MISOGINIA ONLINE: A RED PILL NO AMBIENTE VIRTUAL BRASILEIRO

the red pill in the brazilian virtual environment

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v12i1.57028

Palavras-chave:

red pill, misoginia, manosfera, gênero

Resumo

O presente artigo aborda questões relacionadas a alguns grupos que fazem parte da chamada manosfera, ou machosfera, que atuam principalmente por intermédio da internet. Este trabalho apresenta um trecho de uma pesquisa cartográfica que se deu por meio das redes sociais e páginas usadas pelos grupos que fazem parte da manosfera. Através desta cartografia buscamos produzir reflexões críticas acerca dos afetos que perpassam esses grupos, da sua defesa à masculinidade hegemônica e a forma como as mulheres são apresentadas nesse meio. Vemos que, por mais que dentro deste ambiente esses sujeitos se digam à princípio apenas preocupados com problemas e adversidades enfrentadas pelos homens na atualidade, o que trazem à tona e tornam evidente é muito da misoginia e do desprezo às mulheres ainda presentes no meio social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Weselovski da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Mestre em Psicologia Social, UFRGS

Inês Hennigen, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985), mestrado em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994) e doutorado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004). É professora aposentada do Instituto de Psicologia/UFRGS, sendo atualmente docente convidada no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional.

Referências

ALBUQUERQUE, Fabiane; DINIZ, Vanessa. A infantilização de mulheres brancas:: dispositivo de raça, gênero e classe na construção de subjetividades. Teoria e Cultura, v. 17, n. 3, p. 60-69, 2022.

BEIRAS, Adriano; LODETTI, Alex; CABRAL, Arthur Grimm; TONELI, Maria Juracy Filgueiras; RAIMUNDO, Pablo. Gênero e super-heróis: o traçado do corpo masculino pela norma. Psicologia & Sociedade, v. 19, p. 62-67, 2007.

BUTLER, Judith. Discurso de ódio: uma política do performativo. São Paulo: Editora Unesp, 2021.

CONNELL, Robert W.; MESSERSCHMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, v. 21, n. 01, p. 241-282, 2013.

COSTA, Luciano Bedin da. Cartografia: uma outra forma de pesquisar. Revista digital do LAV. Santa Maria, UFSM. Vol. 7, n. 2 (maio./ago. 2014), p. 65-76, 2014.

FALLGATTER, Bruno Guilherme Hoffmann et al. Masculinidade hegemônica na adolescência: Reflexões a partir da série Euphoria. Revista de Pesquisa e Prática em Psicologia, v. 1, n. 1, p. 137-161, 2021.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970/Michel Foucault; tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 2 ed. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

FOUCAULT, Michel. Política e ética: uma entrevista. In: Ditos & Escritos

V - Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. In: Microfísica do poder. 2005. p. 295-295.

FREITAS, Maryana Chott; DA SILVA, Caíque Tomaz Leite. DO PÁTRIO PODER AO PODER FAMILIAR. Intertemas ISSN 1516-8158, v. 18, n. 18, 2013.

GUATTARI, Félix; DELEUZE, Gilles. Mil platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro, v. 34, 1995.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

HOMENS E IRMÃOS. Perseu com a cabeça da Medusa. Outubro, 2020. Instagram: Homens e irmãos. Disponível em: https://www.instagram.com/homenseirmaos/ Acesso em: agosto de 2021.

KEHL, Maria Rita. Ressentimento. São Paulo: Boitempo Editorial, 2020.

KEHL, Maria Rita. O ressentimento na masculinidade. In: APPOA. Masculinidade em crise. Porto Alegre: APPOA, 123-143, 2005.

KIMMEL, Michael. Angry white men: American masculinity at the end of an era. UK: Hachette, 2017.

KONRAD, Márcia. Medusa e a questão de gênero ou a punição por ser mulher. Educação, gestão e sociedade: revista da faculdade Eça de Queiroz. A, v. 7, 2017.

MANUAL REDPILL. Proteção primeiro, carinho depois. Novembro, 2021. Instagram: Manual Redpill. Disponível em: https://www.instagram.com/manualredpill/ Acesso em: Novembro de 2021.

MGTOW CLUB. Areias movediças. Novembro, 2021. Instagram: MGTOW Club. Disponível em: https://www.instagram.com/mgtowclub/ Acesso em: novembro de 2021.

MOL, Annemarie et al. Política ontológica: algumas ideias e várias perguntas. Objectos impuros: experiências em estudos sobre a ciência. Porto: Afrontamento, p. 63-75, 2008.

MOL, Annemarie. The body multiple. Duke University Press, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A genealogia da moral. São Paulo: Lafonte, 2017.

OLIVEIRA, Caíque Diogo. Transformando angústia em raiva: o homem branco em fins de sua hegemonia. Quaestio-Revista de Estudos em Educação, v. 22, n. 3, p. 957-962, 2020.

O HOMEM RACIONAL. Toda vez que elas dizem: “não faço X coisa por Y motivo” Lembre-se: Ela não faz com você, com outro que desperte o desejo ardente ela fará. Novembro, 2021. Instagram: O homem racional. Disponível em: https://www.instagram.com/ohomemracional/ Acesso em: novembro de 2021.

O HOMEM RACIONAL. Cuidado com a mulher que vê um relacionamento tradicional, como um passe para a liberdade dela. Outubro, 2021. Instagram: O homem racional. Disponível em: https://www.instagram.com/ohomemracional/ Acesso em: outubro de 2021.

O HOMEM RACIONAL. Espertinhas dizem: “meu valor não é baseado no meu histórico sexual” Ok, então um par de tênis que já teve 50 donos anteriormente, deve valer o mesmo que um par de tênis novos? Uhum, senta lá. Dezembro, 2021. Instagram: O homem racional. Disponível em: https://www.instagram.com/ohomemracional/ Acesso em: dezembro de 2021.

O HOMEM RACIONAL. Arquétipo da Eva: Uma lição de Eva, acerca da teimosia e infantilidade de algumas mulheres. Junho, 2021. Instagram: O homem racional. Disponível em: https://www.instagram.com/ohomemracional/ Acesso em: julho de 2021.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana (orgs). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, p. 17-31, 2015.

SAMURAI REDPILL. Magia negra do magnetismo feminino. Outubro, 2021. Instagram: Samurai Redpill. Disponível em: https://www.instagram.com/samurairedpill/ Acesso em: outubro 2021.

SAMURAI REDPILL. Mulheres que podemos manter um relacionamento estável até que se tornem incorrigíveis. Setembro, 2021. Instagram: Samurai Redpill. Disponível em: https://www.instagram.com/samurairedpill/ Acesso em: novembro de 2021.

SAMURAI REDPILL. Mulheres são como crianças, dê a elas o que precisam e não o que te pedem. Setembro, 2021. Instagram: Samurai Redpill. Disponível em: https://www.instagram.com/samurairedpill/ Acesso em: setembro de 2021.

SARDENBERG, Cecilia Maria Bacellar. Da crítica feminista à ciência a uma ciência feminista?. 2007.

VAN VALKENBURGH, Shawn P. Digesting the red pill: Masculinity and neoliberalism in the manosphere. Men and Masculinities, 2018.

ZAMBENEDETTI, Gustavo; SILVA, Rosane Azevedo Neves da. Cartografia e genealogia: aproximações possíveis para a pesquisa em psicologia social. Psicologia & Sociedade, v. 23, p. 454-463, 2011.

WRIGHT, Peter. O Ginocentrismo e suas origens culturais. 2020. Disponível em: https://mdhbrasil.org/2020/06/23/o-ginocentrismo-e-suas-origens-culturais-partes-3-e-4/. Acesso em: setembro de 2021.

Downloads

Publicado

2024-04-23

Como Citar

WESELOVSKI DA SILVA, A. C.; HENNIGEN, I. MISOGINIA ONLINE: A RED PILL NO AMBIENTE VIRTUAL BRASILEIRO: the red pill in the brazilian virtual environment. Revista Feminismos, [S. l.], v. 12, n. 1, 2024. DOI: 10.9771/rf.v12i1.57028. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/57028. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos