PSICOTERAPIA FEMINISTA E SAÚDE MENTAL GENDRADA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v12i1.55874

Palavras-chave:

psicoterapia; feminismo; saúde mental.

Resumo

A terapia feminista é um dos resultados da parceria entre a psicologia e o feminismo, que busca evidenciar a indissociabilidade entre subjetividades e meio social. No entanto, essa é uma proposta ainda pouco divulgada, mesmo sendo uma contribuição teórica e prática urgente para a disciplina psicológica em termos de pensar a complexidade do sujeito enredado nas estruturas de poder de gênero, sexualidade e raça. A fim de elucidar o campo e visibilizar as possibilidades contra-hegemônicas na ciência e profissão, este trabalho de cunho teórico aborda o escopo da terapia feminista e da saúde mental sob a ótica das relações de gênero.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Araujo Roseira Cannone, Universidade Federal da Bahia

Psicóloga. Mestra pelo PPGNEIM/UFBA. Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGPS/UERJ).

Ângela Maria Freire de Lima e Souza, Universidade Federal da Bahia

Bióloga e Docente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares em Mulheres, Gênero e Feminismos. Mestra em Biologia (Botânica) pela Universidade Federal da Bahia e doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

AMÂNCIO, Lígia. O género na psicologia: uma história de desencontros e rupturas. Psicologia, Lisboa, v. 15, n. 1, p.9-26, 2001.

ARRUDA, Angela. Feminismo, gênero e representações sociais. In: Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Heloisa Buarque de Hollanda (org.). Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p.335-355, 2019.

BRITTO DA MOTTA, Alda. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Cadernos Pagu, Dossiê Gênero em Gerações, Campinas: Unicamp, n. 13, p. 191-221, 1999.

BROWN, L. S.; BRODSKY, A. M. The future of feminist therapy. Psychotherapy, vol. 29, n. 1, p.51-57, 1992.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 1 ed., 2017. 206p.

CANNONE, Lara Araújo Roseira. Uma leitura feminista acerca dos discursos de gênero na psicologia. Dissertação (mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2020, 166f.

CHESLER, Phyllis. Extracts from Women and Madness. Feminism & Psychology, v.4, n.2, p.267–279, 1994.

DUARTE, Constância Lima. Feminismo: uma história a ser contada. In: Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Heloisa Buarque de Hollanda (org.). Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p.25-47, 2019.

ENNS, Carolyn Zerbe. Toward integrating feminist psychotherapy and feminist philosophy. Professional Psychology: Research and Practice, v.23, n.6, p.453-466, 1992.

FALUDI, Susan. Backlash: o contra-ataque na guerra não declarada contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

FERREIRA, Arthur Arruda Leal. O múltiplo surgimento da Psicologia. In: História da psicologia: rumos e percursos. Ana Maria Jacó-Vilela, Arthur Arruda Leal Ferreira, Francisco Teixeira Portugal (orgs.). 3.ed. Rio de Janeiro: Nau, p.19-54, 2013.

hooks, bell. Mulheres negras revolucionárias: nos transformamos em sujeitas. In: Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 1ª ed, p.96-127, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 1ª ed., p.27-109, 2019.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Feminismo e Terapia: A Terapia Feminista da Família – Por uma Psicologia Comprometida. Rev. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v.19, n.2, p.117-131, 2007.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra e o amor. In: Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Heloisa Buarque de Hollanda (org.). Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p.265-268, 2019.

NOGUEIRA, Conceição. Interseccionalidade e Psicologia Feminista. Salvador: Devires, 1ª ed., 2017. 236p.

PERUCCHI, Juliana. Dos estudos de gênero às teorias Queer: Desdobramentos do feminismo e do movimento LGBT na psicologia social. In: Anais do XV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social. Maceió: Associação Brasileira de Psicologia Social, p.1-5, 2009.

PREHN, D. R.; HÜNING, S. M. O Movimento Feminista e a Psicologia. Psicologia Argumento, Curitiba, v.23, n.42 p.65-71, 2005.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Revista Bagoas, n.5, p.17-44, 2010.

RUTHERFORD, Alexandra. O feminismo precisa da psicologia? Reconstruindo a história de uma relação. In: Clio-psyché: gênero, psicologia, história. Francisco Teixeira Portugal e Ana Maria Jacó-Vilela (orgs). Rio de Janeiro: NAU, p.23-41, 2012.

STEWART, A. J.; MCDERMOTT, C. Gender in Psychology. Annu. Rev. Psychol. p.519-544, 2004.

SENNA, Ariane M. de. A trajetória acadêmica de uma psicóloga, mulher trans e negra dentro da universidade. Anais do XX REDOR: Encontro da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre Mulher e Relações de Gênero. Salvador, p.1-11, 2018.

ZANELLO, Valeska. Saúde Mental, Gênero e Dispositivos. Cultura e Processos de Subjetivação. Curitiba: Appris, 2018. 301p.

Downloads

Publicado

2024-04-29

Como Citar

CANNONE, L. A. R.; FREIRE DE LIMA E SOUZA, Ângela M. . PSICOTERAPIA FEMINISTA E SAÚDE MENTAL GENDRADA. Revista Feminismos, [S. l.], v. 12, n. 1, 2024. DOI: 10.9771/rf.v12i1.55874. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/55874. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos