SERIA A MULHER “LOUCA” UMA MÁ MÃE? REFLEXÕES SOBRE MATERNIDADE E LOUCURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.53020

Palavras-chave:

maternidade; loucura; desamparo social; violência; gênero.

Resumo

A escrita deste ensaio teve o objetivo de revisitar experiências de pesquisa e intervenções no campo da saúde mental, na qual a experiência da maternidade com a loucura se cruzam. Trabalhamos a partir da história de vida de mulheres com sofrimento psíquico e que enfrentaram os desafios na construção do laço com seus filhos e para o exercício da maternidade. Trajetórias nas quais se articulam o sofrimento psíquico, a violência de gênero e o desamparo social. Conhecer suas histórias nos possibilita aprimorar a assistência destinada tanto à elas quanto a seus (suas) filhos. Vamos destacar os seguintes pontos, a partir das três narrativas: as violências de gênero no caso das loucas; a ausência das redes (formais e informais) de suporte e os desafios na construção do laço entre as mães e seus/suas filhos/filhas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vládia Jamile dos Santos Jucá, Universidade Federal do Ceará

Psicóloga formada pela Universidade Federal do Ceará; Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia; Doutora em Saúde Comunitária pela Universidade Federal da Bahia. Realizou estágio pós-doutoral em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente, Professora Associada do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará. Endereço para correspondência: Rua Gustavo Sampaio, 2075, Parquelandia, 60455001 - Fortaleza, CE – Brasil. E-mail: vladiajuca@gmail.com

Adilane dos Santos Barbosa, Universidade Federal da Bahia

Psicóloga formada pela Universidade Federal da Bahia e Mestre em Saúde Comunitária pelo Instituto de Saúde Coletiva – ISC/UFBA. E-mail: adilanebarbosa@gmail.com

Referências

ARBEX, D. Holocausto brasileiro. Rio de Janeiro: editora Intrínseca, 2013.

BARBOSA, A. S.; JUCÁ, V. J. S. Maternidade e loucura: questões jurídicas em torno do poder familiar. Mental, Barbacena, v. 11, n. 20, p. 243-260, 2017.

BARBOSA, L. B.; DIMENSTEIN, M.; LEITE, J. F. Mulheres, violência e atenção em saúde mental: questões para (re) pensar o acolhimento no cotidiano dos serviços. Avances em Psicología Latino americana, 32(2), p. 309-320, 2014. dx.doi.org/10.12804/apl32.2.2014.09

BIROLI, F. Gênero e Desigualdades – Limites da democracia no Brasil. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

CAMPANÁRIO, I. S. Intervenção a tempo em bebês com impasses ao desenvolvimento psíquico. Estudos de Psicanálise, (55), 51-56, 2021.

CAMPOS, I. O. Saúde mental e gênero em um Caps II de Brasília: Condições sociais, sintomas, diagnósticos e sofrimento psíquico. Tese de Doutorado, Programa de Pós Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, Brasília, 2016.

CARNEIRO, U. S. S.; AQUINO, G. C.; JUCÁ, V. J. S. Desafios da integralidade na assistência: o itinerário terapêutico de mães com sofrimento psíquico grave, Rev. psicol. (Fortaleza, Online), v. 5, n.1, p. 46-57, 2014.

CARTEADO, M. Ela não pode ser mãe! Quando maternidade e loucura se cruzam. In: SILVA, M. V. O. (Org.). IN-tensa. EX-tensa: A Clínica Psicossocial das Psicoses. Salvador: LEV - Laboratório de Estudos Vinculares / UFBA, p. 223-227, 2007.

CARVALHO, B. C. B. Maternidade e filialidade para mães em sofrimento psíquico e suas filhas: entre as delicadezas da experiência pessoal e os recursos de proteção social. Tese (Doutorado em Psicologia do Desenvolvimento), Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2019.

COLLINS, P. R. Pensamento feminista negro: Conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Tradução Jamile Pinheiro Dias. Boitempo, 2019.

COSTA, J. F. História da Psiquiatria no Brasil. Garamond, 2007.

CULLERE-CRESPIN, G. A Clínica Precoce: O Nascimento do Humano. Casa do Psicólogo, 2004.

FOUCALT, M. Doença Mental e Psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

GOFFMAN, E. (1988) Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução M. Nunes, 4. ed. LTC, 2008.

MARIANO, A.; REIS, N. Ouçam nossas vozes. [Vídeo Campanha Ouçam Nossas Vozes], São Paulo, Janssen Brasil, 2019.

MEDEIROS, M. P.; ZANELLO, V. Relação entre a violência e a saúde mental das mulheres no Brasil: análise das políticas públicas. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 18(1), p. 384-403, 2018. https://doi.org/10.12957/epp.2018.38128

Downloads

Publicado

2023-06-27

Como Citar

JAMILE DOS SANTOS JUCÁ, V. .; DOS SANTOS BARBOSA, A. . SERIA A MULHER “LOUCA” UMA MÁ MÃE? REFLEXÕES SOBRE MATERNIDADE E LOUCURA. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.53020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/53020. Acesso em: 25 maio. 2024.