O PROTAGONISMO FEMININO E AS EXPERIÊNCIAS DE DOCENTES DAS CIÊNCIAS NATURAIS NA UFS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i2%20e%203.43352

Resumo

Esta pesquisa objetivou conhecer os desafios, as possibilidades e as dificuldades de inclusão da mulher nas produções científicas do campo das Ciências Naturais (CN), na UFS. Através de dados coletados do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA) e de um questionário, constatou-se que a maioria das pesquisas vinculadas ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), nas CN, é orientada por homens. Além disso, os relatos das docentes participantes revelaram a incidência de preconceitos e obstáculos relacionados ao gênero e vivenciados durante as suas experiências na universidade. Com isso, evidencia-se que ainda existem fatores limitantes da atuação da mulher na academia. Assim, é imprescindível essas discussões sobre questões de gênero na ciência visando a implementação de políticas públicas direcionadas à erradicação de preconceitos e das desigualdades de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marynara Costa Santos, Universidade Federal e Sergipe

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal de Sergipe (UFS); Bolsista pela Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (FAPITEC/SE); Licenciada em Ciência Biológicas pela UFS; Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE/CNPq); Tem interesse nas áreas de Formação de Educadores e Educação Ambiental.

Bruna Serra Serra de Santana Costa, Universidade Federal de Sergipe

Graduanda em Ciências Biológicas (licenciatura) na Universidade Federal de Sergipe-Campus São Cristóvão. Foi estagiária do Herbário ASE realizando um trabalho de curadoria. Foi vinculada também ao projeto Sala Verde e desenvolveu pesquisa (PIBIC) nas áreas de gênero, ciência e agroecologia, focando principalmente na atuação feminina no campo científico. Tem interesse, principalmente, nos seguintes temas: feminismos e ciência, mulheres na ciência, agroecologia, botânica, etnobiologia.

Viviane Almeida Rezende, Secretaria de Estado da Educação de Sergipe (SEDUC)

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Sergipe (2000), Especialista em Educação Ambiental pela Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (2006) e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (2011). É professora efetiva da Secretaria de Estado da Educação de Sergipe, ministrando as disciplinas Ciências e Biologia. Leciona em cursos de graduação e pós-graduação na área de Educação. É membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe e pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Científica, atuando nas áreas de Formação de Professores, Educação em Ciências e Biologia, Educação Ambiental, Metodologias para a Educação Ambiental e Dimensão Ambiental no Currículo Escolar

Aline Lima de Oliveira Nepomuceno, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Educação (PPGED-UFS-2017), mestre em Educação (PPGEduc-UFRRJ-2012), graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura Plena) (UFS- 2009). Desempenha pesquisas junto ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental de Sergipe (GEPEASE-UFS), ao Projeto Sala Verde na UFS, ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental, Diversidade e Sustentabilidade (GEPEADS-UFRRJ) e ao Grupo de Estudos em Educação Científica (GEPEC-UFS), atuando nas áreas de Educação Ambiental, Formação de Professores, Metodologias Participativas, Metodologias para o Ensino de Ciências e Biologia. É professora do ensino superior efetiva do Departamento de Biologia da UFS e membro permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) - UFS.

Referências

BELO, Raquel Pereira. Gênero e profissão : análise das justificativas sobre as profissões

socialmente adequadas para homens e mulheres. 2010. 161 f. Dissertação (Mestrado em

Psicologia Social) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

BELTRAME, Greyce Rocha; DONELLI, Tagma Marina Schneider. Maternidade e carreira:

desafios frente à conciliação de papéis. Aletheia , n. 38-39, p. 206-217, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n.º 466, de 12 de dezembro de 2012 . Aprova as

diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial

da União, Brasília, DF, 2013.

CARARO, Aryane; DE SOUZA, Duda Porto. Extraordinárias : Mulheres que revolucionaram

o Brasil. Editora Seguinte, 2018.

CHIES, Paula Viviane. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho.

Rev. Estud. Fem ., Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 507-528, 2010.

CITELI, Maria Teresa. Fazendo diferenças: teorias sobre gênero, corpo e comportamento.

Rev. Estud. Fem ., Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 131-145, 2001.

DA CONCEIÇÃO, Antônio Carlos Lima. Teorias feministas: da “questão da mulher” ao

enfoque de gênero. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção– RBSE , v. 8, n. 24, p.

-757, 2009.

D’ALKMIN, Sônia Maria; AMARAL, Sérgio Tibiriçá. A conquista do voto feminino no

Brasil. Etic-Encontro de Iniciação Científica , v. 2, n. 2, 2006.

DE BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo . Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2014.

DELLAZZANA-ZANON, Letícia Lovato; DELLAZZANA, Ângela Lovato; TALAMONI,

Isadora. Maternidade e Ciência: Um Estudo Qualitativo sobre Engajamento e Motivação nas

Redes Sociais. CIAIQ2019 , v. 2, p. 1044-1049, 2019.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o

privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu , Campinas, n. 5, p. 07-41, 1995.

HAYASHI, Maria Cristina Piumbato Innocentini et al. Indicadores da participação feminina

em Ciência e Tecnologia. TransInformação , v. 19, n. 2, p. 169-187, 2007.

KELLER, Evelyn Fox. Qual foi o impacto do feminismo na ciência? Cadernos Pagu , n. 27, p.

-34, 2006.

LETA, Jacqueline. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de

sucesso. Estudos Avançados , v. 17, n. 49, p. 271-284, 2003.

LIMA, Betina Stefanello. Teto de vidro ou labirinto de cristal? As margens femininas das

ciências. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade de Brasília, Brasília 2008.

LIMA, Betina Stefanello; BRAGA, Maria Lúcia de Santana; TAVARES, Isabel. Participação

das mulheres nas ciências e tecnologias: entre espaços ocupados e lacunas. Gênero , Niterói, v. 16, n.1, p. 11 - 31, 2.sem. 2015.

LÖVY, Ilana. Ciência e Gênero. In: HIRATA, H. et al (Orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo . São Paulo: Editora Unesp, 2009.

MARTINS, Ana Paula Vosne. Gênero, ciência e cultura . Visões do feminino: a medicina da

mulher nos séculos XIX e XX [online]. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 21-61, 2004.

MATOS, Izabella Barison; TOASSI, Ramona Fernanda Ceriotti; OLIVEIRA, Maria

Conceição de. Profissões e ocupações de saúde e o processo de feminização: tendências e

implicações. Athenea Digital: revista de pensamiento y investigación social, Barcelona, v. 13,

n. 2, p. 239-244, 2013.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In:

MINAYO, Maria Cecília de Souza et al (Orgs.). Pesquisa social : teoria, método e

criatividade. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 9- 29.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual

discursiva. Ciência e Educação , Bauru: SP, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva: processo

reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência e Educação , Bauru: SP, v. 12, n. 1, p. 117-128,

NASCIMENTO, Maria Filomena Dias. Ser mulher na idade média. Signs , v. 1, p. 809-826,

OLINTO, Gilda. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil.

Inclusão Social , v. 5, n. 1, 2011.

PINTO, Céli Regina Jardim. Feminismo, história e poder. Rev. Sociol. Polit. , Curitiba, v. 18,

n. 36, p. 15-23, 2010.

PUGLISI, Maria Laura; FRANCO, Barbosa. Análise de conteúdo . Brasília: Liber Livro,

ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem . Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Da sociologia da ciência à política científica. Revista Crítica

de Ciências Sociais , n. 1, p. 11-56, jun. 1978.

SANTOS, Vívian Matias dos. Uma “perspectiva parcial” sobre ser mulher, cientista e

nordestina no Brasil. Estudos Feministas , Florianópolis, v. 24, n, 3, p. 801-824, set-dez, 2016.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? São Paulo: EDUSC, 2001.

SILVA, Fabiane Ferreira ; RIBEIRO, Paula Regina Costa. Trajetórias de mulheres na ciência:

“ser cientista” e “ser mulher”. Ciênc. Educ., Bauru: SP, v. 20, n. 2, p. 449-466, 2014.

STANCKI, Nanci. Divisão sexual do trabalho: a sua constante reprodução. Paper apresentado

no I Ciclo de Debates em Economia Industrial, Trabalho e Tecnologia, 2003.

TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. As milenares origens do preconceito de gênero. Revista

Turismo & Desenvolvimento , n. 23, p. 37-47, 2015.

VAZ, Daniela Verzola. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil.

Economia e Sociedade , v. 22, n. 3, p. 765-790, 2013.

VELHO, Léa. Prefácio. In: SANTOS, Lucy Woellner; ICHIKAWA, Elisa Yoshie;

CARGANO, Doralice de Fátima (Orgs.). Ciência, tecnologia e gênero: desvelando o

feminino na construção do conhecimento. Londrina: IAPAR, 2006.

VIEIRA, Adriane et al. Um estudo das relações entre gênero e âncoras de carreira. Cad.

EBAPE.BR , Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 577-589, 2019.

WESTPHAL, Marcia Faria; BÓGUS, Claudia Maria; FARIA, Mara Mello. Grupos focais:

experiência precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Boletín de la Oficina

Sanitária Panamericana , Washington, v.120, n. 6, p. 472- 482, 1996.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

SANTOS, M. C.; SERRA DE SANTANA COSTA, B. S.; ALMEIDA REZENDE, V.; LIMA DE OLIVEIRA NEPOMUCENO, A. . O PROTAGONISMO FEMININO E AS EXPERIÊNCIAS DE DOCENTES DAS CIÊNCIAS NATURAIS NA UFS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 2 e 3, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i2 e 3.43352. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/43352. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos