“MINHA FEMINILIDADE NÃO É VIVIDA NOS PADRÕES”: (DES)CONSTRUÇÕES ESTUDANTIS ACERCA DE FEMINISMOS E FEMINILIDADES

STUDENT (DES)CONSTRUCTIONS ABOUT FEMINISMS AND FEMINILITIES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.46290

Resumo

Este estudo teve como principal objetivo analisar discursos sobre feminismos e feminilidades juvenis no contexto escolar do cariri cearense a partir da problematização de artefatos culturais. A pesquisa contou com 13 estudantes jovens mulheres de escolas públicas estaduais, por meio de uma entrevista coletiva. Empregamos a análise foucaultiana do discurso para examinar o material empírico. Os resultados obtidos evidenciaram que as feminilidades juvenis são marcadas por diversas questões, tais como; padrões estereotipados, assimetrias nas relações de gênero, assédios, violências e o não reconhecimento das múltiplas feminilidades. Assim, concluímos enfatizando a importância de incorporar os feminismos e feminilidades nos currículos escolares, visando reconhecer, sua importância e contribuição para a equidade de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaine de Jesus Souza, Professora Adjunta do Instituto de Formação de Educadores (IFE) na Universidade Federal do Cariri (UFCA)

Professora Adjunta do Instituto de Formação de Educadores (IFE) na Universidade Federal do Cariri (UFCA). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS. Mestra em Psicologia Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduada em Ciências Biológicas pela UFS. Monografia sobre Educação Sexual na escola. Experiência de 7 anos como professora de Educação Básica. Integrante do Grupo de Pesquisa, GESEC (Grupo de Estudos de Sexualidade e Estudos Culturais)/GESEC/UFS/CNPq. Estuda temáticas relativas à sexualidade, gênero e com foco na diversidade sexual e homofobia, temas abordados na dissertação. Tese defendida sobre Educação Sexual no currículo de licenciatura em Biologia.

Eugerbia Paula da Rocha, Universidade Federal do Cariri (UFCA)/Licenciada em Biologia

Mestranda em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG); Bióloga e licenciada em Ciências Naturais e Matemática pela Universidade Federal do Cariri (UFCA).

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale. Gênero, masculinidade e poder: Revendo um caso do sul de

Portugal. Anuário antropológico, v. 20, n. 1, p. 161-189, 1996.

AMÂNCIO, Ligia. Os seres e os Modos de Ser. Masculino e Feminino: a construção

social da diferença, p. 35-88, 1998.

ATLAS DA VIOLÊNCIA. Organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada;

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de

Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2019).

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BRITZMAN, Deborah P. O que é esta coisa chamada amor-identidade homossexual,

educação e currículo. Educação & realidade, v. 21, n. 1, 1996.

CHASSOT, Áttico. A ciência é masculina? É, sim senhora! Revista Contexto &

Educação, v. 19, n. 71-72, p. 9-28, 2004.

CORTES, Janaina et al. A educação machista e seu reflexo como forma de violência

institucional. Seminário Internacional de Educação no Mercosul, XVII, 2015.

COSTA, Marisa Vorraber; SILVEIRA, Rosa Hessel; SOMMER, Luis Henrique.

Estudos culturais, educação e pedagogia. Revista brasileira de educação, n. 23, p. 36-

, 2003.

DORNELLES, Priscila Gomes. Distintos destinos? A separação entre meninas e

meninos na educação física escolar uma perspectiva de gênero. (dissertação de

mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em

Educação. Porto Alegre, 2007.

FIGUEIRA, Márcia Luiza Machado. A revista Capricho e a produção de corpos

adolescentes femininos. Corpo, gênero e sexualidade. Um debate contemporâneo na

educação. Rio de Janeiro: Vozes, p. 124-135, 2003.

FELIPE, Jane. Erotização de corpos infantis. In: LOURO, G L, FELIPE, J;

GOELLNER, S V (orgs). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na

educação. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. Porto

Alegre: Artmed, 2009.

FOUCAULT, Michel. A Ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 1: a vontade do saber. 2. ed. São Paulo:

Paz e Terra, 2015.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas.

Proposições, Campinas, v. 19, n. 2, p. 56, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Flor de Açafrão: takes, cuts e close-ups. Belo Horizonte:

Autêntica, 2017.

MAIA, Ana Claudia Bortolozzi et al. Padrões de beleza, feminilidade e conjugalidade

em princesas da Disney: uma análise de contingências. Diversidade e Educação, v. 8, n.

Especiam, p. 123-142, 2020.

MARIANO, Silvana Aparecida. O sujeito do feminismo e o pós estruturalismo. Estudos

Feministas, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Centro de Comunicação

Expressão/UFSC, Florianópolis, Santa Catarina, v. 13, n. 3, p. 483-505, 2005.

MCLAREN, Margaret A. Foucault, feminismos e subjetividade. São Paulo: Intermeios,

(Coleção Entregênero).

MICHELLI, Regina Silva. Embates e enlaces do feminino em contos de Grimm.

Comunicações do Simpósio Internacional Literatura, Crítica, Cultura III: Interfaces.

Darandina Revisteletrônica–UFJF, Juiz de Fora, v. 2, n. 3, p. 1-13, 2009.

MEYER, Dagmar E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, G. L.; FELIPE,

J.; GOELLNER, S. V. (Orgs.). Corpo, Gênero e Sexualidade: um debate

contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p.11-29.

NADER, Maria Beatriz; CAMINOTI, Jacqueline Medeiros. Gênero e poder: a

construção da masculinidade e o exercício do poder masculino na esfera doméstica.

Anais do XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio: Saberes e práticas

cientificas, v. 16, 2014.

NASCIMENTO, Marcos; SEGUNDO, Márcio. Hombres, masculinidades y políticas

públicas: aportes para la equidad de género en Brasil1. Masculinidades y Políticas

Públicas: Involucrando Hombres en, p. 50, 2011.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8,

n. 2, 2000.

OLIVEIRA, Laís Paula Rodrigues; CASSAB, Latif Antonia. O movimento feminista:

algumas considerações bibliográficas. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas

Públicas. Universidade Estadual de Londrina. 2014.

PAULA, Raí Carlos Marques; DA ROCHA, Fátima Niemeyer. Os impactos da

masculinidade tóxica no bem-estar do homem contemporâneo. Revista Mosaico, v. 10,

n. 2Sup, p. 82-88, 2019.

RAGO, Margareth. Adeus ao feminismo? Feminismo e (pós) modernidade no Brasil.

Cadernos AEL, 1996.

ROSA, Cristiano Eduardo; FELIPE, Jane; LEGUIÇA, Michele Lopes. “Eu não sou um

homem fácil”: scripts de gênero e sexuais em tela e na educação. Revista Prâksis, v. 2,

p. 284-300, 2019.

RIBEIRO, Paula Regina Costa; ÁVILA, Dárcia Amaro. Sujeitos, histórias,

experiências, trajetórias... a narrativa como metodologia na pesquisa educacional. Pesquisas em Educação: experimentando outros modos investigativos. Coleção

cadernos Pedagógicos da EaD, v. 18, 2013.

ROSSI, Jean Pablo Guimarães; BABINSKI, Marcieli. Quem pode ser merida?

Estratégias para a educação de gênero e o empoderamento feminino: um relato de

experiência. Diversidade e Educação, v. 8, n. 1, p. 529-544, 2020.

ROSOSTOLATO, Breno. Alextimia e masculinidades. Revista Brasileira de

Sexualidade Humana, v. 30, n. 2, p. 55-64, 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade,

v. 20, n. 2, 1995.

SILVA, Elizabete Rodrigues. Feminismo radical–pensamento e movimento. Textura, v.

, n. 6, p. 24-34, 2008.

SILVA, Milena Oliveira da et al. Corpo, Cultura e Obesidade: desenvolvimento de

posicionamentos dinâmicos de si em mulheres submetidas à gastroplastia. 2017. 212f.

Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF,

Brasil, 2017.

SILVA, Nadson Fernando Nunes; SALES, Ailson Nunes; BASTOS, Sandra Nazaré

Dias. Feminilidades e masculinidades: uma análise a partir de filmes infantis. XI

Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – XI ENPEC Universidade

Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC – julho de 2017.

SILVEIRA, Maria Eduarda; ALDA, Lucía Silveira. Nós, mulheres: a importância da

sororidade e do empoderamento feminino. VII Seminário corpo gênero e sexualidade

III Luso-Brasileiro Educação em sexualidade, Gênero, saúde e sustentabilidade

resistências e ocupações nos espaços educacionais, Universidade Federal do Rio Grande

do Sul (2018).

SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. A entrevista na pesquisa em Educação – uma arena de

significados. In: COSTA, Marisa Vorraber. Caminhos investigativos II: outros modos

de pensar e fazer pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina editora, 2007.

p. 117-138.

SOMMER, Beatriz Miranda et al. Desigualdade de gênero no mercado de trabalho:

Percepções de estudantes de Administração durante a experiência de estágio Trabalho.

Trabalho de conclusão de Curso (Graduação) Universidade Federal de Santa Catarina.

Florianópolis, 2018.

SOUZA, Babi. Vamos juntas? o guia de sororidade para toda. 1a Ed. Rio de Janeiro:

Galera Record, 2016.

STEIL, Andrea Valéria. Organizações, gênero e posição hierárquica-compreendendo o

fenômeno do teto de vidro. Revista de Administra&ccdeil; ao da Universidade de São

Paulo, v. 32, n. 3, 1997.

Downloads

Publicado

2023-04-01

Como Citar

SOUZA, E. de J.; PAULA DA ROCHA, E. . “MINHA FEMINILIDADE NÃO É VIVIDA NOS PADRÕES”: (DES)CONSTRUÇÕES ESTUDANTIS ACERCA DE FEMINISMOS E FEMINILIDADES: STUDENT (DES)CONSTRUCTIONS ABOUT FEMINISMS AND FEMINILITIES. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.46290. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/46290. Acesso em: 22 fev. 2024.