O sol e o vento no traçado urbano do Brasil Colonial

Autores

  • Griselda Pinheiro Klüppel

Resumo

Analisando a implantação e o traçado original das primeiras cidades brasileiras, esse artigo constata que a disposição das ruas, a partir da costa marítima, adapta-se organicamente à morfologia dos terrenos, sem preocupações do ponto de vista climático, embora fossem os portugueses grandes navegadores e conhecedores dos princípios de orientação do sol e do regime de ventos. O presente estudo faz uma analise comparativa entre duas cidades coloniais brasileiras, Salvador, sua primeira capital, e São Luis, a primeira cidade planificada segundo a Lei das Índias, avaliando-se as relações entre o traçado urbano, sua orientação, dimensionamento, disposição dos lotes e dos edifícios, com o clima quente e úmido, considerados os fatores principais de ventilação e insolação. Verificando a implantação de outros núcleos urbanos, conclui-se que, possivelmente, a experiência acumulada, tenham definido o melhor sentido para orientação dos traçados na construção das cidades no Brasil diferentemente das recomendações determinadas para a América Espanhola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-10-07

Como Citar

Klüppel, G. P. (2008). O sol e o vento no traçado urbano do Brasil Colonial. RUA: Revista De Arquitetura E Urbanismo, 7(1). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/rua/article/view/3157

Edição

Seção

Artigos