Formação da rede de capital social no território citrícola de Alagoas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rene.v14i2.42644

Resumo

Este artigo utilizou o referencial teórico do neo-institucionalismo para analisar o papel do Estado na formação da rede citrícola de Alagoas. O objetivo principal foi analisar o processo de formação da rede de capital social na região conhecida como Vale do Mundaú. Para isso, a metodologia constituiu-se de um estudo de campo baseado em pesquisa documental e nos métodos observacional e de entrevista a atores chave da rede. Os resultados mostraram que apesar da rede ter começado a se formar em 2002 com o projeto Vida Rural Sustentável e com a constituição da primeira cooperativa, foi a partir de 2008 com a inserção do território no programa de estado PAPL que se desenvolveu um conjunto de características responsáveis pela articulação sistemática dos atores. Com isso, concluiu-se que o Estado é um ator fundamental para o desenvolvimento do capital social quando este promove um ambiente de interação e participação dos demais atores na formulação das políticas de desenvolvimento local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kellyane Pereira dos Anjos Gonçalves, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Engenharia de Produção (UFSCar), Mestre em Economia Aplicada (UFAL), graduada em Ciências Econômicas (UFAL). Professora na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEAC/UFAL). Pesquisadora no Grupo de Estudos em Tecnologia, Inovação e Competitividade (GETIC).

Francisco José Peixoto Rosário, Universidade Federal de Alagoas

Doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia (UFRJ), Mestrado em Administração (UFAL), Graduação em Ciências Econômicas (UFAL). Professor Titular da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEAC), Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Luiz Fernando de Oriani Paulillo, Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Ciências Econômicas (UNICAMP), Mestrado em Engenharia de Produção (UFSCar), Graduação em Economia (UNESP). Professor Titular do Departamento de Engenharia de Produção (DEP), Universidade Federal de São Carlos.

Referências

ALAGOAS. ALAGOAS EM DADOS E INFORMAÇÕES. APL Fruticultura no Vale do Mundaú. Disponível em: <http://dados.al.gov.br/dataset/arranjos-produtivos-locais/resource/a2e32e40-3124-42ec-9dd9-1f2a4b2179ea>. Acesso em 04 de dezembro de 2020.

ALBAGLI, S. MACIEL, M. L. Capital Social e Desenvolvimento Local. In: LASTRES, H. M. CASSIOLATO, J. E. & MACIEL, M. L. (Org.). Pequena Empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro, RELUME-DUMARÁ, 2003.

ALMEIDA, L. M. M. C. PAULILLO, L. F. FERRANTE, V. L. S. Segurança Alimentar e Consórcios de Produtores Rurais: possibilidades de formação de redes de capital social no território citrícola paulista. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 37, n. 3, jul-set. 2006.

CASTILHOS, D. S. B. Capital social e políticas públicas: um estudo da linha infraestrutura e serviços aos municípios do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

COELHO, Y. S. Citricultura em Alagoas: referência nacional na produção de laranja lima de ‘lima’. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. EMBRAPA Mandioca e Fruticultura – Citros em Foco, n. 25. Cruz das Almas/BA, 2004.

DOWDING, K. Modelo or Metaphor? A critical review of the policy network approach.Oxford: BlackwellPublishers. Political Studies, n. XLIII, p. 136-1588. 1995.

FERREIRA, J. T. P. FERREIRA, E. P. PANTALEÃO, F. S. ALBUQUERQUE, K. N. Citricultura no estado de Alagoas – um estudo de caso no município de Santana do Mundaú/AL/Brasil. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Mossoró/RN. v. 8, n. 1, p.38-46. 2013.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 206p.

GRACIANO, M. C.; SANTOS, L. D. L.; FERREIRA, D. P.; ALMEIDA, L. M. D. C. Capital social e tipologia de redes: análise comparativa entre duas cooperativas agrícolas em territórios rurais diferenciados no estado de Goiás. Revista Retratos de Assentamentos, v. 23, n. 1, 2020.

GRANOVETTER, Mark. Ação econômica e estrutura social: o problema da incrustação. In: PEIXOTO, J. MARKES, R. (Org.). A nova sociologia econômica. Celta Editora, 2003, p. 69-102.

HALL, P. A. TAYLOR, R. C. R. Political science and the three new institutionalism. Oxford: BlackwellPublishers. Political Studies, n. XLIV, 1996, pp. 936-957.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção Agrícola Municipal. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pam/tabelas>. Acesso em: dez. de 2020.

PAULILLO, L. F.; SACOMANO NETO, M.; GARCIA, L. M. Governanças de Redes: Economia, Política e Sociedade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

POWELL, W. Neither Market nor hierarquy: network forms of organization. Research in Organization Behavior, vol. 12, 1990, p. 295-336.

SACOMANO NETO, M. PAULILLO, L. F. O. Estruturas de governança em arranjos produtivos locais: um estudo comparativo nos arranjos calçadistas e sucroalcooleiro no estado de São Paulo. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro 46(4): 131-155, jul./ago. 2012.

SCOTT, W. R. Institutions and Organizations. London: Gafe Publications, 1995.

SILVA JÚNIO, A. B. Distorções e contradições no cinturão citrícola alagoano: aspectos da produção e comercialização agrícola entre 2008 e 2011. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2014.

ZAMBA, E. M.; SOUZA, P. A. R.; COSTA, S. R. O capital social e suas implicações na política de assistência técnica e extensão rural em Mato Grosso. HOLOS, ano 34, v. 1, 2018.

Downloads

Publicado

2021-02-03

Como Citar

Gonçalves, K. P. dos A., Rosário, F. J. P., & Paulillo, L. F. de O. (2021). Formação da rede de capital social no território citrícola de Alagoas. Nexos Econômicos, 14(2), 75–93. https://doi.org/10.9771/rene.v14i2.42644

Edição

Seção

Artigos