O papel da historiografia como instrumento de avaliação do surgimento da gestão urbana contemporânea

Autores

  • Luiz de Pinedo Quinto Júnior

Resumo

A perda da dimensão histórica do processo concreto na produção dos atuais conceitos e técnicas utilizados pelo planejamento urbano estão produzindo uma leitura e uma apropriação deformadas de certos instrumentos técnicos fundamentais para a efetiva transformação da gestão urbana visando um processo democratizador no uso da cidade capitalista. A historiografla da história do urbanismo enquanto instrumento de análise tem sido pouco utilizada, no sentido de compreendermos melhor o processo de construção da cidade capitalista. A reconstrução das origens da cidade contemporânea (Folin, Dai Co, Piccinato, Indovina e outros) procura explorar um campo importante que é a história da cidade capitalista e as origens dos processos de controle desenvolvidos pelas várias frações da classe dominante (burguesia industrial, financeira, aristocracia). A história do urbanismo moderno vai apagar e reconstruir uma nova interpretação sobre esse momento de transição da cidade barroca para a cidade contemporânea a partir da ideologia produzida durante a realização de várias CIAMs (Congresso Internacional de Arquitetura Moderna) em 1928 a 1930. A origem da cidade contemporânea tem por modelo o tipo de gestão urbana desenvolvido pela Alemanha após seu processo de unificação em 1870. Este modelo é a base para compreendermos a atual crise de administração urbana, bem como a maneira como se dá a apropriação das técnicas e instrumentos utilizados pelo planejamento urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-09-18

Como Citar

Quinto Júnior, L. de P. (2008). O papel da historiografia como instrumento de avaliação do surgimento da gestão urbana contemporânea. RUA: Revista De Arquitetura E Urbanismo, 3(1). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/rua/article/view/3106

Edição

Seção

Artigos