Em tempos Covid, memória(s) de pandemias e do médico-cultural Ricardo Jorge

Autores

Palavras-chave:

Epidemia, Pandemia, Peste bubónica, Ricardo Jorge, Médico-cultural, Médicos e cultura

Resumo

No início de 2020 nada faria prever o atual surto pandémico COVID-19! A Humanidadeestagnou diante desta tremenda ameaça à vida humana e o corpo clínico, numa luta desigual, desdobrou-se na busca de novos conhecimentos e pesquisas laboratoriais, em que as redes virtuais foram soberanas na troca de informação. Contudo, epidemias e pandemias sempre assolaram o planeta. O século XIX conheceu a cólera, febre-amarela, tuberculose e finalmente a peste negra, sendo que no combate a esta última os estudos científicos do Dr. Ricardo Jorge tornaram-no no primeiro epidemiologista português -conteúdos do V MEDINFOR VINTE, VINTE, este ano virtual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carmen Matos Abreu, Universidade do Porto

Doutora pela Faculdade de Letras (FLUP), Universidade do Porto (U.Porto), Portugal. Especialista em Literatura Portuguesa e Literatura Comparada Francesa e Inglesa. Membro integrado do Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória” (CITCEM), FLUP.

Referências

ALVES, J. Fernandes, Ricardo Jorge e a Saúde Pública em Portugal. In: Arquivos de Medicina, dezembro 2007.Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/262722415_Ricardo_Jorge_e_a_Saude_Publica_em_Portugal.

COELHO, Eduardo, O Prof. Ricardo Jorge, Paris-Lisboa, Livrarias Aillaud & Bertrand, 1929.

COSTA, R. M. Pinto, Um mergulho nas viagens de Ricardo Jorge.In:Jornal Público, Lisboa, 17 dezembro 2019.

GRAÇA, Luís, A Escola Nacional de Saúde Pública: origens e história do ensino da saúde pública em Portugal.In:Portuguese Journal of Public Health, Lisboa, Universidade NOVA de Lisboa, 2019.

JORGE, Ricardo, A Peste Bubónica no Porto –1899: Seu descobrimento -Primeiros trabalhos, Porto, Repartição de Saúde e Hygiene da Camara do Porto, 1899.

LARRY, B. Jaime, Ricardo Jorge e as relações entre Portugal, Brasil e África: o caso da febre amarela. In:História da Ciência Luso-Brasileira: Coimbra entre Portugal e o Brasil, Carlos Fiolhais, Carlota Simões, Décio Martins (eds.), Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.

LEITÃO, Joaquim, A Peste –Aspectos moraes da Epidemia Nacional, Lisboa, Livraria Central, 1901.

MORENO, Humberto C.B., Para o estudo da Peste Negra em Portugal, Braga, Bracara Augusta, vol. XIV-XV, nºs 1 –2 (49-50). Separata.

MALPIQUE, Cruz, Ricardo Jorge -o escritor. In:O Tripeiro, Porto, Ano III, nº 11, março 1958. Separata.

PEREIRA, A. Lemos;PITA,J. Rui,Ciências. In:História de Portugal: o Liberalismo, Luís R. Torgal e João L. Roque (coord.), V vol., Lisboa, Editorial Estampa, 1993.

PETER, Haggett, The geographical structure of epidemics, Oxford, Clarendon Press, 2000.

PINA, Luís de, Ricardo Jorge e Ribeiro Sanches -Dois homens, duas épocas, Lisboa, Editora Médica, 1941.

PONTES, Davi M. G. L., O cerco da peste no Porto –Cidade, imprensa e saúde pública na crise sanitária de 1899, Porto, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2012. Dissertação de Mestrado.

SOARES, Jorge, As decisões cientificamente correctas podem, às vezes, não ser as mais prudentes.In:Jornal Público, Lisboa, 7 maio 2020.

VIEIRA, A. Borges Vieira, Ricardo Jorge: Da fúria popular ao lançamento das bases do Sistema Nacional de Saúde. In: Jornal Público, Lisboa, 22 março 2020.

VIEIRA, Ismael C, Conhecer, tratar e combater a «Peste Branca». A Tisiologia e a Luta cotra a Tuberculose em Portugal (1853-1975), Porto, CITCEM e Edições Afrontamento (coedição), 2015.

Downloads

Publicado

2020-09-11

Como Citar

ABREU, C. M. Em tempos Covid, memória(s) de pandemias e do médico-cultural Ricardo Jorge . Revista Fontes Documentais, [S. l.], v. 3, n. Ed. Especial, p. 616–622, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RFD/article/view/57723. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

SESSÃO TEMÁTICA V: Memória, Identidade e Cultura