EMERGÊNCIA DO ASSÉDIO COMO VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO BRASIL

UMA LEITURA A PARTIR DAS LUTAS FEMINISTAS E DE ALGUMAS ESTRATÉGIAS DE COMBATE DESDE OS ANOS 2000

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i2%20e%203.46659

Resumo

Casos de assédio têm tido visibilidade na opinião pública brasileira, a partir de denúncias que envolvem diferentes profissões, empresas privadas e públicas e instituições de ensino superior. Esse artigo tem como finalidade compreender como o assédio emergiu como uma problemática contemporânea. Para isso, utilizamos análise bibliográfica e documental, entendendo o assédio como uma violência de gênero, fenômeno situado e hierarquizado, assim como uma temática a ser enfrentada a partir do uso de protocolos na esfera pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Rosar Fornazari Klanovicz, Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Paraná

Doutora em História (UFSC, 2008). Pesquisadora visitante no Lateinamerika Institut - Freie Universität Berlin (2017). Docente do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário, da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Brasil.

Bruna Rossignolli, Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro)

Mestre pelo Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário (PPGDC - Unicentro). Bacharel em Serviço Social pela Unicentro. Atua como Assistente Social na Policlínica Guairacá.

Referências

ACTIONAID. Em pesquisa da ActionAid, 86% das brasileiras ouvidas dizem já ter sofrido assédio em espaços urbanos. 2016. Disponível em: <http://actionaid.org.br/na_midia/em-pesquisa-da-actionaid-86-das-brasileiras-ouvidas-dizem-ja-ter-sofrido-assedio-em-espacos-urbanos/#> Acesso em: 3 ago. 2020.

AVON. Violência contra a mulher no ambiente universitário. 2015. Disponível em: <http://www.ouvidoria.ufscar.br/arquivos/PesquisaInstitutoAvon_V9_FINAL_Bx20151.pdf> Acesso em: 8 jul. 2020.

BAUMGARTEN, N. #meuprimeiroassédio: considerações sobre violência, gênero, feminismos e mídias. Ponto Urbe, 26, 2020. Disponível em: <https://journals.openedition.org/pontourbe/8418 >. Acesso em: 31 de jul. de 2021.

BLAY, E. A. (org). Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

BRASIL. Lei Maria da Penha. Lei N.°11.340, de 7 de agosto de 2006.

BRASIL, Lei n. 13. 663, de 14 de maio de 2018. Altera o art. 12 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para incluir a promoção de medidas de conscientização, de prevenção e de combate a todos os tipos de violência e a promoção da cultura de paz entre as incumbências dos estabelecimentos de ensino. Governo Federal: Presidência da República Secretaria Geral, 2018. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13663.htm> Acesso em: 9 set. 2020.

BRASIL, Senado Federal. Assédio Moral e Sexual. Programa de Pró-Equidade de Gênero e Raça. Disponível em: <https://www12.senado.leg.br/institucional/procuradoria/proc-publicacoes/cartilha-assedio-moral-e-sexual> Acesso em: 26 ago. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRITO, D. Nova lei de importunação sexual pune assédio na rua. Agência Brasil, set. de 2019. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2018-09/nova-lei-de-importunacao-sexual-pune-assedio-na-rua> Acesso em: 15 set. 2020.

CEDAW, Convenção sobre a Eliminação de Discriminação contra a Mulher. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW, 1979) – promulgada pelo Decreto n º 89.460, de 20/03/1984, 16 de agosto de 2012. Disponível em: <http://www.compromissoeatitude.org.br/convencao-sobre-a-eliminacao-de-todas-as-formas-de-discriminacao-contra-a-mulher-cedaw-1979/> Aceso em: 15 jul. 2020.

CITE, Comissão para Igualdade no Trabalho e Emprego. Assédio. Disponível em: <http://cite.gov.pt/pt/acite/dirdevtrab005.htm> Acesso em: 15 set. 2020.

DEL PRIORE, M. Viagem pelo Imaginário do Interior Feminino. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 19, n. 37, set. 1999. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01881999000100009&lng=pt&tlng=pt> Acesso em: 10 jun. 2020.

DINIZ, M. I. Assédio Moral e Sexual como Violência no Cotidiano das Trabalhadoras. In: VII Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2005. São Luís, Universidade Federal do Maranhão, 2005.

FERREIRA, J. A violência por trás dos muros universitários: uma análise do assédio moral no ensino superior. Jus.com.br, 2017. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/63785/a-violencia-por-detras-dos-muros-universitarios> Acesso em: 16 set. 2020.

FONSECA, D. D. F. Assédio moral e sexual: investigação sobre as formas de violência laboral baseadas nas relações poder. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão Pública). Universidade Federal do Pará, Belém 2017.

FREITAS, M. E. de. Assédio Moral e Sexual: faces do poder perverso das organizações. Relações de Trabalho, São Paulo, v. 41, n. 2, p,8-19, abri/jun 2001. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rae/v41n2/v41n2a02.pdf> Acesso em: 4 jun. 2020.

GHERINI, P. M. de M. Assédio Moral no Ambiente de Trabalho: Prevenção e Combate. Baptista Luz Advogados, 2019. Disponível em: <https://baptistaluz.com.br/institucional/assedio-moral-no-ambiente-de-trabalho-prevencao-e-combate/>. Acesso em: 9 set. 2020.

GOMES, L. F. Lei do Assédio Sexual (10.224/01): primeiras notas interpretativas. Revista de Estudos Criminais 3 Doutrina. Disponível em: <http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/SRC%2002_11.pdf> Acesso em: 18 jul. 2020.

GOOGLE, Trends. Meu primeiro assédio quando um momento na TV vira uma campanha nacional. Google Trends, out. de 2015. Disponível em: <https://trends.google.com.br/trends/story/BR_cu_Awe0NVEBAADmsM_en>. Acesso em: 31 de jul. de 2021.

GOUVERNEMENT, Liberté, Égalite, Fraternité. Combate à violência contra as mulheres: uma campanha para mudar comportamentos. Out., 2018. Disponível em: <https://www.gouvernement.fr/lutte-contre-les-violences-faites-aux-femmes-une-campagne-pour-changer-les-comportements> Acesso em: 24 ago. 2020.

GOUVERNEMENT. Lutte contre le harcélement: le Gouvernement s’associe au fonds pour le civisme de Facebook. Nov., 2018a. Disponível em: <https://www.gouvernement.fr/lutte-contre-le-harcelement-le-gouvernement-s-associe-au-fonds-pour-le-civisme-de-facebook-0> Acesso em: 24 ago. 2020.

GOUVERNEMENT. Violência contra a mulher: um plano com foco na prevenção, apoio e sanções mais duras. Nov. 2017. Disponível em: <https://www.gouvernement.fr/argumentaire/violences-faites-aux-femmes-un-plan-axe-sur-la-prevention-l-accompagnement-et-le> Acesso em: 24 ago. 2020.

HIRIGOYEN, M. F. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2010.

HIRIGOYEN, M. F. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

LINHARES, Y. et al. Protocolos de prevenção e enfrentamento da violência sexual no contexto universitário: uma análise do cenário latino-americano. Saúde e Sociedade, v. 30, n. 1, e e200180, 2021.

MOREIRA, M. M. da S. Assédio Sexual Feminino no Mundo do Trabalho: algumas considerações para reflexão. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/ssrevista/c_v4n2_marilda.htm> Acesso em: 10 jun. 2020.

NJAINE, K. et al. Violência e Perspectivas Relacional de Gênero. Florianópolis, 2013.

OIT. Discriminação no Trabalho: Mecanismos de Combate à Discriminação e Promoção de Igualdade de Oportunidades: Repertório de recomendações práticas da OIT sobre HIV/AIDS e o mundo do trabalho. Oficina Internacional del Trabajo. Brasília: Secretaria Internacional do Trabalho, 2001.

ONU. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher - CEDAW. 18 dez. 1979. Disponível em: <http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2013/03/convencao_cedaw.pdf> Acesso em: 16 jul. 2020.

ONU. Declaração Sobre a Eliminação da Violência Contra as Mulheres. Brasília, 20 dez. 1993.

PANCHERI, I. Assédio Moral no Mundo: Enfrentamento. Estado de Direito, informação formando opinião, 13 nov. 2017. Disponível em: <http://estadodedireito.com.br/assedio-moral-no-mundo/> Acesso em: 18 jul. 2020.

PIMENTEL, S. Experiências e Desafios: Comitê sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação contra a Mulher – CEDAW/ONU. Brasília: SPM, 2008.

