DIREITOS REPRODUTIVOS EM TEMPOS DE PANDEMIA COVID-19: COMPREENDENDO O ACESSO DE GESTANTES E PUÉRPERAS AOS SERVIÇOS DE SAÚDE

Autores

  • Thalita Nascimento Gazar Graduanda em Bacharelado em Psicologia pela Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Sâmella dos Santos Vieira de Menezes Docente assistente de Psicologia na Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF
  • Gleice de Olivera Codeiro Docente auxiliar de Psicologia na Universidade Estadual de Feira de Santana.
  • Aléxia Tayla Amaral Ferreira Graduanda em Bacharelado em Psicologia pela Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF
  • Tarcísio Augusto da Silva Menezes Docente de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF
  • Roberta Lima Machado de Souza Araújo Docente substituta de Psicologia na Universidade Estadual de Feira de Santana.

Resumo

Atentando às assimetrias sociais acentuadas com a pandemia de COVID-19, este estudo objetivou caracterizar a assistência ao pré-natal e ao parto, com base nos direitos reprodutivos. De caráter multicêntrico, realizou-se um estudo descritivo por meio de um levantamento de dados com o Google Forms. Contribuíram para o estudo 221 mulheres, gestantes e puérperas no Brasil. Os dados foram analisados por frequências absolutas e relativas usando o programa Statistical Package for the Social Sciences. Visualizou-se que a maioria das mulheres acessaram os cuidados em rede privada de saúde, sentiram impactos no agendamento de consultas e exames e deixaram de gozar de direitos do ciclo gravídico-puerperal. Por fim, as assimetrias de gênero foram campo fértil para os processos de vulnerabilidade inerentes à pandemia de COVID-19, especialmente no tocante ao direito reprodutivo de acesso à saúde integral de mulheres grávidas e puérperas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thalita Nascimento Gazar, Graduanda em Bacharelado em Psicologia pela Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduanda do 9º semestre em Psicologia na Universidade Estadual de Feira de Santana, na Bahia. Participei da empresa júnior de Psicologia,a CoOPsi, enquanto trainee e posteriormente como diretora presidente entre 2017 e 2019. Possuo noções básicas de informática e habilidade linguística em português, inglês e espanhol. Interesso-me por Psicologia Perinatal, tangendo temas como, humanização do parto, violência obstétrica, sofrimento psíquico no período gravídico-puerperal. Atualmente participo do projeto de pesquisa Processos de Ingresso no Ensino Superior: transições, suportes e arranjos entre jovens de universidades públicas da Bahia. Enquanto bolsista de Iniciação Científica neste projeto, estudo junto ao TRACE mães universitárias da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Sâmella dos Santos Vieira de Menezes, Docente assistente de Psicologia na Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF

Feminista. Doutora em Psicologia. Docente vinculada ao Colegiado de Psicologia, na Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF. Coordenadora do Repositório de Estudos de Gênero e Direitos Humanos. Trajetória voltada, especialmente, para as discussões de gênero, sexualidades e saúde sexual, e suas interfaces com os estudos da Psicologia Social da Saúde.

Gleice de Olivera Codeiro, Docente auxiliar de Psicologia na Universidade Estadual de Feira de Santana.

Professora auxiliar da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), lotada no Departamento de Ciências Humanas e Filosofia (DCHF). Leciona para o curso de Psicologia e colabora como tutora e professora da Residência Multiprofissional em saúde da família - RMSF/UEFS. Graduada no curso de Psicologia, pela Universidade Federal do Vale do São Franscisco, campus Petrolina-PE. Mestre em Psicologia pela UNIVASF.


Aléxia Tayla Amaral Ferreira, Graduanda em Bacharelado em Psicologia pela Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF

Formada pelo IFBA campus Irecê em Técnica em Biocombustíveis. Graduanda em grau bacharelado no curso de Psicologia pela UNIVASF, campus Petrolina, PE.

Tarcísio Augusto da Silva Menezes, Docente de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (2014). Pós-graduação por meio de Residência Médica em Ginecologia/Obstetrícia pelo Hospital Dom Malan/ IMIP Petrolina-PE. Coordenador e preceptor da disciplina de Saúde da Mulher na faculdade Estácio, em Juazeiro-BA, atuando na atividade de docência na disciplina de saúde da mulher I e II na Universidade Federal do Vale do São Francisco (2014).

Roberta Lima Machado de Souza Araújo, Docente substituta de Psicologia na Universidade Estadual de Feira de Santana.

Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia (2017). Psicóloga, CRP03/9764. Atualmente é docente do curso de Psicologia da Universidade Estadual de Feira de Santana; Unifacs; UNIFTC e FAT. Membro da associação Brasileira de Psicologia da Saúde e Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

Referências

AQUINO, E. M. L. et al. Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, supl. 1, p. 2423-2446, Jun. 2020 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020006702423&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 nov. 2020.

AYRES, J. R. C. M. et al. Risco, vulnerabilidade e promoção da saúde. In: CAMPOS, G. W. S., AKERMAN, M., CARVALHO, Y. M., MINAYO, M. C. S., DRUMOND JÚNIOR, M. (orgs). Tratado de saúde coletiva, 2 ed. São Paulo: Hucitec. 2012. p. 375 - 418.

BRASIL, Lei n.º 11.108, de 07 de abril de 2005. Lei nº. 11.108, de 07 de abril de 2005. Altera a Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União: Brasília, 2005. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm. Acesso em: 08 nov. 2020.

BRASIL, Ministério da Saúde. Cadernos Humaniza SUS. v. 4: Humanização do parto e do nascimento. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf. Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL, Ministério da Saúde. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf. Acesso: 5 nov. 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica, n. 32, Brasília: Ministério da Saúde, 2013b. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_pre_natal_baixo_risco.pdf. Acesso: 7 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta da gestante, 4a ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/agosto/31/Caderneta-da-Gestante-2018.pdf. Acesso em: 8 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fast-Track para a Atenção Primária em Locais com Transmissão Comunitária Fluxo Rápido, v. 5. [S. l.],Ministério da Saúde, 2020a. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/marco/24/20200323-FAST-TRACK-ver05.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Técnica nº 9/2020-COSMU/CGCIVI/DAPES/SAPS/MS. 2020b. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2020/04/SEI_MS-0014382931- Nota-Tecnica_9.4.2020_parto.pdf. Acesso em: 7 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº. 569, de 1º de junho de 2000: Institui o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2000. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2000/prt0569_01_06_2000_rep.html. Acesso em: 7 nov. 2020.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Principais Questões sobre COVID-19 e Gestação: Atenção Pré-Natal e em Maternidades. [S. l.], 2020c. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/atencao-mulher/principais-questoes-covid-19-gestacao-atencao-pre-natal-e-em-maternidades/. Acesso: 10 nov. 2020

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo de Manejo Clínico da Covid-19 na Atenção Especializada, 1 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2020d. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manejo_clinico_covid-19_atencao_especializada.pdf . Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Cadernos Atenção Básica, n. 26. Brasília: Ministério da Saúde, 2013a. 300 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológico do Óbito Materno. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2018/07/guia_vigilancia_epidem_obito_materno.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, v. 183, n. 1, 2017.Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 5 nov. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei n.º 11.634, de 27 de dezembro de 2007 nº 11.634, de 28 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e a vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11634.htm. Acesso em: 7 nov. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso: 4 nov. 2020.

CAMPOS, R. T. O; CAMPOS, G. W. S. Co-construção da autonomia: o sujeito em questão. In: CAMPOS, G. W. S., AKERMAN, M., CARVALHO, Y. M., MINAYO, M. C. S., DRUMOND JÚNIOR, M. (orgs). Tratado de saúde coletiva. 2. edição. São Paulo: Hucitec. 2012. p. 669 - 688.

COSTA, M. P et al. Violência Obstétrica sob o olhar das mulheres: análise de discurso In: PEREIRA, D. As Ciências da Vida frente ao Contexto Contemporâneo 3. Ponta Grossa: Editora Atenas, 2019, cap. 27, p. 224-239.

DOMINGUES R. M. S. M. Acompanhantes familiares na assistência ao parto normal: a experiência da Maternidade Leila Diniz [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; 2002. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/5214/2/ve_Rosa_Maria_ENSP_2002. Acesso em: 7 nov. 2020.

