FEMINISMO ESTATAL REPRESENTATIVO: UM CONCEITO ÚTIL PARA A ANÁLISE DAS INTERAÇÕES ENTRE OS MOVIMENTOS FEMINISTAS E O LEGISLATIVO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.57422

Palavras-chave:

feminismo estatal, movimentos feministas, institucionalização, encaixes institucionais

Resumo

O objetivo do presente artigo, de caráter teórico, é desenvolver um conceito útil para a análise das interações entre os movimentos sociais e o poder Legislativo, a partir do estudo de caso da relação entre os movimentos feministas e o Congresso Nacional no Brasil. Para isso, parto de três conceitos já existentes na literatura (feminismo estatal, ativismo institucional e encaixes institucionais), e proponho o conceito de feminismo estatal representativo. Assim, filio-me a uma crescente produção acadêmica que tem se dedicado a alargar e aprofundar as lentes teóricas dos estudos sobre a institucionalização dos movimentos sociais no Estado, indo além da dicotomia contestação versus cooptação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Rodrigues Sanchez

Pós-doutoranda vinculada ao Programa Internacional de Pós-Doutorado (IPP) do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP) com pesquisa sobre a institucionalização dos movimentos feministas no poder Legislativo a partir dos estudos de caso sobre a legalização do aborto na Argentina e no Brasil. Orientadora de dissertações de mestrado na Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO-Brasil), onde também ministrou disciplina de pós-graduação sobre estudos de gênero. Doutora e mestra em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (USP), bolsista FAPESP nas duas ocasiões. É formada em Relações Internacionais pela mesma Universidade. É pesquisadora do Núcleo Democracia e Ação Coletiva do CEBRAP. Áreas de interesse: teorias feministas, representação política e movimentos sociais. E-mail: beatriz.rodrigues.sanchez@gmail.com

Referências

ABERS, Rebecca; TATAGIBA, Luciana. Institutional activism: mobilizing for women’s health from inside the Brazilian bureaucracy. In: Anais do 38º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu: Anpocs, 2014.

ABERS, Rebecca; SERAFIM, Lizandra; TATAGIBA, Luciana. Repertórios de interação Estado-Sociedade em um Estado heterogêneo: a experiência na Era Lula. Dados, vol. 57, n°2, p.325 a 357, 2014.

ALVAREZ, Sonia. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, n°43, 2014.

ALVAREZ, Sonia; MATOS, Marlise. Quem são as mulheres das políticas para as mulheres no Brasil: o feminismo estatal participativo brasileiro. Porto Alegre: Zouk, 2018.

AVRITZER, Leonardo. Instituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático. Opinião Pública, v. 14, n. 1, pp. 43-64, 2008.

BANASZAK, Ann. The women’s movement inside and outside the state. Cambridge: Cambridge Univerty Press, 2010.

CARROLL, Susan. Woman candidates and support for feminist concerns. Western Political Quarterly, n. 37, 1984.

EISENSTEIN, Hester. The Australian femocrat experiment. In: Feminist Organizations. Ed: Myra Ferree and Patricia Martin. Philadelphia: Temple University Press, 1995.

EISENSTEIN, Hester. Inside agitators. Philadelphia: Temple University Press, 1996.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afrolatinoamericano. Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988.

GURZA LAVALLE, Adrian; CARLOS, Euzeneia; DOWBOR, Monika; SZWAKO, José. Movimentos sociais e institucionalização: políticas sociais, raça e gênero no Brasil pós-transição. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2019.

GURZA LAVALLE, Adrian; SZWAKO, José. (forthcoming). Social Movements and Modes of Institutionalization, in Federico M. Rossi (ed.), The Oxford Handbook of Latin American Social Movements. Oxford: Oxford University Press, 2021.

HESSE, Konrad. A força normativa da Constituição. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1991.

LOVENDUSKI, Joni. Feminizing Politics. Cambridge: Polity Press & Malden: Polity Press, 2005.

MCBRIDE, Dorothy; MAZUR, Amy. The politics of state feminism: innovation in comparative research. Temple University Press, 2010.

PETTINICCHIO, David. Institutional Activism: Reconsidering the Insider/Outsider Dichotomy in Social Movements. Sociology Compass 6:499-510, 2012.

PITKIN, Hanna. The concept of representation. Berkley: University of California Press, 1967.

RIOS, Flavia; MACIEL, Regimeire. Feminismo negro em três tempos. Labrys, études féministes/ estudos feministas, v. 1, p. 120-140-140, 2018.

RODRÍGUEZ GUSTÁ, Ana Laura; MADERA, Nancy; CAMINOTTI, Mairana. Governance models of gender policy machineries under left and right governments in Latin America. Social Politics: International Studies in Gender, State and Society, n. 24, 2017.

SANTORO, Wayne; MCGUIRE, Gail. Social movement insiders: the impact of institutional activists on affirmative action and comparable worth policies. Social Problems, vol. 44, no. 4, 1997.

SAWER, Marian. Sisters in Suits: Women and Public Policy in Australia. Sydney: Allen & Unwin, 1990.

SCHEIDEGGER, Christine. Women’s Policy Machineries in Comparison: Bricks for Equal Gender Relations. Dissertation, St. Gallen, 2014.

SCHMITTER, Philipe. The consolidation of democracy and representation of social groups. American Behavioral Scientist, v. 35, n. 4-5, 1992.

SILVA, José Afonso da. Aplicabilidade das normas constitucionais. São Paulo: Malheiros Editores, 1982.

SKOCPOL, Theda. Protecting soldier and mothers: the political origins of social polity in the United States. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1992.

SZWAKO, José; GURZA LAVALLE, Adrian. “Seeing like a social movement”: institucionalização simbólica e capacidades estatais cognitivas. Novos estudos CEBRAP, v. 38, n. 2, 2019.

TARROW, Sidney. Power in movement: social movements, political opportunities, mobilizing structure and cultural framings. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

TILLY, Charles. From mobilization to revolution. MA: Addison-Wesley, 1978.

TILLY, Charles. Movimentos sociais como política. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 3, p. 133-160, 2010.

Downloads

Publicado

2024-01-22

Como Citar

RODRIGUES SANCHEZ, B. FEMINISMO ESTATAL REPRESENTATIVO: UM CONCEITO ÚTIL PARA A ANÁLISE DAS INTERAÇÕES ENTRE OS MOVIMENTOS FEMINISTAS E O LEGISLATIVO. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2024. DOI: 10.9771/rf.v11i2.57422. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/57422. Acesso em: 18 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê II