Ações Afirmativas. Brasília: Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, abril/2014 (Texto para Discussão nº 147). Disponível em: www.senado.leg.br/estudos.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. Corpo negro caído no chão: o sistema penal e o projeto genocida do Estado brasileiro. 2006.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro et al. (Ed.). Discursos negros: legislação penal, política criminal e racismo. Brado Negro, 2015.

FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro. O feminicídio e os embates das trincheiras feministas. Discursos Sediciosos, n. 23/24, 2016.

GUIMARÃES, Bianca. Discriminação racial: origem e consequências do preconceito. ACOM/UNITAU – Universidade de Taubaté. Disponível em: https://unitau.br/noticias/detalhes/4870/discriminacao-racial-origem-e-consequencias-do-preconceito/ Acesso em: jul 2023. 2021.

H Potter. Feminist criminology, 106-124, 2006.

LEAL, H. M. A interseccionalidade como base do feminismo negro. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 39(2), 21-32, 2021.

MAGALHÃES, Thowanne. A violência contra as mulheres negras. Uberlândia, 2022.

PALMARES, Lei Afonso Arinos: A primeira norma contra o racismo no Brasil. 2018. Disponível em:https://www.gov.br/palmares/pt-br/assuntos/noticias/lei-afonso-arinos-a-primeira-norma-contra-o-racismo-no-brasil Acesso em: jun 2022.

PIEDADE, Vilma. Para o conceito de Dororidade, 2017.

PORFíRIO, Francisco. Racismo; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/racismo.htm. Acesso em: 10 de maio de 2023.

REIS, Marina. Lei Maria da Penha, Feminismo Negro e Criminologia Crítica: Escrevivências a partir da Interseccionalidade. Rio de Janeiro, 2018.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

TRUTH, Sojourner. Não sou uma mulher?. Akron, Ohio (USA), 1851.

Downloads

Publicado

2023-12-28

Como Citar

KALB, C. H. T.; SILVA, R. C. da . INTERSECCIONALIDADE E VIOLÊNCIA DE GÊNERO DENTRO DO LAR: A LUTA DAS MULHERES NEGRAS CONTRA O RACISMO E O PATRIARCADO NO BRASIL. Revista Direito e Sexualidade, Salvador, v. 4, n. 2, p. 121–146, 2023. DOI: 10.9771/rds.v4i2.55367. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revdirsex/article/view/55367. Acesso em: 14 abr. 2024.