ABORTAMENTO LEGAL APÓS ESTUPRO: RELATOS DE SOFRIMENTOS E DE ENFRENTAMENTO

stories of suffering and coping

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v12i1.56661

Palavras-chave:

aborto, violência sexual, feminismos, mulheres

Resumo

Quando decorre gravidez da violência sexual (estupro) as mulheres podem decidir seguir com a gestação ou interrompê-la. O objetivo dessa investigação foi compreender como mulheres produzem sentidos sobre suas histórias, seus corpos e sexualidades após a realização de uma interrupção legal da gestação decorrente de estupro. Foram realizadas entrevistas com seis mulheres que utilizaram os serviços de interrupção legal da gestação em uma cidade de Minas Gerais, cujos conteúdos foram organizados através da análise temática reflexiva em três categorias. Para análise dos dados, partimos dos pressupostos das epistemologias feministas. Através dos relatos dessas mulheres fomos capazes de perceber que existe uma grande dificuldade no caminho dessas mulheres até os serviços de saúde, assim como um escancarado sofrimento perante as realidades das inúmeras violências sofridas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanna Malavolta Pizzo, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Psicóloga pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e especialista em Fundamentos da Psicanálise: Teoria e Clínica (Instituto ESPE Brasil). Pesquisadora Associada do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Sexualidades e Gêneros (LEPESEGE_UFTM).

Rafael De Tilio, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Possui graduação (2002) e pós-graduação (mestrado/2005; doutorado/2009) em Ciências (área de Psicologia) pela USP. Pesquisas nas áreas de sexualidades, gêneros e ideologia. Professor do curso de graduação em Psicologia e do Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFTM

Referências

BANDEIRA, Lourdes M. Violência, gênero e poder: múltiplas faces. In: STEVENS et al., (Org). Mulheres e violências: interseccionalidades. Brasília: Technopolitik, 2017. p. 14-34.

BEI, Aline. O peso do pássaro morto. São Paulo: Editora Nós, 2017.

BORGES, Rosa M. Z.; SANTANA, Jackeline C. Imposição Colonial e Estupro Conjugal: uma leitura da dinâmica do poder no contexto familiar. Revista Direito e Práxis, v. 13, n. 1, p. 93–117, jan. 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rdp/a/WjBGGRzdvfbD7cBPyzkyqLg/?lang=pt

BRAUN, Virginia.; CLARKE, Victoria. Reflecting on reflexive thematic analysis. Qualitative Research in Sport, Exercise and Health, v. 11, n. 4, p. 589-597, 2019. Disponível em: https://uwe-repository.worktribe.com/output/1493232/reflecting-on-reflexive-thematic-analysis

CIXOUS, Hélène. O riso da Medusa. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2022.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DINIZ, Débora., MEDEIROS, Marcelo., SOUZA, Pedro.H.G.F, Goés, Emanuelle. Aborto e raça no Brasil, 2016 a 2021. Ciência & Saúde Coletiva [online], set, 2023. Disponível em: http://cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/aborto-e-raca-no-brasil-2016-a-2021/18886?id=18886

DINIZ, Debora; GEBARA, Ivone. Esperança Feminista. 1.ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2022.

DINIZ, Débora; MEDEIROS, Marcelo.; MADEIRO, Alberto. National Abortion Survey - Brazil, 2021. Ciência & Saúde Coletiva, v. 28, n. 6, p. 1601–1606, jun. 2023. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/mDCFKkqkyPbXtHXY9qcpMqD/abstract/?lang=pt#

DIOS, Vanessa C., A palavra da mulher: práticas de produção de verdade nos serviços de aborto legal no Brasil. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade de Brasília, Brasília, 2016. 106p.

FEDERICI, Silvia. Par-delà les frontières du corps. Paris: Éditions Divergences, 2020.

FOLHA DE SÃO PAULO. Podcast investiga maior processo por aborto do Brasil e como tema ficou debate político. [online], 2023. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/podcasts/2023/08/podcast-investiga-maior-processo-por-aborto-do-brasil-e-como-tema-virou-debate-politico.shtml?utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwa

GAMA, Mariah S. B.; ZANELLO, Valeska. Dispositivo amoroso e tecnologias de gênero: uma investigação sobre a música sertaneja brasileira e seus possíveis impactos na pedagogia afetiva do amar em mulheres In: OLIVEIRA, E.; SILVA, S. R. O.; ZANELLO, V. (Org). Gênero, subjetivação e perspectivas feministas. Brasília: Technopolitik, 2019. p. 163-183.

GIUGLIANI, Camila; RUSCHEL, Angela E.; PATUZZI, Gregório C.; SILVA, Maura C. B., Violência Sexual e Direito ao Aborto Legal no Brail: fatos e reflexões. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2021.

GONZAGA, Paula R. B. Sobre úteros que sangram e mulheres inteiras: uma aposta que a Psicologia pode – e deve – ser feminista, antirracista e decolonial. In: GONZAGA, P. R. B.; GONÇALVES, L.; MAYORGA, C. (Org). Práticas acadêmicas e políticas sobre o aborto. Belo Horizonte: CRP04, 2019. p. 190–204.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, [S. l.], n. 5, p. 7–41, 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773

HOLANDA, Ana. C. P.; XEREZ, Rafael. M. O Conto da Aia e o aborto no Brasil: a ausência de liberdade da mulher sobre o próprio corpo. Revista Estudos Feministas, v. 29, n. 1, p. e61052, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/LBdSdHZVD3WfPPrCpxPsPFz/#

hooks, b. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 13.ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2020.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Elucidando a Prevalência de Estupro no Brasil a Partir de Diferentes Bases de Dados. FERREIRA et al. (Org). 1.ed. Brasília, 2023. Disponível em: https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/11814/1/Publicacao_preliminar_TD_Elucidando_a_prevalencia_de_estupro.pdf

KLUK, Elizama; TRIGUEIRO, Tatiane H.; BERTELONI, Glauciane M. de A.; LOURENÇO, Rafaela G. Women experiencing drug-facilitated sexual assault. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 8, p. e0911830538, 2022. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30538

MACHADO, Carolina, L.; FERNANDES, Arlete M. Dos S.; OSIS, Maria J. D.; MAKUCH, Maria Y. Gravidez após violência sexual: vivências de mulheres em busca da interrupção legal. Cadernos de Saúde Pública, v. 31, n. 2, p. 345-353, fev. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/ynyNzd6WFfpwhBDr4MrZM6t/abstract/?lang=pt

MADEIRO, Alberto. P.; DINIZ, Débora. Serviços de aborto legal no Brasil – um estudo nacional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 2, p. 563–572, fev. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/L6XSyzXN7n4FgSmLPpvcJfB/#

MARQUES, Renato; GRAEFF, Billy. Análise Temática Reflexiva: interpretações e experiências em educação, sociologia, educação física e esporte. MOTRICIDADES: Revista da Sociedade de Pesquisa Qualitativa em Motricidade Humana, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 115–130, 2022. Disponível em: https://www.motricidades.org/journal/index.php/journal/article/view/2594-6463-2022-v6-n2-p115-130

MARTINO, Mayara. K., Violência sexual contra mulheres e discursos sobre abortamento legal. Dissertação (Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020. 272p.

MASSARO, Luciana. T. S.; ADESSE, Leila.; LARANJEIRA, Ronaldo.; CAETANO, Raul; MADRUGA, Clarice S. Estupros no Brasil e relações com o consumo de álcool: estimativas baseadas em autorrelato sigiloso. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, n. 2, p. e00022118, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/sTdxtDqQsj68cckTnWKVVBB

MIGUEL, Luís F., O debate sobre prostituição. In: MIGUEL, Luís F. BIROLI, Flávia. (Org). Feminismo e política: uma introdução. 1.ed. São Paulo: Boitempo, 2014. p. 139-145.

MINAYO, Maria C. S. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14.ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica. 2. ed. 60p. Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, 2011.

NETO, Francisco R. X.; OLIVEIRA, Joze da S.; ROCHA, José. Violência sofrida pelas profissionais do sexo durante seu trabalho e as atitudes tomadas após serem vitimadas. Reme: Rev. Min. Enferm. [online]. vol.11, n.3, p.248-253, 2007. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-508651

Núcleo de Estudos da Violência da USP (NEV/USP). Brasil bate recorde de feminicídios em 2022, com uma mulher morta a cada seis horas. [online], 2023. Disponível em: https://nev.prp.usp.br/noticias/8-3-23-nev-na-midia-monitor-da-violencia-g1-brasil-bate-recorde-de-feminicidios-em-2022-com-uma-mulher-morta-a-cada-6-horas/

NUNES, Mykaella. C. A.; MORAIS, Normanda A. Estupro e gravidez: Relatos das vivências de mulheres antes e após o desfecho da gestação. Estudos de Psicologia (Natal) [online], v. 21, n. 4, 468-476, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epsic/a/dywQZDsGJfTrBmy7h4hqcCt/?lang=pt

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Educação para uma mternidade segura: módulos de educação. 2.ed. Genebra, Suiça: OMS, 2005.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Estimativas da prevalência da violência contra as mulheres em 2018. [online], mar, 2021. Disponível em: https://who.canto.global/s/KDE1H?viewIndex=0

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: HOLLANDA, H.B.(Org). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019, p. 371-387.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

ROSA, Liane S. Da; MACKEDANZ, Luiz F. A Análise Temática Como Metodologia Na Pesquisa Qualitativa em Educação Em Ciências. Atos de Pesquisa em Educação, [S.l.], v. 16, p. e8574, abr. 2021. Disponível em: https://proxy.furb.br/ojs/index.php/atosdepesquisa/article/view/8574

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero patriarcado violência. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SILVEIRA, Jéssica. R.; LIMA, Margarete M. de.; COSTA, Roberta; BAIGORRIA, Judizeli. Percepções da equipe multiprofissional frente à interrupção legal da gestação por violência sexual. Texto & contexto - enfermagem, v. 30, p. E20190070, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/3rGj8s9LLCFtmmX9MM5XR5s/?lang=pt#

SOUSA, Francislê. N.; COSTA, António. P.; MOREIRA António. webQDA [programa de computador]. Aveiro: Microio/Ludomedia; 2019.

SOUZA, Flavia B. C. S.; DREZETT, Jefferson; MEIRELLES, Alcina de C.; RAMOS, Denise G. Aspectos psicológicos de mulheres que sofrem violência sexual. Reprodução & Climatério, v. 27, n. 3, p. 98-103, 2012. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S141320871300006X

TANAKA, Brenda S.; MAIA, Ana C. B. Mulheres vítimas de violência sexual e resposta sexual na vida adulta: uma revisão de literatura. Revista Psicologia e Educação Online. v. 3, n. 1, p. 83-92, 2020. Disponível em: https://psicologiaeeducacao.ubi.pt/Ficheiros/ArtigosOnLine/2020N1/V3N1%20-%209.pdf

ZANELLO, Valeska. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Curitiba: Editora Appris, 2018.

Downloads

Publicado

2024-05-02

Como Citar

MALAVOLTA PIZZO, G.; DE TILIO, R. ABORTAMENTO LEGAL APÓS ESTUPRO: RELATOS DE SOFRIMENTOS E DE ENFRENTAMENTO: stories of suffering and coping. Revista Feminismos, [S. l.], v. 12, n. 1, 2024. DOI: 10.9771/rf.v12i1.56661. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/56661. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos