APROPRIAÇÕES PUBLICITÁRIAS DE EMPODERAMENTO E (AB)USOS DE VIOLÊNCIAS: UMA PROSPECÇÃO EM TESES E DISSERTAÇÕES BRASILEIRAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.56420

Palavras-chave:

corpos femininos, publicidade, consumo, estudos de gênero

Resumo

Este artigo aborda a temática da publicidade em relação às enunciações sobre os corpos femininos na perspectiva arqueogenealógica do pensamento foucaultiano. Trata-se de um estudo do tipo estado do conhecimento no qual foram analisadas as tendências investigativas de produções científicas brasileiras que se ocuparam do tema e problematizados alguns aspectos de seus principais achados. A busca foi realizada no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES e na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações, onde foram utilizados argumentos distintos, definidos segundo os descritores publicidade, anúncios publicitários e mulheres. O corpus consistiu em 16 pesquisas, 12 dissertações e quatro teses, e foi organizado em duas categorias, intituladas “Empoderamento e Femvertising: ressignificações discursivas” e “Manutenção discursiva e perpetuação de violências”. Das análises foram identificadas investigações que evidenciaram alguns deslocamentos discursivos baseados na noção de empoderamento e, por outro lado, a manutenção de discursos racistas, sexistas e misóginos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia da Fonseca Lopes, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), pesquisadora no Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências (PEmCie), Mestra em Educação (FURG) e Graduada em Psicologia (FURG) com pós-graduação em Psicologia Social.

Raquel Pereira Quadrado, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutora em Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), com pós-doutorado na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra (Portugal), pesquisadora no Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências (PEmCie), professora Associada II vinculada ao Instituto de Educação da FURG, onde atua no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Referências

ALMEIDA, Suegna Sayonara de. Interdiscurso e ethos discursivo: uma análise da campanha publicitária Duloren e as mulheres reais. 2017. 120 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Pau dos Ferros, 2017.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Jandaíra, 2023.

BECHIR, Julianna Christina Carvalho. A reconstrução do ethos da Skol em suas campanhas publicitárias: uma análise argumentativa do discurso. 2020. 141 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

BERTH, Joice. Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro; Jandaíra, 2020.

BRISOLLA, Márcia Regina Santos. De menina a mulher: imagens publicitárias, representações e pedagogias culturais. 2019. 258 f. Tese (Doutorado em Artes) – Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Tradução de Cecilia Holtemann. – Cadernos Pagu, n. 42, p. 249-274, jan./jun. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400420249.

CASTRO, Maria Luiza Pereira de. “Não preciso, mas quero”: o mito da beleza em tempos de femvertising. 2020. 88 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Tradução de Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

CONAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. Estatuto Social do Conar. 2020. [online]. Disponível em: http://conar.org.br/estatutos-sociais. Acesso em: 06 set. 2023.

CUNHA, Luísa Cristina Araujo de Salles. Dilemas do envelhecimento feminino: evitação e celebração em anúncios da revista Claudia. 2020. 102 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

DA SILVA, Mariah Christine Rafael Guedes. A publicidade é política: negociações na representação da mulher pela empresa Avon. 2019. 104 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

FERREIRA, Norma S. de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 11. ed. – São Paulo: Paz e Terra, 2021.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. – 8. ed. – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012. (Campo teórico).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. – 20. ed. – Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

LANINI, Telma Regina Esteves. Um brinde à “Nova Mulher”: questões de consumo e empoderamento feminino na publicidade cervejeira. 2019. 109 f. Dissertação (Mestrado em Humanidades, Culturas e Artes) – Universidade do Grande Rio “Prof. José de Souza Herdy”, Duque de Caxias, 2019.

LINS, Letícia Alves. O que as mulheres querem? Publicidade, experiência e públicos nas redes sociais digitais. 2020. 340 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

LÔBO, Maiza Pereira. O “lugar” da mulher na publicidade: análise de discurso de peças publicitárias comemorativas do Dia Internacional da Mulher. 2017. 133 f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Cultura e Território) – Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, 2017.

MEREGE, Verônica C. Cardoso. Feito para nós? Autoconceito em contraponto à imagem idealizada das mães na propaganda. 2020. 80 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Comportamento do Consumidor) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2020.

MOLARI, Beatriz. Mulher-produto: a violência simbólica de gênero na publicidade julgada pelo Conar. 2019. 116 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

MOROSINI, Marília Costa; NASCIMENTO, Lorena Machado do; NEZ, Egeslaine de. Estado de conhecimento: a metodologia na prática. Revista Humanidades & Inovação, Palmas/TO, v. 8, n. 55, p. 69-81, ago. 2021.

PITANGA, Carolina Vasconcelos. Produções discursivas em campanhas publicitárias: gênero e interseccionalidades. 2017. 206 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2017.

RIBEIRO, Érika Ramos. Feminismo e empoderamento: discursos contra-hegemônicos nas propagandas de cosméticos para mulheres. 2018. 84 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

SANTOS, Janaina Alves Pereira Almeida dos. Produção de sentidos e representações da mulher na campanha A linda ex de o Boticário. 2019. 89 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Literatura) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2019.

SKEY, Samantha. #Femvertising: A New Kind of Relationship Between Influencers and Brands. iBlog magazine, p. 16-17, abr. 2015. [online]. Disponível em: http://cdn.sheknows.com/iBlog_Magazine-Femvertising. Acesso em: 10 jul. 2023.

SOUSA, Tatiana Barbosa de. Há uma luz no fim do copo? Uma análise semântico-histórica do corpo feminino no discurso midiático cervejeiro no Brasil. 2018. 158 f. Tese (Doutorado em Ciências da Linguagem) – Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre, 2018.

VIEGAS, Paula Rickes. Gênero, corpo e beleza no discurso publicitário: uma análise semiolinguística de anúncios direcionados à mulher. 2017. 105 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

Downloads

Publicado

2023-10-23

Como Citar

LOPES, J. da F.; QUADRADO, R. P. APROPRIAÇÕES PUBLICITÁRIAS DE EMPODERAMENTO E (AB)USOS DE VIOLÊNCIAS: UMA PROSPECÇÃO EM TESES E DISSERTAÇÕES BRASILEIRAS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i2.56420. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/56420. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos