Será o Investimento Social Privado uma Oportunidade para o Desenvolvimento de Territórios?

Autores

Palavras-chave:

Responsabilidade Social Corporativa, Investimento Social Privado, Gestão Social do Território

Resumo

O presente artigo versa sobre o tema de Responsabilidade Social Corporativa, tendo em vista os impactos sociais e ambientais proporcionados e as cifras envolvidas pela mesma no Brasil e no mundo. A problemática do estudo é: como as empresas orientam seus investimentos sociais e de que maneira as populações impactadas pelas atividades operacionais são consideradas na tomada de decisão para a aplicação de tais investimentos. Foram considerados dois casos relevantes no cenário brasileiro, sendo eles a Bracell e a Vale. Como metodologia, foi escolhido o estudo de casos múltiplos e foram constatados impactos relevantes e distintos em cada caso. As empresas estudadas neste trabalho vêm planejando seus programas e projetos para atender demandas do território, sempre considerando as comunidades afetadas direta e indiretamente e obtendo resultados importantes. Com base na pesquisa, está sendo desenvolvido um diagnóstico que será a matéria-prima para a construção de uma ferramenta de gestão social, além de uma fonte de informação sobre o território estudado quanto ao seu desenvolvimento socioeconômico e possibilidades de investimentos.

Biografia do Autor

Mouana do Socorro Sioufi Fonseca, UFBA - Escola de Administração Mestranda CIAGS Gerente Bacell

Comunicóloga pela Universidade Federal do Pará, com Habilitação em Jornalismo. Mestranda em Desenvolvimento e Gestão Social, pela Universidade Federal da Bahia. Possui certificação em Project Management for Development (PMD PRO), metodologia de gestão de projetos sociais com certificação internacional e que é 100% aplicável para organizações sociais. Atualmente, atua como Gerente de Relações Institucionais e Responsabilidade Social na Empresa Bracell.

Rodrigo Ladeira, Escola de Administração - UFBA

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Minas Gerais e graduação em Administração - Habilitação em Comércio Exterior pela Faculdade de Ciências Gerenciais- União de Negócios e Administração. Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, doutorado em Administração pela Universidade de São Paulo e doutorado em Doutorado sanduíche - Vanderbilt University (1999). Pós-doutorado na New York University, New York. Atualmente, é Professor Associado II da Universidade Federal da Bahia. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Marketing, Varejo físico e virtual, atuando principalmente nos seguintes temas: Comportamento do Consumidor, Varejo, Planejamento Estratégico, Comportamento do Consumidor e Marketing de Serviços, Marketing de Experiencia e Marketing Digital. Participante do Conselho de Sustentabilidade da FIEB ( Federação das Industrias da Bahia).

Jorge Emanuel Reis Cajazeira, FIEB - Federação das Industrias da Bahia

Doutor e mestre em Administração de Empresas pela FGV-EAESP, ambos títulos obtidos com distinção. Graduação em Administração de Empresas pela Universidade Católica do Salvador e em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal da Bahia. MBA em Gestão Empresarial pela FGV-Rio de Janeiro. Atualmente, é consultor em gestão empresarial e ex-diretor de relações institucionais da SUZANO PAPEL E CELULOSE. Preside o Conselho de Sustentabilidade da FIEB. Membro do Conselho Consultivo da ABERJE - Associação Brasileira de Comunicação Empresarial. Tem experiência nos seguintes temas: sustentabilidade, qualidade, normas ISO, estratégia, estratégia de operações, relações governamentais, diálogo com stakeholder, cultura organizacional, produtividade e inovação, métodos estatísticos aplicados à engenharia, seis sigmas, metodologia Falconi de melhoria de processo, gestão financeira. Professor convidado do Programa de Desenvolvimento e Gestão Social da UFBA (PDGS). Atua ministrando aulas na pós-graduação do SENAI/CIMATEC e da UNIFACS.

Referências

ABAF - ASSOCIAÇÃO BAIANA DE EMPRESAS DE BASE FLORESTAL. Árvores Plantadas – Mitos sobre o Eucalipto. 2020. Disponível em: http://www.abaf.org.br/arvores-plantadas/mitos-sobre-eucalipto/ Acesso em: 1 abr. 2020.

ABCR - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CAPTADORES DE RECURSOS. 2020. Dis-ponível em: <https://captadores.org.br/2020/04/01/abcr-lanca-o-monitor-das-doacoes-da-covid-19>. Acesso em: 1 abr. 2020.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Diretrizes sobre Re-sponsabilidade Social. ABNT NBR ISO 26000. Rio de Janeiro: ABNT NBR, 2010.

ABREU, P. Ian Thomson. 2014. Disponível em: < https://ideiasustentavel.com.br/pela-politica-da-boa-vizinhanca/ >. Acesso em: 8 mar. 2020.

ANDRADE, M. L; OLIVEIRA, G. G. A monocultura do eucalipto na Bahia: um retrato da apropriação privada da natureza. Cadernos do CEAS, Salvador, n. 237, 2016.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BISC - Benchmarking do Investimento Social. Relatório Benchmarking do Investimento Social Corporativo 2019. Disponível em: <https://www.comunitas.org/bisc-lanca-relatorio-completo-com-os-ultimos-dados-do-investimento-social-corporativo-2/>. Acesso em: 3 abr. 2020.

BRACELL. Política de Sustentabilidade Bracell. 2020. Disponível em: https://www.bracell.com/wp-content/uploads/2019/06/Poli%CC%81tica-de-Sustentabilidade-do-Grupo-Bracell-2.pdf . Acesso em: 1 abr. 2020.

BROWN, W. O.; HELLAND, E. A.; SMITH, J. K. Corporate Philanthrophic Practices. Journal of Corporate Finance, Forthcoming. 2006. Disponível em: <https://ssrn.com/abstract=472161>. Acesso em: 1 abr. 2020.

COELHO, T. P.; MILANEZ, B.; PINTO, R. A Empresa, o Estado e as Comunidades. In: ZONTA, Márcio; TROCATE, Charles. (Org.). Antes Fosse Mais Leve a Carga: Reflexões sobre o desastre da Samarco/ Vale / BHP Billiton. 1. ed. Marabá: Editorial Iguana, 2016, v. 1, p. 183-228.

CHALHOUB, S. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2011.

EXAME. 2020. Disponível em: <https://exame.com/marketing/as-100-marcas-mais-lembradas-pelos-brasileiros-na-pandemia-da-covid-19/>. Acesso em: 5 maio 2020.

FERNANDES, L.; SUDRÉ, L.; PINA, R. Histórico de violações da Vele vai muito além de Brumadinho. Brasil de Fato. 2019. Disponível em <https://www.brasildefato.com.br/2019/01/29/historico-de-violacoes-da-vale-vai-muito-alem-de-mariana-e-brumadinho>. Acesso em: 25 ago. 2020.

FISCHER, R. O desafio da colaboração: práticas de responsabilidade social entre empresas e o terceiro setor. São Paulo: Gente, 2002.

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas. 2020. Disponível em: <https://gife.org.br/gife-lanca-plataforma-sobre-atuacao-da-filantropia-frente-ao-coronavirus/>. Acesso em: 12 maio 2020.

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas. Censo GIFE 2018. Disponível em: <https://sinapse.gife.org.br/download/censo-gife-2018>. Acesso em: 1 abr. 2020.

GRAJEW, O. O. O que é responsabilidade social. São Paulo: Mercado Global, 2000.

IDIS - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO INVESTIMENTO SOCIAL. 2020. Disponível em: <https://www.idis.org.br/>. Acesso em: 12 maio 2020.

IBA - INDUSTRIA BRASILEIRA DE ÁRVORES. 2020. Disponível em: <https://iba.org/arvores-plantadas>. Acesso em: 1 abr. 2020.

KISIL, M. Filantropia 4.0: rumo ao investimento social privado num mundo globalizado. GIFE. 2007. Disponível em: <http://www.gife.org.br>. Acesso em: 19 out. 2019.

LADEIRA, R.; MELLO, R. C.; LAROCCA, M. T. G. An Approach to Understand Social Marketing Unexplored Potential. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 11, n. 5, p. 140-152. 2017.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. 2015. Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/cupula/>. Acesso em: 3 nov. 2019.

PORTER, M. E.; KRAMER, M. R. Strategy and society: the link between OPREA, S. G.; CORDOS, R. C competitive advantage and Corporate Social Responsibility. Harvard Busi-ness Review, 2006. Disponível em: <https://www.comfama.com/contenidos/servicios/Gerenciasocial/html/Cursos/Columbia/Lecturas/Strategy-Society.pdf>. Avesso em: 1 abr. 2020.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 1993.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SAQUET, M. A. Os tempos e os territórios da colonização italiana. Porto Alegre: EST Edições, 2003.

SCHOMMER, P. C.; FISCHER, T. Cidadania empresarial no Brasil: os dilemas conceituais e a ação de três organizações baianas. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 6, n. 15, p. 99-118, ago. 1999. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-92301999000200009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 jun. 2020. https://doi.org/10.1590/S1984-92301999000200009.

THOMSON, I. Mapping Sustainability Accounting. In: UNERMAN, J.; BEBBINGTON, J.; O’DWYER, B. (Ed.). Sustainability Accounting and Accountability. Routledge: Abing-don, 2007.

VALOR ECONÔMICO. 2020. Disponível em: <https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/04/13/bracell-amplia-doacoes-para-combate-a-covid-19-em-sp-e-na-ba.ghtml>. Acesso em: 1 abr. 2020.

WERNECK, N. D. Responsabilidade Social da Empresa com a Sociedade. São Paulo: Fundação Dom Cabral, 2007.

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Editora Bookman, 2015.

Downloads

Publicado

2021-02-22

Como Citar

Fonseca, M. do S. S., Ladeira, R., & Cajazeira, J. E. R. (2021). Será o Investimento Social Privado uma Oportunidade para o Desenvolvimento de Territórios?. Revista Interdisciplinar De Gestão Social, 10(1). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/rigs/article/view/38597

Edição

Seção

Seção Temática