Entre Brasil e Irlanda, 10 anos de afetos e opressões: um estudo de caso sobre migração à trabalho

Autores

  • Bárbara Ferreira de de Freitas

Resumo

Este texto aborda o trabalho de cuidado a partir das memórias de Ana, mulher nordestina, migrante e mãe da autora. Tem-se como interlocutoras a Ana e a sua irmã Elza (as duas mães da autora). Por meio da metodologia história de vida, com o instrumento da entrevista semiestruturada e a partir do conceito de divisão sexual do trabalho e das teorias de cuidados, discute-se no trabalho as relações sociais em torno das categorias casa, família, maternidades; relativos à migração e ao trabalho doméstico remunerado ou não. O objetivo é entender como as estruturas de opressão sociais, históricas e econômicas atravessam sua história, na condição de migrante brasileira na Europa, especificamente como a divisão sexual do trabalho opera nessas dinâmicas e como as Ana percebe. Por fim, identificamos que ela não percebe as relações no campo da opressão ou exploração e que a afetividade no seu emprego doméstico fomentam as mais-valias, opressões e desigualdades.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, n.14, set, 2003 p. 79-95.

ÁVILA, Maria Betânia. O tempo do trabalho doméstico remunerado: entre cidadania e servidão. In: ABREU, Alice R de P; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. (orgs.) Gênero e Trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016. (p.137-148).

BONELLI, Maria da Glória. Arlie Russell Hochschild e a sociologia das emoções. Cafajeste. Cadernos Pagu, Campinas, n. 22, pág. 357-372, jun. 2004. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332004000100015&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 10 de ago. 2020.

CARPENEDO, Manoela; NARDI, Henrique. Maternidade transnacional e produção de subjetividade: as experiências de mulheres brasileiras imigrantes vivendo em Londres. Cadernos Pagu, Campinas, n. 49, e174912, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332017000100501&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 27 Jul. 2019.

COLLIN, Françoise; LABORIE, Françoise. Maternidade. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; DOARÉ, Hélène Le; SENOTIER, Danièle. (orgs.). Dicionário crítico do Feminismo. São Paulo: UNESP, 2009.

DELPHY, Christine. O inimigo principal: a economia política do patriarcado. Rev. Bras. Ciênc. Polít. , Brasília, n. 17, pág. 99-119, agosto de 2015. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522015000300099&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 10 ago. 2020.

EHRENREICH, Barbara.; HOCHSCHILD, Arlie Russell (ed.). Global woman: nannies, maids, and sex workers in the new economy. New York: Henry Holt and Co., 2003.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da Revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

GUIMARÃES, Nadya Araújo. Casa e mercado, amor e trabalho, natureza e profissão: controvérsias sobre o processo de mercantilização do trabalho de cuidado. Cadernos Pagu, Campinas, n. 46, p. 59-77, Abr. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332016000100059&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 07 ago. 2020.

HOCHSCHILD, Arlie Russell. The managed Heart. Berkeley, CA, University of California Press, 1983.

______. The commercialization of intimate life: notes from home and work. Berkeley, The University of California Press, 2003

KERGOAT, Danièle. O cuidado e a imbricação das relações sociais. In: ABREU, Alice R. P.; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa. (orgs.). Gênero e Trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. SP: Boitempo, 2016. (p.17-26)

______. Novas configurações da Divisão Sexual do Trabalho. HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cad. Pesqui., São Paulo , v. 37, n. 132, p. 595-609, Dec. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742007000300005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 15 Set. 2019.

LIMA, Márcia; PRATES, Ian. Emprego doméstico e mudança social Reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira. Tempo soc., São Paulo, v. 31, n. 2, p. 149-172, Maio 2019 . Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702019000200149&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 Dec. 2019. http://dx.doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149291.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. In: Anuário Mariateguiano. Revista Ecuador Debate No. 044. Lima: Amatua, v. 9, n. 9, 1997.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Expressão Popular, 2004. ISBN 788577432622.

SILVA, Carla Cecília Serrão. Trabalho infantil doméstico: perfil e vivência de meninas trabalhadoras em São Luís. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas). Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Universidade Federal do Maranhão, Maranhão, 2009. 141 f. Disponível em: http://tedebc.ufma.br:8080/jspui/bitstream/tede/829/1/CARLA%20CECILIA%20SERRAO%20SILVA.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

Downloads

Publicado

2020-10-17

Como Citar

DE FREITAS, B. F. de. Entre Brasil e Irlanda, 10 anos de afetos e opressões: um estudo de caso sobre migração à trabalho. Revista Feminismos, [S. l.], v. 7, n. 2, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/38747. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Justiça Reprodutiva