COCO BABAÇU E RELAÇÕES DE GÊNERO: REPRESENTAÇÕES ESPELHADAS NO MÉDIO MEARIM MARANHENSE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i2%20e%203.49453

Palavras-chave:

Coco Babaçu, relações de gênero, Antropologia feminista

Resumo

Este artigo reflete parte da pesquisa que culminou em tese de doutorado defendida, em 2020, no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Bahia. O objetivo deste texto é destacar a abordagem dada às relações de gênero observadas no contexto da cadeia produtiva do coco Babaçu na microrregião do Médio Mearim/MA. Busca-se, especialmente, reafirmar o caráter feminista - crítico e engajado - da mencionada tese, no que tange à desigualdade e/ou assimetria e/ou hierarquia nas relações de gênero, dois anos após a aprovação daquele trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hairam Machado, Universidade Federal da Bahia/Egressa do Doutorado em Antropologia

Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal da Bahia - UFBA. Mestra em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília - UnB (Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados sobre as Américas - CEPPAC) e bacharel em Ciências Sociais, com habilitação em Antropologia, pela mesma instituição (UnB). 

Referências

ANDRADE, Maristela de Paula. Conflitos agrários e memórias de mulheres camponesas. Estudos Feministas, Florianópolis, 15(2): 445-451, maio-agosto/2007.

AYRES JUNIOR, José Costa. A Organização das quebradeiras de coco babaçu e a refuncionalização de um espaço regional na microrregião do Médio Mearim maranhense. Dissertação de Mestrado. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2007.

BALEEIRO, Aliomar; LIMA SOBRINHO, Barbosa. Coleção Constituições Brasileiras ; v. 5; 1946. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2012.

BARBOSA, Viviane de Oliveira. Na Terra das Palmeiras: Gênero, Trabalho e Identidades no Universo de Quebradeiras de Coco Babaçu no Maranhão. Dissertação de mestrado. Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos, Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO), Universidade Federal da Bahia – UFBA, 2007.

__________________________. Mulheres do babaçu: gênero, maternalismo e movimentos sociais no Maranhão. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense – UFF, 2013.

BONETI, Alinne; FLEISCHER, Soraya (Orgs.). Entre Saias Justas e Jogos de Cintura. Florianópolis: Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2007.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O Trabalho do Antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Em: O Trabalho do Antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora UNESP, 2006.

CAVALCANTI, Themístocles Brandão; BRITO, Luiz Navarro de, BALEEIRO, Aliomar. Coleção Constituições Brasileiras; v. 6; 1967. Brasília. Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2012.

CLIFFORD, James. Sobre a autoridade etnográfica. Em: CLIFFORD, James. A experiência etnográfica. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 2011, pp. 17 – 62.

CORDEIRO, Renata dos Reis. Velhos conflitos em novas causas: um estudo sobre processos de ambientalização nos discursos do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu, no Maranhão. Dissertação de Mestrado. São Luís. Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. 2008.

ESCOBAR, Arturo. Encountering Development : the making and unmaking of the third world. Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1995.

________________. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento?. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.133-168.

ESTEVA, Gustavo. Desenvolvimento. In: SACHS, Wolfgang (Ed.) Dicionário do Desenvolvimento: Guia para o conhecimento como poder. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 59-83.

GEERTZ, Clifford: A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1989.

MACHADO, Hairam. Interações e Discursividades no Âmbito do Programa Trabalho E Empreendedorismo da Mulher e do Projeto Com Licença, Eu Vou à Luta no Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Brasília. Universidade de Brasília – UnB/ Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados sobre as Américas (CEPPAC), 2012.

MACHADO, Lia Zanotta. Campo Intelectual e Feminismo: alteridade e subjetividade nos estudos de gênero. Série Antropologia 170. Brasília: UnB/DAN. 1994.

_________________________. Familias e Individualismos. Em Interface, Com. Saúde Educ, nº 8, 2001.

MATOS, Francinaldo Ferreira de. Entre leiras e labaredas: a adoção da roça sem queima pelos agricultores do Município de Lago do Junco - MA. Dissertação de mestrado. Belém. Universidade Federal do Pará – UFPA/ Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural/ Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, 2011.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo. Cosac Naify, 2003.

MENEZES NETO, Antonio Julio. A igreja católica e os Movimentos Sociais do Campo: a Teologia da Libertação e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Salvador. Universidade Federal da Bahia,Caderno CRH, vol. 20, núm. 50, mayo-agosto, 2007.

PARPART, Jane L. et al (Orgs.) Perspectives on Gender and Development. Ottawa, ON, Canada: The International Development Research Centre, 2000.

PARPART, Jane L. Who is the “Other”? A Postmodern Feminist Critique of Women and Development Theory and Practice. In: Development and Change. Vol. 24, Issue 3, July 1993.

PEIRANO, Mariza. A teoria vivida: e outros ensaios de antropologia. Rio de Janeiro:

Jorge Zahar Ed., 2006.

POLETTI, Ronaldo. Coleção Constituições Brasileiras; v. 3. 1934. Brasília. Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2012.

QUEIROZ, M. I. P. Relatos orais: do “indizível” ao “dizível”. In: VON SIMSON, O. M. (org. e intr.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, Enciclopédia Aberta de Ciências Sociais, v.5, 1988. p. 68-80.

ROSALDO, Michelle. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Horizontes Antropológicos, Ano 1, No.1. Porto Alegre:UFRGS, 1995, pp.:11-36.

ROSALDO, Renato. El desgaste de las normas clásicas; Después del objetivismo. In: _______ Cultura y verdad. La reconstrucción del análisis social. Quito: Abya-Yala, 2000.[1989] p. 47-92

SARDENBERG, Cecilia M. B. Da Crítica Feminista à Ciência a uma Ciência Feminista? Em: COSTA, Ana Alice e SARDENBERG, Cecília M. B. Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador:NEIM/UFBA:REDOR, 2002.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez.1995, pp. 71-99.

SILVA, Jessé.; SOARES, Ronilda; SOUSA, Eulenice; BOTELHO, Raimundo Edson Pinto. Babaçu, Terra e Educação: lutas e conquistas dos trabalhadores da Comunidade São Manoel, Lago do Junco, Estado do Maranhão. Bacabal. Universidade Federal do Maranhão – UFMA. I Semana Interdisciplinar de Educação e II Seminário de Iniciação à Docência, 2017.

SWERTS, Leila A. Políticas de desenvolvimento, organização do território e participação: As quebradeiras de coco babaçu na microrregião do Bico do Papagaio, Tocantins. Dissertação de Mestrado. Brasília. Universidade de Brasília - UnB, Departamento de Geografia, 2009.

Downloads

Publicado

2022-10-17

Como Citar

MACHADO, H. COCO BABAÇU E RELAÇÕES DE GÊNERO: REPRESENTAÇÕES ESPELHADAS NO MÉDIO MEARIM MARANHENSE. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 2 e 3, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i2 e 3.49453. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/49453. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos