VIVÊNCIA FEMININA DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19: O AGRAVAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM, PARÁ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.51569

Palavras-chave:

Coronavírus, Sindemia, Marcadores Sociais, Violência de gênero

Resumo

Este artigo analisou os marcadores sociais de diferença agravados pela pandemia de COVID-19, intensificando problemas sociais pré-existentes, como a desigualdade de gênero. Utilizou-se a noção de sindemia, caracterizada pela junção entre um problema de âmbito social que é piorado em virtude de uma crise humanitária. Para isso, a pesquisa focou na violência de gênero, que por efeito das medidas de isolamento social sofreu aumento significativo, e buscou o auxílio da pesquisa bibliográfica sobre o contexto do Brasil durante a pandemia. O Google Formulário foi utilizado para obtenção de relatos da vivência das mulheres no período pandêmico, contando com 107 participantes. Constatou-se que a pandemia intensificou os casos de violência doméstica e intrafamiliar, prejudicando a busca por medidas protetivas em ocasião do lockdown obrigatório. Se fazendo necessário políticas públicas que considerem os contextos extremos, como a pandemia, ao elaborar medidas de redução da violência de gênero, de modo a não ressaltar ainda mais a desigualdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arantxa Carla da Silva Santos, Universidade Federal do Pará

Mestra em Antropologia pela Universidade Federal do Pará (PPGA/UFPA), Especialista em Docência do Ensino Superior pela Universidade da Amazônia (UNAMA), Especialista em Gestão Ambiental pela Faculdade Ideal (FACI), Bacharela em Relações Internacionais pela Universidade da Amazônia (UNAMA). Possui experiência profissional na área de Administração, com ênfase em Comércio Exterior e Turismo, e experiência acadêmica em pesquisas voltadas para sustentabilidade e questão de gênero.Amazônia.

Ana Carolina da Silva Brito de Azevedo, Universidade Federal do Pará

Doutoranda em Antropologia na área de concentração em Bioantropologia no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal do Pará. Mestra em Bioantropologia pelo mesmo Programa. Graduação em Licenciatura Plena em História pela Faculdade Integrada Brasil Amazônia. Foi graduanda do curso de bacharelado em Ciências Sociais na Universidade Federal do Pará, onde desenvolveu pesquisa de iniciação científica em Arqueologia e na área de Antropologia Social. É membra do Grupo de Pesquisa: Arqueologia, Biologia Humana e Ambiente e do Grupo de Antropologia e do grupo de pesquisa Turismo na Amazônia- GATA. Atualmente atua como pesquisadora de campo do projeto Formação do Microbioma Intestinal Infantil: uma investigação biocultural, desenvolvendo coleta de dados quantitativos e qualitativos, além de trabalhos laboratoriais de amostras biológicas coletadas em campo. Possui interesse em Saúde e Doença na Amazônia; Bioantropologia e Antropologia Médica.

Referências

AGUIAR, Irailton Rodrigues de et al. Violência contra a mulher: estupro marital sobre a análise

jurídica. Brazilian Journal of Development, [s. l.], v. 7, n. 11, p. 101509–102609, 2021.

Disponível em: https://brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/39060. Acesso em: 13

abr. 2022.

AGUIAR, Janaina Marques de; D’OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas; SCHRAIBER, Lilia Blima.

Mudanças históricas na rede intersetorial de serviços voltados à violência contra a mulher – São

Paulo, Brasil. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, [s. l.], v. 24, p. 1–16, 2020. Disponível

em: http://www.scielo.br/j/icse/a/S6jqNqywCWZ4NLXCcJGJDVb/?lang=pt. Acesso em: 12 abr.

ANDRADE, Aline Ricelli Gonçalves; SOUZA, Thalita Graziele Pereira. O IMPACTO DA

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NA VIDA DA MULHER QUE EXERCE O TRABALHO REMOTO

EM TEMPOS DE PANDEMIA DE COVID-19. [s. l.], p. 18, 2021.

ANDRES, Fabiane da Costa et al. A utilização da plataforma Google Forms em pesquisa

acadêmica: relato de experiência. Research, Society and Development, [s. l.], v. 9, n. 9, p.

e284997174, 2020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/7174. Acesso

em: 24 mar. 2022.

BARBOSA, Jeanine Pacheco Moreira et al. INTERSECCIONALIDADE E OUTROS OLHARES

SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES EM TEMPOS DE PANDEMIA PELA COVID-

[s. l.], 2020. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/2549903749170929.

BARROSO, Hayeska Costa; GAMA, Mariah Sá Barreto. A crise tem rosto de mulher: como as

desigualdades de gênero particularizam os efeitos da pandemia do COVID-19 para as mulheres no

Brasil. Revista do Ceam, [s. l.], v. 6, n. 1, p. 84–94, 2020. Disponível em:

https://doi.org/10.5281/zenodo.3953300. Acesso em: 7 fev. 2022.

BAUM, Paige et al. Garantindo uma resposta do setor de saúde com foco nos direitos das mulheres

afetadas pelo vírus Zika. Cadernos de Saúde Pública, [s. l.], v. 32, n. 5, 2016. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/csp/a/VVDGphVDtBWyWGRTbqvqMdD/?lang=pt. Acesso em: 13 abr.

BIANCHINI, Alice. Lei Maria da Penha. São Paulo: Editora Saraiva, 2014. E-book. Disponível

em: http://public.ebookcentral.proquest.com/choice/publicfullrecord.aspx?p=4557378.

BOTTALLO, Ana. Combinação de Covid-19 e doenças crônicas cria “sindemia global”, sugere

estudo. [S. l.], 2020. Disponível em:

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/10/combinacao-de-covid-19-e-doencas-

cronicas-cria-sindemia-global-sugere-estudo.shtml. Acesso em: 13 abr. 2022.

CAMPOS, Brisa; TCHALEKIAN, Bruna; PAIVA, Vera. Violência Contra a Mulher:

vulnerabilidade programática em tempos de SARS-COV-2/COVID-19 em São Paulo. Psicologia e

Sociedade, [s. l.], v. 32, p. 1–20, 2020.

CURIA, Beatriz Gross et al. Produções Científicas Brasileiras em Psicologia sobre Violência contra

Mulher por Parceiro Íntimo. Psicologia: Ciência e Profissão, [s. l.], v. 40, p. 1–19, 2020.

Disponível em: http://www.scielo.br/j/pcp/a/V8jcXqbrLxts8r5jqzQ8LPv/?lang=pt. Acesso em: 12

abr. 2022.

D’OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas et al. Obstáculos e facilitadores para o cuidado de mulheres

em situação de violência doméstica na atenção primária em saúde: uma revisão sistemática.

Interface: Comunicação, Saúde, Educação, [s. l.], v. 24, p. 1–17, 2020. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/icse/a/ttfjMwYKXCHCxhKHjSVpMYL/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2022.

FONSECA, Denire Holanda da; RIBEIRO, Cristiane Galvão; LEAL, Noêmia Soares Barbosa.

Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia e Sociedade,

[s. l.], v. 24, n. 2, p. 307–314, 2012. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/psoc/a/bJqkynFqC6F8NTVz7BHNt9s/. Acesso em: 12 abr. 2022.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Violência contra mulheres. Brasília:

FBSP, 2021.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Violência doméstica durante a pandemia

de Covid-19. Brasília: DECODE, 2020.

FREITAS, Gabriela; FLEISCHER, Soraya. A epidemia do vírus Zika nas Ciências Sociais no

Brasil: Um balanço bibliográfico (2016-2018). Revista TOMO, [s. l.], n. 38, p. 309–338, 2021.

Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/tomo/article/view/13295. Acesso em: 13 abr. 2022.

GOMES, Kyres Silva. Violência contra a mulher e Covid-19: dupla pandemia. Revista Espaço

Acadêmico, [s. l.], 2020.

GUIMARÃES, Maisa Campos; PEDROZA, Regina Lucia Sucupira. Violência contra a mulher:

problematizando definições teóricas, filosóficas e jurídicas. Psicologia e Sociedade, [s. l.], v. 27, n.

, p. 256–266, 2015. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/psoc/a/Dr7bvbkMvcYSTwdHDpdYhfn/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2022.

HALL, Kelli Stidham et al. Centring sexual and reproductive health and justice in the global

COVID-19 response. The Lancet, [s. l.], v. 395, n. 10231, p. 1175–1177, 2020. Disponível em:

https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0140673620308011.

KRUG, Etienne et al. Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: Organização Mundial

da Saúde, 2002.

LANA, Raquel Martins et al. Emergência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o papel de uma

vigilância nacional em saúde oportuna e efetiva. Cadernos de Saúde Pública, [s. l.], v. 36, n. 3,

Disponível em: https://doi.org/10.5281/zenodo.3953300. Acesso em: 25 mar. 2022.

LONDON SCHOOL OF HYGIENE AND TROPICAL MEDICINE. Preventing intimate partner

and sexual violence against women: taking action and generating evidence. Geneva: World

Health Organization, 2010.

LOZANO, María del Río; CALVENTE, María del Mar García. Cuidados y abordaje de la

pandemia de COVID-19 con enfoque de género. Gaceta Sanitaria, [s. l.], v. 35, n. 6, p. 594–597,

Disponível em: /pmc/articles/PMC7256491/. Acesso em: 13 abr. 2022.

MALTA, Renata Barreto et al. Crise dentro da crise: a pandemia da violência de gênero. Sociedade

e Estado, [s. l.], v. 36, n. 3, p. 843–866, 2021. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/se/a/xm8CPhtKpZbpqv3FhcTLMkC/. Acesso em: 7 fev. 2022.

MARANHÃO, Romero de Albuquerque. A violência doméstica durante a quarentena da COVID-

: entre romances, feminicídios e prevenção. Brazilian Journal of Health Review, [s. l.], v. 3, n.

, p. 3197–3211, 2020. Disponível em:

https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/8879. Acesso em: 29 mar. 2022.

MARTINEZ, Monica; LAGO, Cláudia; LAGO, Mara Coelho de Souza. Estudos de gênero na

pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação. Revista FAMECOS, [s. l.], v. 23, n. 2, p.

, 2016. Disponível em:

https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/22464. Acesso em: 29

mar. 2022.

MATTA, Gustavo Corrêa et al. (org.). Os impactos sociais da Covid-19 no Brasil: populações

vulnerabilizadas e respostas à pandemia. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2021. E-book. Disponível em:

https://doi.org/10.7476/9786557080320. Acesso em: 7 fev. 2022.

MEDRADO, Benedito; MÉLLO, Ricardo Pimentel. POSICIONAMENTOS CRÍTICOS E ÉTICOS

SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES. Psicologia e Sociedade, [s. l.], v. 20, n.

SPEC. ISSS., p. 78–86, 2008. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/psoc/a/kj6s6xfJkXRXgYtFVDPvXYw/abstract/?lang=pt. Acesso em: 12 abr.

MENDONCA, Marcela Franklin Salvador de; LUDERMIR, Ana Bernarda. Intimate Partner

Violence And Incidence Of Common Mental Disorder. Revista de Saude Publica, [s. l.], v. 51, n.

, p. 1–7, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006912. Acesso em:

abr. 2022.

MONTEIRO, Renata Lúcia de Souza Gaúna; SANTOS, Dayane Silva. A UTILIZAÇÃO DA

FERRAMENTA GOOGLE FORMS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO ENSINO

NA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA. Revista Carioca de Ciência Tecnologia e Educação, [s.

l.], v. 4, n. 2, p. 27–38, 2019. Disponível em:

https://recite.unicarioca.edu.br/rccte/index.php/rccte/article/view/72. Acesso em: 25 mar. 2022.

MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Convergências Midiáticas,

Educação e Cidadania: aproximações jovens, [s. l.], v. 2, p. 15–33, 2015. Disponível em:

http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf.

MOTA, Janine da Silva. UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FORMS NA PESQUISA ACADÊMICA.

Humanidades&Inovação, [s. l.], v. 6, n. 12, p. 371–380, 2019.

NORAT, Adriana Barros et al. Violência doméstica e familiar contra a mulher, em Belém-Pará,

durante o período da pandemia da COVID-19. Revista do Sistema Único de Segurança Pública,

[s. l.], v. 1, n. 1, p. 65–77, 2021. Disponível em: http://lattes.cnpq.br/7021792564330595; Acesso

em: 7 fev. 2022.

OBSERVATÓRIO DA MULHER CONTRA A VIOLÊNCIA. PESQUISA DE OPINIÃO

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER. Brasília: Senado Federal,

OPAS. Violência contra as mulheres. [S. l.], 2019. Disponível em:

https://www.paho.org/pt/topics/violence-against-women. Acesso em: 13 abr. 2022.

PARÁ. GOVERNADOR (ALMIR GABRIEL). Lei Complementar N o 027, de 19 de Outubro de

1995.

PARÁ. GOVERNADOR (HELDER BARBALHO). DECRETO n o 729. Governo do Estado do

Pará, 2020. Disponível em: https://www.sistemas.pa.gov.br/sisleis/legislacao/5578. Acesso em: 25

mar. 2022.

PARÁ. GOVERNADOR (HELDER BARBALHO). DECRETO n o 800. 2020. Disponível em:

www.covid-19.pa.gov.br. Acesso em: 25 mar. 2022.

PARÁ. GOVERNADOR (SIMÃO JATENE). Lei Complementar N o 076, de 28 de Dezembro de

Brasil: 2011. Disponível em: http://planodiretor.belem.pa.gov.br/wp-

content/uploads/2019/05/lei_027_1995.pdf.

PASSOS, Úrsula. Mundo pós-pandemia terá valores feministas no vocabulário comum, diz

antropóloga Debora Diniz. [S. l.], 2020. Disponível em:

https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/04/mundo-pos-pandemia-tera-valores-

feministas-no-vocabulario-comum-diz-antropologa-debora-diniz.shtml. Acesso em: 28 mar. 2022.

PATENTAN, Carole. Críticas feministas a à dicotomía público/privado. In: MIGUEL, Luis Felipe;

BIROLI, Flávia (org.). Teoria Política Feminista: textos centrais. Buenos Aires: Paidós, 1996. p.

–79.

PESSOA, Brenna Galtierrez Fortes; NASCIMENTO, Elaine Ferreira do. Feminicídio e Covid-19:

duas expressões da questão social. Revista Espaço Acadêmico, [s. l.], v. 20, n. 224, p. 37–46,

Disponível em:

https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/55867. Acesso em: 29 mar.

PIMENTA, Denise. Pandemia é coisa de mulher: Breve ensaio sobre o enfrentamento de uma

doença a partir das vozes e silenciamentos femininos dentro das casas, hospitais e na produção

acadêmica. Tessituras: Revista de Antropologia e Arqueologia, [s. l.], v. 8, n. 1, p. 8–19, 2020.

Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/tessituras/article/view/18900. Acesso

em: 13 abr. 2022.

PISANI, Mariane da Silva. O enfrentamento e a sobrevivência ao Coronavírus também precisa ser

uma questão feminista!. Cadernos de Campo (São Paulo - 1991), [s. l.], v. 29, n. 1, p. 156–162,

Disponível em: https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/168854. Acesso

em: 29 mar. 2022.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. LEI N o 11.340, DE 7 DE AGOSTO DE 2006. Brasil: 2006.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. LEI N o 14.149, DE 5 DE MAIO DE 2021. 2021. Disponível

em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2021/Lei/L14149.htm#art3. Acesso em:

abr. 2022.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. LEI N o 14.310, DE 8 DE MARÇO DE 2022. Brasil: 2022.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2022/Lei/L14310.htm.

Acesso em: 12 abr. 2022.

SAFFIOTI, Heleieth. GENERO PATRIARCADO VIOLENCIA. 2. ed. São Paulo: Fundação

Perseu Abramo, 2015.

SANTOS, Ariane Gomes dos et al. Tipos de transtornos mentais não psicóticos em mulheres

adultas violentadas por parceiro íntimo: uma revisão integrativa. Revista da Escola de

Enfermagem, [s. l.], v. 52, p. 1–8, 2018. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/reeusp/a/jv5tRXN38mZkgPC5gRw47df/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2022.

SANTOS, Jamille Bernardes da Silveira Oliveira dos; CARDIN, Valéria Silva Galdino. Da

violência de gênero no contexto da pandemia da COVID-19: um diálogo à luz dos direitos humanos

e da personalidade. Prisma Juridico, [s. l.], v. 20, n. 1, p. 173–191, 2021. Disponível em:

https://periodicos.uninove.br/prisma/article/view/17975. Acesso em: 7 fev. 2022.

SANTOS, Ana Paula Coelho Abreu dos; WITECK, Guilherme. VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E

FAMILIAR CONTRA A MULHER. In: , 2016, Santa Cruz do Sul. Seminário Internacional

Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea. Santa Cruz do Sul:

UNISC, 2016.

SENADO FEDERAL. Boletim Mulheres e seus Temas Emergentes Violência doméstica em

tempos de COVID-19. Brasília: DataSenado, 2020. E-book. Disponível em:

www.senado.leg.br/omv. Acesso em: 25 mar. 2022.

SILVA, Andrey Ferreira da et al. Elementos precipitadores/intensificadores da violência conjugal

em tempo da Covid-19. Ciencia e Saude Coletiva, [s. l.], v. 25, n. 9, p. 3475–3480, 2020.

Disponível em: http://orcid.org/0000-0002-1038-7443. Acesso em: 25 mar. 2022.

SILVA, Lídia Ester Lopes da; OLIVEIRA, Maria Liz Cunha de. Violência contra a mulher: revisão

sistemática da produção científica nacional no período de 2009 a 2013. Ciência e Saúde Coletiva,

[s. l.], v. 20, n. 11, p. 3523–3532, 2015. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/csc/a/tWkf7gCRjdr8wxNFCqqjszL/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2022.

SINGER, Merrill et al. Syndemics and the biosocial conception of health. The Lancet, [s. l.], v.

, n. 10072, p. 941–950, 2017. Disponível em: www.thelancet.com. Acesso em: 13 abr. 2022.

SIQUEIRA, Juliane Silva; GOMINHO, Leonardo Barreto Ferraz. A difícil comprovação do estupro

marital e o desconhecimento desse crime pela sociedade. Revista JusBrasil, [s. l.], 2019.

Disponível em: https://ferrazbar.jusbrasil.com.br/artigos/723816823/a-dificil-comprovacao-do-

estupro-marital-e-o-desconhecimento-desse-crime-pela-sociedade. Acesso em: 13 abr. 2022.

SPINK, Mary Jane Paris. “FIQUE EM CASA”: A GESTÃO DE RISCOS EM CONTEXTOS DE

INCERTEZA. Psicologia & Sociedade, [s. l.], v. 32, 2020. Disponível em:

http://www.scielo.br/j/psoc/a/8vRJxGtSnJp7YVMyyNhDqTC/?lang=pt. Acesso em: 13 abr. 2022.

VIEIRA, Pâmela Rocha; GARCIA, Leila Posenato; MACIEL, Ethel Leonor Noia. Isolamento

social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela?. Revista Brasileira de

Epidemiologia, [s. l.], v. 23, p. 1–5, 2020. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2020000100201&tlng=pt.

Acesso em: 13 abr. 2022.

ZAYAS, Karen Alonso. Violencia de género: pandemia de la sociedad. Revista Estudios del

Desarrollo Social: Cuba y América Latina, [s. l.], v. 3, n. 2, p. 87–98, 2015. Disponível em:

www.revflacso.uh.cu. Acesso em: 7 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2023-07-08

Como Citar

DA SILVA SANTOS, A. C.; DA SILVA BRITO DE AZEVEDO, A. C. VIVÊNCIA FEMININA DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19: O AGRAVAMENTO DA VIOLÊNCIA DE GÊNERO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM, PARÁ. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.51569. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/51569. Acesso em: 26 fev. 2024.