NÓS POR NÓS MESMAS: MATERNIDADE, SUBJETIVIDADE E PANDEMIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.47338

Palavras-chave:

Mulher, Maternidade, Subjetividade, Pandemia

Resumo

O estudo objetiva analisar a configuração subjetiva da maternidade como constitutiva da dinâmica de vida da mulher, em contexto de pandemia. Apoiado na Teoria da Subjetividade, de perspectiva cultural-histórica, e Epistemologia Qualitativa expõe os resultados de uma investigação empírica com três mulheres brasileiras, em contextos e momentos cronologicamente distintos da maternidade. Os recursos informacionais foram: dinâmicas conversacionais, redação, diário materno e fotografias. Apresentam-se três eixos de análise: a) a maternidade constituída historicamente e sua expressão atual na pandemia; b) ser mãe entre demandas na pandemia: maternidade, vida acadêmica e profissional; c) as dinâmicas sociais dos sistemas de relações da mulher: maternidade e pandemia. Os resultados indicam aspectos como a singularidade, historicidade e o caráter gerador da mulher para avançar na compreensão de investigações e práticas sobre a maternidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana da Silva Oliveira Lemes, UNB

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Escolar - PGPDE/UnB (2/2019). Mestrado em educação pela UnB (2014). Graduação em Pedagogia pela UnB (2003). Membro dos grupos de pesquisa/CNPq: Grupo de estudos sobre desenvolvimento subjetivo em contextos educacionais - GEDESU; Aprendizagem, escolarização e desenvolvimento humano. Atualmente é professora efetiva da rede de ensino da SEE/DF. Contato: luciana.lemes@gmail.com

Telma Silva Santana Lopes, UnB

Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pela UnB (2017). Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Escolar - PGPDE/UnB (2/2019). P.: 74690-646 - Goiânia, GO. Contatos: (61)9997-5412, telsilsanlopes@gmail.com

Paula da Silva Moreira Carvalho, UNB

Mestrado em educação pela Universidade de Brasília (2022). Pedagoga pela Universidade de Brasília (2003).CEP.: 71070-602 - Brasília, DF. Contatos: (61)99963-1696, paulamoreira.educ@gmail.com

Maristela Rossato

Maristela Rossato. Doutora em Educação pela Universidade de Brasília (2009). Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). Especialista em Psicopedagogia Institucional e Especialista em Deficiência Intelectual. Tem experiência em pesquisa e docência no ensino superior, ensino médio e fundamental. Atua nas áreas de Psicologia da Aprendizagem, Psicologia do Desenvolvimento e Educação a Distância, envolvendo os seguintes temas: desenvolvimento subjetivo, dificuldades de aprendizagem escolar e formação de professores. É líder do grupo de pesquisa Desenvolvimento subjetivo em contexto de ensino e aprendizagem escolar" e vice líder do grupo "Aprendizagem,escolarização e desenvolvimento humano", pertencentes ao Diretório de Grupos da Plataforma Lattes. Foi coordenadora do GT-ANPEPP Subjetividade, Ensino e Aprendizagem. Atuou como consultora da OEI e do PNUD junto ao Ministério da Educação na articulação de políticas públicas envolvendo a formação dos professores para atuarem com educação integral em jornada ampliada. Foi Chefe do Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento. Atualmente é professora adjunta da Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Membro do Programa de Pós Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Escolar.

Referências

ABREU, Fernanda, MARQUES, Fernanda; DINIZ Ilidiana. Divisão Sexual do Trabalho entre Homens e Mulheres no Contexto da Pandemia da Covid-19. INTER-LEGERE. Vol. 3, n. 28, 2020.

ALMEIDA, Leila Sanches. Mãe, Cuidadora e Trabalhadora: As Múltiplas Identidades de Mães Que Trabalham. Revista do Departamento de Psicologia - UFF, v. 19/ n. 2, p. 411-422, Jul./Dez, 2007.

ARIÈS, Phelipe. História social da infância e da família. Tradução: D. Flaksman. Rio de Janeiro: LTC, 1978.

BADINTER, Elisabeth. Um Amor Conquistado: o Mito do Amor Materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

CARUSO, Maria Beatriz Rossi; RAMALHO, Manuela de Oliveira; PHILIP, Juliana; BRAGAGNOLO, Cibele. Maternidade, ciência e pandemia: um apelo urgente à ação! Maternity, science and pandemic: an urgent call for action! Hoehnea: 47, 2020.

CARPENEDO, Manoela; NARDI Henrique. Maternidade transnacional e produção de subjetividade: as experiências de mulheres brasileiras imigrantes vivendo em Londres. Cadernos Pagu (49), 2017.

CASTRO, Bárbara; CHAGURI, Mariana. Gênero, Tempos de Trabalho e Pandemia: Por Uma Política científica Feminista. Linha Mestra, n.41A, p. 23-31, 2020.

CLÍMACO, Julia Campos. Análise das construções possíveis de maternidades nos estudos feministas e da deficiência.. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 28(1), 2020.

CORREIA, Maria de Jesus. Sobre a Maternidade. Análise Psicológica, 3 (XVI): p. 365-371, 1998.

DITTZ, Erika da Silva; ROCHA, Amanda Leão da Silveira. As repercussões no cotidiano de mães de bebês internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal durante a medida de isolamento social para evitar contágio por COVID-19. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional/Brazilian Journal of Occupational Therapy, Preprint, 2020.

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. 1ª reimpressão da 1ª edição de 2003. Tradução Raquel Souza Lobo Guzzo. São Paulo. Pioneira Thomson Learning, 2005a.

_______. O valor heurístico da subjetividade na investigação psicológica. In: GONZÁLEZ REY, Fernando (Org.). Subjetividade, Complexidade e Pesquisa em Psicologia. São Paulo: Thomson, 2005c. cap. 2, p.27-52, 2005b.

______. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. 1ª reimpressão da 1ª edição de 2005. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

______. Pesquisa qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios. 2ª reimpressão da 1ª edição de 2005. São Paulo: Cengage Learning, 2011a.

______. Sujeito e saúde: superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez, 2011b.

______. A configuração subjetiva dos processos psíquicos: avançando na compreensão da aprendizagem como produção subjetiva. In: MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina; SCOZ, Beatriz; Castanho, Marisa Siqueira (Org.). Ensino e aprendizagem: a subjetividade em foco. Brasília: Liber Livros, 2012a. cap. 1, p. 21-42, 2012.

______. The rescue of subjectivity from a cultural-historical standpoint. In. Beshara, Robert (editor). A critical introduction to Psychology. Hauppauge: Nova Science Publishers (pp. 9-26), 2020.

GONZÁLEZ REY, Fernando; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. La personalidad: su educación y desarrollo. Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1989.

______. Subjetividade, Teoria, Epistemologia e Método. Campinas. SP. Ed. Alínea, 2017a.

______. El desarrollo de la subjetividad: una alternativa frente a las teorías del desarrollo psíquico. Papeles de Trabajo sobre Cultura, Educación y Desarrollo Humano, v. 13, n. 2, p. 3-20, 2017b.

GONZÁLEZ REY, Fernando; MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina; ROSSATO, Maristela; Goulart, Daniel. The relevance of the concept of subjective configuration in discussing human development. In: FLEER, Marilyn; GONZÁLEZ REY, Fernando; VERESOV, Nikolai. (Org.). Perezhivanie, Emotions and Subjectivity – advancing Vygotsky's legacy. 1ed. New York: SPRINGER, p.297-338, 2017.

HAYS, Sheron. The Cultural Contradictions of Motherhood. Editora Yale University Press. New Haven, 1998.

LERNER, Gerda. A Criação do Patriarcado: História da opressão das mulheres pelos homens. São Paulo: Cultrix, 2019.

MACÊDO, Shirley. Ser mulher trabalhadora e mãe no contexto da pandemia COVID-19: tecendo sentidos. Revista Nufen: Phenom. Interd. | Belém, 12(2), 187-204, mai./ago, 2020.

MEDEIROS, Priscila Brandão. Divisão sócio sexual do trabalho: naturalizações sociais como estratégia de minimização do estado. Temporalis, Brasília (DF), ano 20, n. 40, p. 215-232, jul./dez, 2020.

MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina. A teoria da subjetividade de González Rey: uma expressão do paradigma da complexidade na psicologia. In: GONZÁLEZ REY, Fernando Luis (Org.). Subjetividade, complexidade e pesquisa em Psicologia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

MOREIRA, Lisandra Espíndula; NARDI, Henrique Caetano. Mãe é tudo igual? Enunciados produzindo maternidade(s) contemporânea(s). Estudos Feministas, Florianópolis, 17(2): 344, mai./ago. 2009.

MOURA, Solange Maria Sobottka Rolim de; ARAÚJO, Maria de Fátima. A maternidade na história e a história dos cuidados maternos. Psicologia, Ciência e Profissão, 24 (1), p.44-55, 2004.

SAMPAIO, Fabricio de Sousa; TAVARES, Leonardo Pereira. Contestando as fronteiras de gênero, raça e sexualidade na sociedade brasileira. Campina Grande: Editora Ampla 2020.

O'REILLY, Andrea. Enciclopédia da Maternidade [Online] Disponível em:https://literarymama.com/articles/departments/2014/06/profile-of-andrea-oreilly-motherhood-is-not-a-liability. Acesso em: (1/11/2021).

______. Redefining Motherhood: Changing Identities and Patterns. Canadian Scholars’ Press. p. 339, 1998.

PERES, Ana Cláudia. Elas resistem: como a pandemia impacta a vida das mulheres brasileiras e de onde vem as múltiplas formas de resiliência. Radis, n.213, jun., 2020.

RODRIGUES, Natália Queiroz Cabral. O trabalho feminino em tempos de pandemia. Rev. do Trib. Reg. Trab. 10ª Região, Brasília, v. 24, n. 1, p. 38-51, 2020.

ROSSATO, Maristela. A complexidade da subjetividade como um sistema configuracional em desenvolvimento. In: MITJÁNS MARTÍNEZ, Albertina; TACCA, Maria Carmen; PUENTES, Roberto (Orgs). Teoria da subjetividade: discussões teóricas, metodológicas e implicações na prática profissional.1ª ed. Campinas, SP: Alínea, p. 119-136, 2020.

SALETTI CUESTA, Lorena. Propuestas Teóricas Feministas en Relación al Concepto de Maternidad .Clepsydra, 7; pp. 169-183, 2008.

SAMUELLS, Félix Jorge Robson. Educação em saúde e subjetividade: uma análise da produção subjetiva em mulheres submetidas à histerectomia. Dissertação. Programa de Pós-

Graduação em Educação. Mestrado em Educação. Universidade de Brasília, Brasília, 2018, 112p.

SANTOS, Sílvia Reis dos; SCHOR, Néia. Vivências da maternidade na adolescência precoce. Revista Saúde Pública; 37, n.1, p.15-23, 2003.

SILVA, Bruno Sanches Mariante da. A “maternidade moderna” e a medicalização do parto nas páginas do Boletim da Legião Brasileira de Assistência, 1945-1964. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, vol. 25, n. 4, pp. 1019-1037, 2018.

Downloads

Publicado

2023-06-23

Como Citar

OLIVEIRA LEMES, L. da S.; LOPES, T. S. S.; MOREIRA CARVALHO, P. da S. .; ROSSATO, M. NÓS POR NÓS MESMAS: MATERNIDADE, SUBJETIVIDADE E PANDEMIA. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.47338. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/47338. Acesso em: 3 mar. 2024.