A informação na desconstrução de preconceitos dos quadros depressivos

Autores

Palavras-chave:

Saúde mental, Depressão, Informação em saúde, Discriminação da depressão, Preconceito da depressão

Resumo

Aborda o processo discriminatório em torno da saúde mental no Brasil. Discute as consequênciasda desinformação na elaboração e efetivação de políticas públicas voltadas ao acompanhamento e cuidados terapêuticos dos pacientes acometidos de transtornos depressivos. Evidencia a importância dos serviços de informação das bibliotecas e da atuação do bibliotecárioneste contexto. O estudo é exploratório e bibliográfico. A depressão, e os sujeitos que por ela são acometidos, carregam o estigma, como consequência do preconceito da sociedade, que relaciona seus sintomas, e o processo de tratamento clínico eterapêutico, à inadequação social ou à falta de força de vontade para superá-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Adriano Sampaio, Universidade Federal de Carira - UFCA

Doutora e Mestra em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Curso de Biblioteconomia pela Universidade Federal de Carira (UFCA).

Esdras Renan Farias Dantas, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduação em Biblioteconomia pela UFPB. Bibliotecário da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Vitória Régia Araújo de Alencar, Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, CE

 

Graduação em Psicologia pelo Centro Universitário Dr. Leão Sampaio e Ciências Biológicas pela Universidade Regional do Cariri (URCA). Servidora da Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, CE

Referências

CARVALHO, J. L. Um pouco sobre a história do preconceito. 2016. Disponível em: https://www.psicologiasdobrasil.com.br/um-pouco-sobre-historia-do-preconceito/. Acesso em: 18 jun. 2020.

CASTRO, C. A.; RIBEIRO, M. S. P. As contradições da sociedade da informação e a formação do bibliotecário. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 1, n. 2, p. 41-52, jan./jun. 2004. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/2079/2209. Acesso em: 27 jun. 2020.

CHAGAS, R. L.; PIZARRO, D. C. Bibliotecas em ambiente de saúde mental: um diálogo interdisciplinar. Revista ACB:Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 930-943, ago./nov. 2016. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1247. Acesso em: 05 jul. 2020.

DELGADO, P. G. G. et al. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. In: MELLO, F. M.; MELLO, A. A. F.; KOHN, R (Orgs.). Epidemiologia da saúde mental no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DUPAS, G. Ética e poder na sociedade da informação. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2001.

FOUCAULT, Michel. História da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1972.HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 2, v. 22, p. 5, 1997.

LEITE, L. R. T.; MATOS, J. C. M. Zumbificação da informação: a desinformação e o caos da informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 13, n. esp., 2017. Disponível em: https://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/918/941. Acesso em: 22 jun. 2020.

LOUREIRO, L. M. J. et al. Literacia em saúde mental de adolescentes e jovens: conceitos e desafios.Revista de Enfermagem Referência, v. 3, n. 6, p. 157-166, 2012. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIIIn6/serIIIn6a15.pdf.Acesso em: 09 jul. 2020.

MACHADO, A. L.; COLVERO, L. A. Histórias do Grupo de Pesquisa da Subjetividade em Saúde. In: MACHADO, A. L.; COLVERO, L. A.; RODOLPHO, J. R. C. Saúde mental: cuidado e subjetividade. Rio de Janeiro: Editora SENAC, 2013.ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS) BRASIL. Folha informativa -depressão. 2018. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5635:folha-informativa-depressao&Itemid=1095. Acesso em: 17 jun. 2020.

PINHEIRO, M. M. K.; BRITO, V. P. Em busca do significado da desinformação. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, v. 15, n. 6, dez./2014. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/download/45886. Acesso em: 28 jun. 2020.

SCHEFFER, G; SILVA, L. G. Saúde mental, intersetorialidade e questão social: um estudo na ótica dos sujeitos.ServiçoSocial &Sociedade, São Paulo, n. 118, abr./jun. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282014000200008&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 18 jun. 2020.

THE WORLD HEALTH REPORT: new understanding, new hope. Geneva: OMS, 2011. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/en/. Acesso em: 21 jun. 2020.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO(UERJ). Pesquisa da UERJ indica aumento de casos de depressão entre brasileiros durante a quarentena. Diretoria de Comunicação. 2020. Disponível em: https://www.uerj.br/noticia/11028/. Acesso em: 21 jun. 2020.

WAGNER, R. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Depression and other common mental disorders: global health estimates. 2017. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254610/1/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf?ua=1. Acesso em: 12 jun. 2020

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

SAMPAIO, D. A.; DANTAS, E. R. F.; ALENCAR, V. R. A. de. A informação na desconstrução de preconceitos dos quadros depressivos. Revista Fontes Documentais, [S. l.], v. 3, n. Ed. Especial, p. 281–288, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RFD/article/view/57809. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

COMUNICAÇÕES: Informação e desinformação: Impactos na vida humana e ecos sociais