SAFFIOTI, H. I. B. Violência e assédio sexual. Estudos Feministas, Florianópolis, 1994.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n.2. jul.-dez.,1995.

SILVA, D. N. O que é feminismo? Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-e-feminismo.htm> Acesso em: 19 jun. 2020.

SILVA, E. C. A situação das universidades brasileiras: repensando o espaço de construção do saber acadêmico como contribuição para o saber profissional do Serviço Social. Congresso Catarinense de Assistentes Sociais, Florianópolis 2013. Disponível em: <http://cress-sc.org.br/wp-content/uploads/2014/03/A-situa%C3%A7%C3%A3o-das-Universidades-brasileiras.pdf> Acesso em: 8 jul. 2020.

SILVA, E. M. da. As relações de gênero no magistério: a imagem da feminização. Vitória: Edufes, 2002.

SILVA, L. N. O público de um crime privado: estupro, masculinidades, e condicionantes culturais – Apontamentos para Políticas Públicas de reintegração de infratores, prevenção e atendimentos a mulheres. 2006. Tese. Campos dos Goytacazesm Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, 2006. Disponível em: <http://www.uenf.br/Uenf/Downloads/P_SOCIAIS_4856_1245942530.pdf> Acesso em: 11 set. 2020.

SILVA, L. R. C. da et al. Pesquisa Documental: Alternativas Investigativa na formação docente. IX Congresso Nacional de Educação – Educere. PUC, out. de 2009. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/3124_1712.pdf> Acesso em: 30 set. 2020.

SILVA, R. M. da. (Des)igualdade da Mulher: da educação para o lar à conquista por espaço profissional. Brasil jurídico, ago. 2018. Disponível em: <https://brasiljuridico.com.br/artigos/desigualdade-da-mulher-da-educao-para-o-lar-conquista-por-espao-profissional> Acesso em: 25 jul. 2020.

SILVA, V. R. da S. Com campanhas e hashtags, debate online sobre assédio quadruplica nos últimos três anos. Gênero e Número. Disponível em: <https://www.generonumero.media/com-campanhas-e-hashtags-debate-online-sobre-assedio-quadruplica-nos-ultimos-tres-anos/>. Acesso em: 31 jul. 2021.

SOARES, F. de C.; DUARTE, B. H. O assédio moral no ordenamento jurídico. Fórum Trabalhista. Belo Horizonte, ano 3, n. 11, p. 21-47, mar./abr. 2014. Disponível em: <https://www.editoraforum.com.br/wp-content/uploads/2014/06/O-assedio-moral-no-ordenamento-juridico-brasileiro.pdf> Acesso em: 26 ago. 2020.

SWEDEN. Government Offices Of. Manual Política Externa Feminista da Suécia. 2014. Tradução: Embaixada da Suécia em Brasília. Disponível em: <https://www.government.se/49109d/contentassets/fc115607a4ad4bca913cd8d11c2339dc/handbook---swedens-feminist-foreign-policy-in-portuguese.pdf> Acesso em: 18 ago. 2020.

SOIHET, R.; PEDRO, J. M. A emergência da pesquisa da história das mulheres e das relações de gênero. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 27, n. 54, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbh/a/QQh4kZdCDdnQZjv6rqJdWCc/abstract/?lang=pt> Acesso em: 19 jul. 2021.

TELES, M. A. de A. O que são direitos humanos das mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2007.

THINK OLGA. #Primeiro Assédio. Think Ola. Disponível em: <https://thinkolga.com/projetos/primeiroassedio/>. Acesso em: 31 jul. 2021.

TRIBUNAL Superior do Trabalho. Cartilha de Prevenção ao Assédio Moral e Sexual - por um ambiente de trabalho mais positivo. Brasília: TST, 2022.

UFSC. Assédio Moral no Trabalho. Disponível em: <http://www.assediomoral.ufsc.br/?page_id=451> Acesso em: 8 set. 2020.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

KLANOVICZ, L. R. F.; ROSSIGNOLLI, B. EMERGÊNCIA DO ASSÉDIO COMO VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO BRASIL: UMA LEITURA A PARTIR DAS LUTAS FEMINISTAS E DE ALGUMAS ESTRATÉGIAS DE COMBATE DESDE OS ANOS 2000. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 2 e 3, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i2 e 3.46659. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/46659. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos