PRETAS: LUTOS & AFETOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i2%20e%203.44706

Resumo

Este texto, escrito em formato de ensaio, é um convite à reflexão sobre a potência dos afetos. Mais especificamente da compreensão sobre a presença do afeto na vida de mulheres negras. Discuto afetos - a partir da Teoria dos Afetos de Baruch de Espinoza (2009) - com o firme objetivo de abstrair as ideias e os argumentos necessários à compreensão de como esses afetos agem sobre o corpo e a mente. Também demonstrar como os conceitos espinosianos do desejo são balizadores das práticas contemporâneas. Assim, apresento como os afetos suscitam subsídios que tratados adequadamente, podem aumentar a capacidade do agir, da espontaneidade e de autonomia. Isto diz da relação com a própria vida. O meu anseio é o de que a compreensão da importância dos afetos e a identificação dos meios de como proceder quando da passagem da passividade ou da submissão passional frente às causas externas, sejam bases para se chegar à ação ou a atividade. E, dessa forma, que seja possível fortalecer as paixões alegres e o desejo - antes recriminado, mas que é a própria essência de cada ser. A aceitação do desejo como parte de si está relacionada à percepção sobre o próprio corpo, e com a possibilidade de fazer as pazes com o espelho da alma. Espero que, ao reconhecer a relevância dos bons encontros, que as pessoas fiquem melhores consigo mesmas. Espero ainda que este conhecimento e reconhecimento possam afetar particularmente as mulheres negras, diante das paixões alegres e que assim possam reforçar sua potência de agir amorosamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Maria Cerqueira da Silva, Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutora (2016) pelo Programa de Pós-graduação em Controladoria e Contabilidade da FEA/USP. Possui graduação em Administração pela Universidade Estadual de Feira de Santana (1994) e Mestrado em Cultura, Memória e Desenvolvimento Regional pela Universidade do Estado da Bahia (2007). Atualmente é Assessora Especial de Políticas Afirmativas - Analista Universitário e Professora Adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana. Professora Assistente e Membro do Núcleo Docente Estruturante do curso de Administração da Faculdade Anísio Teixeira. Có-Fundadora e Pesquisadora em Gênero e Raça GENERA. Pesquisadora Associada Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM) - FFCH/UFBA.

Referências

AGÊNCIA IBGE Notícias (2021). Com pandemia, 20 estados têm taxa média de desemprego recorde em 2020. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/30235-com-pandemia-20-estados-tem-taxa-media-de-desemprego-recorde-em-2020. Acesso em: 25 abril 2021.

ANZALDÚA, G. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos Feministas, [s. l.], v. v.8, ed. n.1, 2000.

BAIRROS, Luiza. (1995). Nossos Feminismos Revisitados. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16462. Acesso em: 25 abril 2021.

BEAUVOIR, Simone. (1980). O Segundo sexo: fatos e mitos; tradução de Sérgio Milliet. 4 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

CHAUÍ, M. S. (2005). Spinoza: Uma filosofia da liberdade (2a. ed.). São Paulo: Moderna.

CNN Brasil. (2021). Brasil pode ter 500 mil mortos pela Covid em 4 meses, diz ex-ministro da Saúde. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2021/03/11/brasil-pode-ter-500-mil-mortos-pela-covid-em-4-meses-diz-ex-ministro-da-saude. Acesso em: 16 maiol 2021.

COLLINS, P.H. (2000). Black Feminist Thought: knowledge, consciousness and the politics of empowerment. Nova York: Routledge.

ESPINOZA, Benedidus de, (2009). Ética / Spinoza; [tradução de Tomaz Tadeu]. - Belo Horizonte: Autêntica Editora. Título original: Ethica ISBN: 978,85-7526-381-5

EVARISTO, Conceição (2008). Escrevivências da afro-brasilidade: história e memória. Releitura, Belo Horizonte, n. 23.

DESCARTES, R. (1998). As paixões da alma. São Paulo, Martins Fontes, 174 p.

FOUCAULT, Michel. (2010) O governo de si e dos outros. Curso no Collège de France (1982/1983). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Ed. WMF Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (2004). “Os corpos dóceis”. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 29ª ed. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Vozes.

FREIRE, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa / Paulo Freire. – São Paulo: Paz e Terra. – (Coleção Leitura)

GONZALEZ, Lélia. (1983) “Racismo e sexismo na cultura brasileira”. In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.

GONZALEZ, Lélia. (2008). Mulher negra. In: NASCIMENTO, Elisa L. (Org.). Guerreiras de Natureza: Mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, p. 29-47.

GONZALEZ, Lélia. (1982). A mulher negra na sociedade brasileira. a. In. LUZ, Madel T (Org.). O Lugar da Mulher: Estudos sobre a Condição Feminina na sociedade atual. Rio de Janeiro: Edições Graal.

GROSFOGUEL, Ramón. (2008). Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais. Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, p. 115-147. Doi: https://doi.org/10.4000/rccs.697

GROSFOGUEL, Ramón (2005), “The Implications of Subaltern Epistemologies for Global Capitalism: Transmodernity, Border Thinking and Global Coloniality”, in William Robinson; Richard Applebaum (orgs.), Critical Globalization Studies. London: Routledge.

HIRATA, Helena. (2016). O trabalho de cuidado. Comparando Brasil, França e Japão. Sur - Revista Internacional de Direitos Humanos. 24 - v.13 n.24 • 53 - 64 | 2016. Disponível em: https://sur.conectas.org/wp-content/uploads/2017/02/5-sur-24-por-helena-hirata.pdf. Acesso: 12 de maio de 2020.

HOBBES, T. (2000). Tratado sobre el cuerpo. Trad. Joaquín Rodríguez Feo. Madrid: Editorial Trotta.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso: 28 de maio de 2020.

IDADOS Consultoria (2020). Disponível em: https://www.agazeta.com.br/revista-ag/comportamento/metade-das-familias-brasileiras-sao-chefiadas-por-mulheres-0320. Acesso: 28 de maio de 2020.

INSTITUTO POLIS (2020). Disponível em: https://polis.org.br/estudos/raca-e-covid-no-msp/. Acesso: 28 de maio de 2020.

KILOMBA, Grada. (2019). Memórias da Plantação: episódios de racismo quotidiano. Lisboa: Orfeu Negro. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 244p.l

LORDE, Audre. Textos escolhidos. Disponível em: Acessos em 19 de novembro de 2020.

NASCIMENTO, Valdecir. (2021). AUTO CUIDADO: O que nós temos a ver com isso!? Disponível em: https://institutoodara.org.br/auto-cuidado-o-que-nos-temos-a-ver-com-isso/. Acesso em: 10 março 2021.

NOVIKOFF, Cristina. CAVALCANTI, Marcus Alexandre de Pádua. Pensar a potência dos afetos na e para a educação. Conjectura: Filos. Educ., Caxias do Sul, v. 20, n. 3, p. 88-107, set./dez. 2015.

NOTÍCIA PRETA, (2021). Maioria dos brasileiros inscritos no Cadastro Único é mulher, negra e com renda de R$ 285 por mês. Disponível em: https://noticiapreta.com.br/maioria-dos-brasileiros-inscritos-no-cadastro-unico-e-mulher-negra-e-com-renda-de-r-285-por-mes/. Acesso: 19 de maio de 2021.

OMS. Organização Mundial de Saúde. (2020) Brasil. Pontos Focais. Disponível em: <https://www.who.int/eportuguese/countries/bra/pt/>. Acesso: 28 de maio de 2020.

ONU - Organização das Nações Unidas. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/>. Acesso: 28 de maio de 2020.

PANKSEPP, J. Affective Neuroscience: the foundations of human and animal emotions. New York: Oxford University Press, 1998.

SILVA, Ednaldo Isidoro da, (2018). A teoria cartesiana da substância e a possibilidade de direito da união substancial / Ednaldo Isidoro da Silva. – Campinas, SP : [s.n.] Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

SINGER, M (1994). AIDS and the health crisis of the U.S. urban poor; the perspective of critical medical anthropology. Soc Sci Med 39:931-48.

SOF - Sempreviva Organização Feminista (2020). Sem parar: O trabalho e a vida das mulheres na pandemia. Disponível em: http://mulheresnapandemia.sof.org.br/ Acesso em: 25 abril 2021.

WINNICOTT, Donald W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

WINNICOTT, Donald. W. (1999). Os bebês e suas mães. Trad. Jefferson Luiz Camargo. Ed. Martins Fontes. São Paulo.

WORLD BANK. (2020). World Development Report 2020: Trading for Development in the Age of Global Value Chains. Washington, DC: World Bank. doi:10.1596/978-1-4648-1457-0. License: Creative Commons Attribution CC BY 3.0 IGO.

Downloads

Publicado

2022-10-17

Como Citar

SILVA, S. M. C. da. PRETAS: LUTOS &amp; AFETOS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 2 e 3, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i2 e 3.44706. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/44706. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Ensaios