ESTRELA F. M. et al. Gestantes no contexto da pandemia da Covid-19: reflexões e desafios. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v30n2/0103-7331-physis-30-02-e300215.pdf. Acesso em 10 nov. 2020.

FEBRASGO Recomendações FEBRASGO para o GO em tempos de COVID-19. 2020b. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/es/covid19/item/975-recomendacoes-febrasgo-para-o-go em-tempos-de-covid-19. Acesso em: 3 nov. 2020.

FEBRASGO. Protocolo de atendimento no parto, puerpério e abortamento durante a pandemia da COVID-19. 2020a. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/en/covid19/item/1028-protocolo-de atendimento-no-parto-puerperio-e-abortamento-durante-a-pandemia-da-covid-19. Acesso em: 7 nov. 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 176 p.

HOOKS, bell. Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspectiva, 2019.

KHAN, S. et al. Impact of coronavirus outbreak on psychological health. Journal of Global Health, v. 10, n. 1, 2020. Disponível em: http://www.jogh.org/documents/issue202001/jogh-10-010331.pdf. Acesso em: 6 nov. 2020.

LANSKY, S.; FRANÇA, E.; LEAL, M. C. Mortes perinatais evitáveis em Belo Horizonte, Brasil, 1999. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1389-1400, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v18n5/11012.pdf. Acesso em: 07 nov. 2020.

NAÇÕES UNIDAS. Relatório da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento - Plataforma de Cairo. 1994.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Painel do WHO Coronavirus Disease (COVID-19) (online). 2020. Disponível em: https://covid19.who.int/. Acesso em: 10 nov 2020.

OMS. Organização Mundial da Saúde. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization, 2018. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf;jsessionid=D21EA059E1B364118F658A880520E1F9?sequence=1. Acesso em: 9 nov. 2020.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Entenda a Infodemia e a Desinformação na Luta Contra a Covid-19. [S. l.], 2020a. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52054/Factsheet-Infodemic_por.pdf?sequence=14. Acesso: 6 nov. 2020.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Gênero e COVID-19: Orientações para Advocacy, 14 de maio de 2020 (online), 2020. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/52432/OPASWBRACOVID-1920085_por.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 nov. 2020.

PIMENTEL, R. M. M. et al. A disseminação da covid-19: um papel expectante e preventivo na saúde global. J Hum Growth Dev, s. l, v. 30, n. 1, p.135-140, fev. 2020. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v30n1/pt_17.pdf. Acesso em: 4 nov. 2020.

RODRIGUES, B. S. S. L. et al. Cultura da Cesariana: fatores relacionados a alta taxa do procedimento no Brasil. Revista Saúde Dinâmica, v. 1 n. 2,2019, Disponível em: http://www.revista.faculdadedinamica.com.br/index.php/saudedinamica/article/view/20/19. Acesso em: 7 nov. 2020.

SANCHEZ, A. I.; BERTOLOZZI, M. R. Pode o conceito de vulnerabilidade apoiar a construção do conhecimento em Saúde Coletiva?. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 12, n. 2, p. 319-324, Apr. 2007 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232007000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso: 10 nov. 2020.

TAKEMOTO, M, L. S. et al. The tragedy of COVID‐19 in Brazil: 124 maternal deaths and counting. International Journal of Gynecology and Obstetrics, p. 1-7, 2020. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/42199/2/ijgo.13300.pdf. Acesso: 8 nov. 2020.

VINUTO, J. Amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: Um debate em aberto. Temáticas, Campinas, v. 44, n. 22, p. 203- 220, ago. 2014.

ZUGAIB, M. Zugaib Obstetrícia, 3 ed. Barueri: Manole, 2016.

Downloads

Publicado

2021-05-09

Como Citar

Gazar, T. N., Menezes, S. dos S. V. de, Codeiro, G. de O., Ferreira, A. T. A., Menezes, T. A. da S., & Araújo, R. L. M. de S. (2021). DIREITOS REPRODUTIVOS EM TEMPOS DE PANDEMIA COVID-19: COMPREENDENDO O ACESSO DE GESTANTES E PUÉRPERAS AOS SERVIÇOS DE SAÚDE. Revista Feminismos, 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42365

Edição

Seção

Dossiê