O EMPODERAMENTO INDIVIDUAL DAS MULHERES É UMA FALÁCIA?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.53494

Palavras-chave:

Mulheres, Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5, Empoderamento.

Resumo

A ideia de empoderamento contida no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 5 necessita de uma investigação crítica. Na perspectiva feminista, originalmente, o empoderamento se referia a um poder solidário, compartilhado numa ação coletiva, no qual uma mulher só seria livre quando todas pudessem ser. Dessa forma, o objetivo deste artigo é analisar o empoderamento proposto pelo ODS 5. A metodologia utilizada foi a de pesquisa bibliográfica e documental. Os resultados da análise apontam ausências de marcadores sociais importantes na proposta do ODS 5 e o não reconhecimento de agendas do movimento feminista, dentre as quais se destaca o trabalho doméstico (o remunerado e o não remunerado).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aparecida da Silva Xavier Barros, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Doutora em Educação Matemática e Tecnológica (EDUMATEC- UFPE). Professora do Instituto Federal da Paraíba (IFPB). Membro dos grupos de pesquisa: Inovações Pedagógicas (IFPB) e Mídias Digitais e Mediações Interculturais (UFPE).

Thelma Panerai Alves, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Doutora em Inovação Educativa (Universidad de Deusto, Bilbao, Espanha). Professora Associada do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino (DMTE), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica (EDUMATEC). Líder do grupo de pesquisa Mídias Digitais e Mediações Interculturais (UFPE).

Referências

ABC. Academia Brasileira de Ciências. Helena Nader será a primeira mulher a presidir a Academia Brasileira de Ciências. Notícias, 29 de março de 2022.

https://www.abc.org.br/2022/03/29/helena-nader-sera-a-primeira-mulher-a-presidir-a-academia-brasileira-de-ciencias/

AGÊNCIA BRASIL. Em seu primeiro dia como presidente, Lula assina 52 decretos e 4 MPs, 02 de janeiro de 2023. https://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2023-01/em-seu-primeiro-dia-como-presidente-lula-assina-52-decretos-e-4-mps

AGÊNCIA CÂMARA DE NOTÍCIAS. Projeto prevê promoção de agenda para desenvolvimento sustentável, 15 de junho de 2021.

https://www.camara.leg.br/noticias/770666-projeto-preve-promocao-de-agenda-para-desenvolvimento-sustentavel/

ALVAREZ, Sonia E. Engajamentos ambivalentes, efeitos paradoxais: movimentos feminista e de mulheres na América Latina e/em/contra o desenvolvimento. Revista Feminismos, [S. l.], v. 2, n. 1, 2014. https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30021

BARRAGÁN, Alba margarita Aguinaga et al. Pensar a partir do feminismo: críticas e alternativas ao desenvolvimento. In: DILGER, Gerhard. LANG, Miriam. PEREIRA FILHO, Jorge. (Org.). Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. Trad. Igor Ojeda. São Paulo: FRL/Elefante, 2016, p. 88-121.

BEDFORD, Kate. The Imperative of Male Inclusion: How Institutional Context Influences World Bank Gender Policy. International Feminist Journal of Politics, v. 9, n.3, p. 289–311, 2007. https://doi.org/10.1080/14616740701438200

BOSERUP, Ester. Woman’s Role in Economic Development. Londres: George Allen; Unwin, 1970.

BRASIL. Lei nº 14.132, de 31/03/2021. Diário Oficial da União. Edição 61-E. Seção 1 - Extra E, página 1, publicado em 01/04/2021a.

https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.132-de-31-de-marco-de-2021-311668732

BRASIL. Lei nº 14.188, de 28/07/2021. Diário Oficial da União. Edição 142. Seção 1, página 1, publicado em 29/07/2021b.

https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.188-de-28-de-julho-de-2021-334902612

BRASIL. Lei nº 14.192, de 04/08/2021. Diário Oficial da União. Edição 147. Seção 1, página 1, publicado em 05/08/2021c.

https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.192-de-4-de-agosto-de-2021-336315417

BRASIL. Lei nº 14.245, de 22/11/2021. Diário Oficial da União. Edição 219. Seção 1, página 1, publicado em 23/11/2021d.

https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.245-de-22-de-novembro-de-2021-361261673

BRASIL. Decreto n. 9.759, de 11 de abril de 2019. Extingue e estabelece diretrizes, regras e limitações para colegiados da administração pública federal. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 11 de abril de 2019. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/decreto/d9759.htm

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 16 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2016.

BRASIL. Decreto n. 8.892, de 27 de outubro de 2016. Cria a Comissão Nacional para Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 27 de outubro de 2016. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8892.htm

BRUM, Eliane. Entre a manipulação da Bíblia e a posse da Vagina. El País, 06 jun. 2016. https://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/06/opinion/1465221319_595471.html

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Acesso à Informação. Institucional. História e missão, publicado em 01 jan. 2011; atualizado em 16 abr. 2021. https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/historia-e-missao

CARVALHO, Ivy. O fetiche do “empoderamento”: do conceito ao projeto econômico-político. In: MONTAÑO, Carlos. (Org.). O canto da sereia: crítica à ideologia e aos projetos do “Terceiro Setor”. Rio de Janeiro: Cortez; 2014. p. 144-184.

CONNELLY, Mary Patricia et al. Feminism and Development: theoretical perspectives. In: PARPART, Jane L.; CONNELLY, Mary Patricia; BARRITEAU, Violet Eudine. Theoretical perspectives on gender and development. Ottawa: International Development Research Centre, 2000, p. 51-159.

CORNWALL, Andrea. Além do “Empoderamento Light”: empoderamento feminino, desenvolvimento neoliberal e justiça global. Tradução Daniela Ferreira Araújo Silva. Cadernos Pagu, Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero Pagu-Unicamp, n. 52, 2018.

CORNWALL, Andrea; RIVAS, Althea-Maria. From gender equality and women’s empowerment to global justice: reclaiming transformative agenda for gender and development. Third World Quarterly, v. 36, n. 2, p. 396-415, 2015.

https://doi.org/10.1080/01436597.2015.1013341

EIGE. European Institute for Gender Equality. What is gender mainstreaming? [online], 13 jan. 2017. Disponível em: https://eige.europa.eu/publications/what-gender-mainstreaming

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Mapa, Embrapa e IBGE apresentam os dados sobre mulheres rurais. Notícias, 16/03/2020. https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/50779965/mapa-embrapa-e-ibge-apresentam-os-dados-sobre-mulheres-rurais

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Tradução de Adriana Lopez. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1986.

GARRIDO-LUQUE, Alicia; ÁLVARO-ESTRAMIANA, José Luis; ROSAS-TORRES, Ana Raquel. Estereotipos de género, maternidad y empleo: un análisis psicosociológico. Pensando Psicología, vol. 14, n. 23, abril 2018.

GTSC A2030. Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030. V Relatório Luz da Sociedade Civil Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável Brasil, 2021.

GROSSER, Kate; MCCARTHY, Lauren. Imagining new feminist futures: How feminist social movements contest the neoliberalization of feminism in an increasingly corporate-dominated world. Gender, Work & Organization, v. 26, Special Issue: Moderate Feminism(s), 2018. https://doi.org/10.1002/jid.3211

HADDAD, Tathiana Machado Araújo. Diplomacia pública: a política externa brasileira e as ONGs na Conferência de Beijing (1995). Rio de Janeiro, 2007. 153 p. Dissertação de Mestrado – Instituto de Relações Internacionais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=10180@1

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cad. Pesqui. São Paulo, v.37, n.132, p.595-609, set./dez. 2007.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais, n. 38 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2021.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Cadernos ODS. ODS 5 - Alcançar a Igualdade de Gênero e Empoderar Todas as Mulheres e Meninas. Brasília: Ipea, 2019. https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/190905_cadernos_ODS_objetivo_5.pdf

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. ODS – Metas Nacionais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Coordenação de Enid Rocha Andrade da Silva. Brasília: Ipea, 2018.

https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8855/1/Agenda_2030_ods_metas_nac_dos_obj_de_desenv_susten_propos_de_adequa.pdf

KÜCHEMANN, Berlindes Astrid. Estratégias de Sobrevivência de Mulheres no Setor Informal Urbano. In: KOHIHEPP, Gerd (Coord.) Brasil: modernização e globalização. Madrid: Iberamericana/ Frankfurt am Main: Vervuert Verlag, 2001, p. 155-174.

MACHADO, Cecilia; PINHO NETO, Valdemar Rodrigues de. Labor Market Consequences of Maternity Leave Policies: Evidence from Brazil. Fundação Getúlio Vargas, 2016.

MEC. Ministério da Educação. Notícias. Educação Superior. Primeira mulher negra eleita reitora toma posse em universidade baiana, 21 jun. 2018. http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/212-educacao-superior-1690610854/65491-primeira-mulher-negra-eleita-reitora-toma-posse-em-universidade-da-bahia

MULLER, Daniela Valle R. O apagamento das mulheres na história e o direito à memória. Carta capital, [S.l.], 12/04/2019.

https://www.cartacapital.com.br/blogs/sororidade-em-pauta/o-apagamento-das-mulheres-na-historia-e-o-direito-a-memoria/

NAIDEK, Naiane et al. Mulheres Cientistas na Química Brasileira. Quím. Nova, São Paulo, v. 43, n. 6, p. 823-836, jun., 2020.

NANES, Giselle; QUADROS, Marion Teodósio de; ZARIAS, Alexandre. WID, WAD e GAD: Uma introdução ao debate sobre mulheres, gênero e desenvolvimento. In: SANTOS, Dayse Amâncio dos; CARDOSO, Maria Grazia Cribari; SCOTT, Parry (Org.). Feminismo, diferenças e desigualdades nas políticas públicas e desenvolvimento: algumas leituras fundamentais. Recife: EDUFPE, 2017, p.17-45.

ONU. Organização das Nações Unidas. Glossário de termos do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5: alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Haroldo Machado Filho (Org.). Nações Unidas no Brasil, 2016.

ONU. Organização das Nações Unidas. Nações Unidas no Brasil. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, 2015. https://brasil.un.org/pt-br/sdgs.

OXFAM. Tempo de cuidar: o trabalho de cuidado não remunerado e mal pago e a crise global da desigualdade. 2020. https://www.oxfam.org.br/wp-content/uploads/2021/04/1579272776200120_Tempo_de_Cuidar_PT-BR_sumario_executivo.pdf

PINHEIRO, Luana Simões; MEDEIROS, Marcelo. Desigualdades de gênero em tempo de trabalho pago e não pago no Brasil. Texto para Discussão (TD) 2214. Brasília, Rio de Janeiro: Ipea, 2013. https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/6872

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; RDH (Relatório do Desenvolvimento Humano). Além do rendimento, além das médias, além do presente: Desigualdades no desenvolvimento humano no século XXI, 2019.

PRÜGL, Elisabeth. Neoliberalism with a Feminist Face: Crafting a new Hegemony at the World Bank. Feminist Economics, v. 23, n. 1, p. 30-53, 2017.

RATHGEBER, Eva M. WID, WAD, GAD: trends in research and pracrice. The Journal of Developing Areas; Tennessee State University College of Business, v. 24, n. 4, jul., 1990.

REDDOCK, Rhoda. Why Gender? Why Development? In: PARPART, Jane L.; CONNELLY, Mary Patricia; BARRITEAU, Violet Eudine. Theoretical perspectives on gender and development. Ottawa: International Development Research Centre, 2000, p. 23-50.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Tradução Raul Fiker. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Negociando gênero em desenvolvimento: os feminismos brasileiros em destaque. Cadernos Pagu, Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero Pagu-Unicamp, v. 52, 2018a.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. O pessoal é político: conscientização feminista e empoderamento de mulheres. Inc.Soc., Brasília, DF, v.11 n.2, p.15-29, jan./jun. 2018b.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Conceituando “empoderamento” na perspectiva feminista. In: SANTOS, Dayse Amâncio dos; CARDOSO, Maria Grazia Cribari; SCOTT, Parry. Feminismo, diferenças e desigualdades nas políticas públicas e desenvolvimento: algumas leituras fundamentais. Recife, EDUFPE, 2017, pp.45-60.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Liberal vs. Liberating Empowerment: A Latin American Feminist Perspective on Conceptualising Women’s Empowerment. IDS Bulletin, Volume 39, Number 6, December, p. 18-27, 2008.

SBPC. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Histórico. Diretorias Anteriores. http://portal.sbpcnet.org.br/a-sbpc/historico/diretorias-anteriores/

TOMAZZONI, Larissa Ribeiro; GOMES, Eduardo Biacchi. Afirmação histórica dos direitos humanos das mulheres no âmbito das Nações Unidas. Cadernos da Escola de Direito, Curitiba-PR, v. 2, n. 23, p. 44-59, jul/dez, 2015.

https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernosdireito/article/view/3004

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Relatório de Monitoramento Global da Educação 2020 – Relatório de Gênero: Uma nova geração: 25 anos de esforços pela igualdade de gênero na educação. Paris, UNESCO, 2020.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). – Brasília: UNESCO, 2018. 84 p., il.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura; Bureau Internacional de Educação da UNESCO (UNESCO-IBE). Glossary of curriculum terminology, versão em português: Glossário de Terminologia Curricular. Setor de Educação da Representação da UNESCO no Brasil. Tradução: Rita Brossard, 2016.

UN. United Nations. Department of Economic and Social Affairs. The 17 Goals. History [s. d.]. https://sdgs.un.org/goals

WORLD BANK. Enhancing women’s participation in economic development: a World Bank policy paper. Washington D.C.: World Bank, 1994.

Downloads

Publicado

2023-10-30

Como Citar

BARROS, A. da S. X.; ALVES, T. P. . O EMPODERAMENTO INDIVIDUAL DAS MULHERES É UMA FALÁCIA?. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i2.53494. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/53494. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos