HISTÓRIAS SÁFICAS NÃO CONTADAS: UM RECORTE NAS SUBJETIVIDADES LÉSBICAS AFETADAS POR PRODUÇÕES NARRATIVAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.53333

Palavras-chave:

mídia, representatividade, lésbicas, subjetividade, narrativas

Resumo

Ao longo da existência do entretenimento, a vivência humana é representada de forma similar à vida real para divertir e emocionar os espectadores. Entretanto, no caso de mulheres lésbicas, a mídia acaba as retratando de forma estereotipada, atribuindo-as frequentemente um final trágico de solidão, conversão ou suicídio. O objetivo desta pesquisa é analisar como essas narrativas hegemônicas impactam nas produções de subjetividades lésbicas. Essa pesquisa qualitativa utiliza-se de uma metodologia cartográfica, na qual rodas de conversa com mulheres lésbicas são registradas em diário de campo. Por fim, o estudo indica que as representações midiáticas afetam a percepção de lésbicas sobre si mesmas, patologizando suas subjetividades e contribuindo para a negação da própria orientação sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariane Corrêa Ferreira, Universidade Franciscana (UFN)

Graduada em Psicologia pela Universidade Franciscana de Santa Maria, Mestranda em Ensino de Humanidades e Linguagens também pela Universidade Franciscana de Santa Maria, tendo auxílio da CAPES para realização do Mestrado. Atua como Psicóloga e tem interesse em temáticas relacionadas a gênero, sexualidade e psicologia social.

Marília Meneghetti Bruhn

Doutoranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional (PPGPSI) da UFRGS. Especialista em Sociopsicodrama pelo Instituto de Desenvolvimento Humano (IDH), certificado pela Federação Brasileira de Psicodrama (FEBRAP); Psicóloga graduada pelo Centro Metodista de Educação - IPA com ênfase em Saúde Coletiva e Direitos Humanos. É professora assistente da Universidade Franciscana (UFN) e do Centro Universitário do Vale do Ribeira (UNIVR/UNISEPE). Integra o Grupo de Estudo em Psicologia Social, Políticas Públicas e Produção de Subjetividades (GEPS/UFRGS).

Referências

ABREU, K. C. Kr; SILVA, R. S. História e tecnologias da televisão, Biblioteca Online de Ciências da Comunicação. p. 1-12, 2012. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/abreu-silva-historia-e-tecnologias-da-televisao.pdf.> Acesso em: 18 jun. 2022.

ADICHIE, C. O perigo de uma história única. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

AMATO, B. BARBOSA GOMES, A.; DE AVILA MOREIRA, M. R. .Eu não sou o homem da relação: Ressignificação butch como operação política, agenciamento pós-humano e transprodução de feminilidade. Communitas. v. 5, n. 9, p. 110–126, mar, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/4607. Acesso em: 18 jun. 2022.

ANDRADE, B. K. L. C. D.; VIANNA, B. C. S. C. Yu gonplei nou ste odon: uma análise da personagem Lexa de “The 100”. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social), Universidade de Brasília, Brasília, 2017. 77 p. Disponível em: <https://bdm.unb.br/handle/10483/19977>. Acesso em: 7 jun. 2022.

BARBOSA, M. Televisão, narrativa e restos do passado. E-Compós, [S. l.], v. 8, 2007. DOI: 10.30962/rec.138. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/138. Acesso em: 13 jun. 2022.

BUTLER, J. Problemas de Gênero - Feminismo e Subversão de Identidade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Imagem Virtual. 2003.

CARVALHO, V. A; BENSEN, L. R; Seria falta de imaginação ou pura preguiça? A produção de ontologias políticas a partir da performatização de identidades LGBTQ em séries de televisão. In: I Aquenda de Comunicação, Gêneros e Sexualidade. nº 1, 2018, Fabico, Anais do I Aquenda Seminário Nacional de Comunicação, Gêneros e Sexualidades. Porto Alegre, ago. 2018, p. 225 - 238. Disponível em: <https://aquenda.files.wordpress.com/2019/04/aquenda_anais-2.pdf> Acesso em: 4 jun. 2022.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, Tentativas de aniquilamento de subjetividades LGBTI. 1ª ed. Brasília, 2019, 221 p. Disponível em: <https://site.cfp.org.br/publicacao/tentativas-de-aniquilamento-de-subjetividades-lgbtis/> Acesso em: 7 abr. 2022.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (Brasil). Resolução nº 001/99 de 22 de março de 1999. Disponível em: <https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/1999/03/resolucao1999_1.pdf> Acesso em: 21 abr. 2022.

COSTA, L. B. da. Cartografia: uma outra forma de pesquisar. Revista Digital do LAV, Santa Maria, v. 7, n. 2, p. 066–077, ago. 2014. DOI: 10.5902/1983734815111. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revislav/article/view/15111. Acesso em: 23 jul. 2022.

ESCOLA, Equipe Brasil. "O que é homofobia?" Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/psicologia/homofobia.htm>. Acesso em: 18 dez. 2022.

FIGUEIRÊDO, A. A. F; QUEIROZ, T. N; A utilização de rodas de conversa como metodologia que possibilita o diálogo. In: Fazendo Gênero 10: Desafios Atuais dos Feminismos. 2012, Florianópolis, Seminário Internacional Fazendo Gênero 10, p. 1 - 10. Disponível em: <http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1384186533_ARQUIVO_AlessandraAniceto.pdf>. Acesso em: 25 mai. 2022.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I A Vontade de Saber. 13ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FRANK, G. A história oculta do abuso contra atrizes de “Azul é a Cor Mais Quente”. [online] Disponível em: <https://www.uol.com.br/universa/noticias/redacao/2019/04/24/a-historia-ocultada-do-abuso-contra-atrizes-de-azul-e-a-cor-mais-quente.htm>. Acesso em: 27 out. 2022.

FREUD, Sigmund. A psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher. In: Além do Princípio de Prazer, Psicologia de Grupo e Outros Trabalhos. Rio de Janeiro: Imago. 1996. 91-109.

GALVÃO, W. Psicóloga que oferecia ‘cura’ para gays tem registro cassado no DF e fica impedida de exercer profissão; [Online]. Disponível em: <https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2022/02/18/psicologica-que-oferecia-cura-para-gays-tem-registro-cassado-no-df-e-fica-impedida-de-exercer-profissao.ghtml>, Acesso em: 14 jun. 2022.

GIL, A. C. Modos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONDIM, C. G; Pinturas rupestres: A representação da imaginação do homem primitivo. Revista Temática. Paraíba, n. 04, p. 1 - 11, abr. 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/tematica/article/view/23751/13038>. Acesso em: 14 jun. 2022.

KROEF, R; GAVILLON, P; RAMM, L. Diário de Campo e a Relação do(a) Pesquisador(a) com o Campo-Tema na Pesquisa-Intervenção. Estud. pesqui. psicol. Rio de Janeiro , v. 20, n. 2, p. 464 - 480, ago. 2020 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812020000200005&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 29 jul. 2022. http://dx.doi.org/10.12957/epp.2020.52579.

LOURO, G. L; Cinema e sexualidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 81-97, jan/jun. 2021. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/129184>. Acesso em: 23 abr. 2022.

MACHADO, S. S; Quando todas as cores são o azul, a cor mais fria: Uma análise sobre produções de gênero. Revista Observatório. Palmas, v. 3, n. 1, p.05 - 130, jan./mar. 2017. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/observatorio/article/view/3320/9581> Acesso em: 31, mai. 2022.

MELLO. L; BRAZ, C; FREITAS. F. R. A; AVELAR, R. B; Questões LGBT em debate: Sobre desafios e conquistas. Sociedade e Cultura. Goiânia. v. 15, n. 1, p. 151 - 161; jan./jun. 2012. Disponível em: <https://repositorio.bc.ufg.br/bitstream/ri/1484/1/20680-87847-1-PB.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2022.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Mulheres Lésbicas e Bissexuais Direitos, Saúde e Participação Social. Brasília. n. 1. 2013. p. 1 - 32. ISBN 978-85-334-2055-7. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/mulheres_lesbicas_bisexuais_direitos_saude.pdf>. Acesso em: 11 mai. 2022.

MORENO, A. N. A personagem homossexual no cinema brasileiro. Tese (Mestrado em Artes) Instituto de Artes, UNICAMP, São Paulo. 1995. 148 p.

OLIVEIRA, E. T; VEDANA, K. G. G; Suicídio e depressão na população LGBT: postagens publicadas em blogs pessoais. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 16, n. 4, p. 39-48, dez. 2020. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762020000400005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 26 abr. 2022. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1806-6976.smad.2020.168145.

PASSOS, A. H. I; PUCCINELLI, B; ROSA, W. As narrativas hegemônicas como normativas excludentes: Raça, gênero e sexualidade. Revista do Centro de Pesquisa e Formação. São Paulo, nº 8, p. 7-22, jul. 2019. Disponível em: <https://portal.sescsp.org.br/files/artigo/3386e89b/9b36/47c5/9714/e651441f98fc.pdf>. Acesso em: 27, abr. 2022.

PETERSEN, N. D; DANIELSEN, L. B; “Lexa was me”: A case study of clexa fandom grieving. Kommunikation Og Digitale Medier, Aalborg, p. 1 - 58, mai. 2017. (tradução minha). Disponível em: <https://www.academia.edu/36593962/_Lexa_was_me_A_case_study_of_Clexa_fandom_grieving>. Acesso em: 8 jun. 2022.

POLESSO, N; Sobre Literatura Lésbica e Ocupação de Espaços. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília. n. 61, 31 ago. 2019. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/elbc/a/M6fvQXLjWw8fjzjbCTn8RPv/?lang=pt>. Acesso em: 29 nov. 2022.

REDAÇÃO; Elástica Explica: Termos Juvélicos. Elástica. [Online]. Disponível em: <https://elastica.abril.com.br/especiais/termos-juvelicos-genero-atracao-aquileano-safica/#:~:text=Por%20exemplo%3A%20um%20relacionamento%20entre,pode%20ser%20chamado%20de%20sáfica.> Acesso em: 18 dez. 2022.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? 1ª ed. Belo Horizonte: Letramento. 2017.

RICH, A. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 05, 2012. 18-44. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2309>. Acesso em: 29 out. 2022.

RODRIGUES, C. Performance, gênero, linguagem e alteridade: J. Butler, leitora de J. Derrida. Sexualidad, Salud y Sociedad. Rio de Janeiro. n. 10, p.40-164. abr. 2012. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1984-64872012000400007>. Acesso em: 29 jul. 2022.

RODRIGUES, A. P. R. Representatividade LGBTQIA + na mídia: Uma análise da série The 100 acerca do anticonsumo. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração) Universidade Federal do Pampa, Santana do Livramento. 2022. 31 f. Disponível em: <https://dspace.unipampa.edu.br/bitstream/riu/7196/1/Ana_Paula__da_Rosa_Rodrigues.pdf> Acesso em: 7 jun. 2022.

ROSSET, T. Uma das cantoras “lésbicas” da dupla t.A.T.u disse que ser gay não é natural; assista e entenda a polêmica. [Online]. Disponível em: <https://vejasp.abril.com.br/coluna/pop/uma-das-cantoras-8220-lesbicas-8221-da-dupla-t-a-t-u-disse-que-ser-gay-nao-e-8220-natural-8221-assista-e-entenda-a-polemica/>. Acesso em: 29 nov. 2022.

SILVA, F. G; Subjetividade, individualidade, personalidade, e identidade: concepções a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia da Educação. Jardim São Paulo, nº 28, p. 169 - 175. mai. 2019. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/psicoeduca/article/view/43108> Acesso em: 14 jun. 2022.

SOUZA, A. C. M; A comunidade LGBT na alemanha nazista: A exclusão histórica de um grupo social. Revista Outras Palavras, Brasília, v. 18, n. 1, p. 44-59, fev. 2021. Disponível em: <http://revista.faculdadeprojecao.edu.br/index.php/Projecao5/article/view/1779/1393>. Acesso em: 28 abr. 2022.

VINUTO, J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, v. 22, n. 44, p. 203–220, 2014. DOI: 10.20396/tematicas.v22i44.10977. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/10977. Acesso em: 2 dez. 2022.

Downloads

Publicado

2023-10-23

Como Citar

FERREIRA, A. C. .; BRUHN, M. M. . HISTÓRIAS SÁFICAS NÃO CONTADAS: UM RECORTE NAS SUBJETIVIDADES LÉSBICAS AFETADAS POR PRODUÇÕES NARRATIVAS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i2.53333. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/53333. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos