A Práxis da Resistência e a Hegemonia da Organização

Authors

  • Maria Ceci Misoczky
  • Rafael Kruter Flores
  • Steffen Böhm

Keywords:

movimentos sociais, praxis, resitência, organizações

Abstract

Este texto tem dois objetivos: o primeiro é prosseguir em um esforço coletivo de enfrentamento dos procedimentos de exclusão que marcam o campo dos estudos organizacionais. Ao tomar como tema de pesquisa os movimentos sociais, assumimos os riscos de ‘rechaço’ e ‘isolamento’, constantemente rememorados pelo ‘silêncio da razão’. O segundo propósito é contribuir para tornar visível parte da multiplicidade de mundos organizacionais negada pela hegemonia da organização. O termo hegemonia se refere, aqui, a um alinhamento do discurso político que produz um significado social específico: a definição de organização a partir de um enfoque sistêmico estrutural como objeto formalizado. Para que possamos nos envolver nessa tarefa, precisamos nos expor a outras possibilidades: tanto aquelas já presentes em nosso campo disciplinar e que adotam uma abordagem processual do organizar, quanto por fertilização a partir do engajamento com outros campos disciplinares. Nesse sentido, fazemos uma breve revisão teórica sobre o tema da resistência no que se refere à apropriação do conhecimento, e registramos algumas produções feitas por acadêmicos ativistas ou por ativistas sem inserção na academia, ambos construindo conhecimento na sua práxis de intelectuais orgânicos.

Downloads

Download data is not yet available.

How to Cite

1.
Misoczky MC, Flores RK, Böhm S. A Práxis da Resistência e a Hegemonia da Organização. Organ. Soc. [Internet]. 2014Jun.7 [cited 2022Dec.7];15(45). Available from: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaoes/article/view/10958

Issue

Section

Articles