MOVIMENTOS FEMINISTAS E TEORIA PSICANALÍTICA: RESSONÂNCIAS NA PRÁTICA DE PSICANALISTAS MULHERES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.47004

Palavras-chave:

Psicanálise; Feminismos; Feminino; Gênero.

Resumo

Psicanálise(s) e feminismo(s) possuem, historicamente, pontos de tensão e de ligação. É no encontro com a cultura, a história, o corpo e a subjetividade que estes campos vêm demarcar seus contrapontos e tensionamentos implicados nos eixos da clínica e da política. Este artigo que, configura um recorte de pesquisa realizada no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, propõe uma discussão acerca das narrativas teóricas e discursivas sobre o feminino na psicanálise e suas interlocuções com feminismos e gênero na contemporaneidade. Neste sentido, traz para o diálogo contribuições de autoras/es com produção atual sobre esses campos, recorrendo à escuta de entrevistas realizadas com psicanalistas mulheres. Refletir se os feminismos atravessam a clínica e a prática psicanalítica foi parte das questões costuradas neste trabalho, que destaca nós teóricos, discursos hegemônicos, singularidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Fernandes Guedes, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Psicóloga e Psicanalista. Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2013). Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Psicologia – UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, área Psicologia Social e Cultura. Endereço: Campus Universitário - Trindade- Florianópolis – SC. CEP 88 040 970.  E-mail: marinafernandes.guedes@gmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2445-9548

Mara Coelho de Souza Lago, Professora Emérita da Universidade Federal de Santa Catarina,

Professora Emérita da Universidade Federal de Santa Catarina, doutora em Psicologia da Educação pela UNICAMP-SP. Professora titular aposentada, atua como Docente Voluntária nos Programas de Pós-Graduação em Psicologia e Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da UFSC. Participa do Instituto de Estudos de Gênero (IEG/UFSC) e da coordenação editorial da Revista Estudos Feministas. Endereço: Campus Universitário - Trindade- Florianópolis – SC. CEP 88 040 970. Tel (48) 3721 9283 e-mail: maralago7@gmail,com ORCID  http://orcid.org/0000-0001-5111-8699

Mériti De Souza, Professora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia - UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina

Professora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia - UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-Doutorado no CES -Centro de Estudos Sociais- Universidade de Coimbra. Doutorado em Psicologia Clínica pela PUC-S.P. Autora de A Experiência da lei e a lei da experiência: ensaios sobre práticas sociais e subjetividades no Brasil (Editora da UFSC, 2016); Endereço: Campus Universitário - Trindade- Florianópolis – SC. CEP 88 040 970. Tel (48) 3721 9283. e-mail meritisouza@yahoo.com.br ORCID.org/0000-0002-8157-7615

Referências

ARÁN, Márcia. O feminino como possibilidade de novas formas de sociabilidade. O avesso do avesso: feminilidade e novas formas de subjetivação. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

ARÁN, Márcia. A psicanálise e o dispositivo diferença sexual. Revista Estudos Feministas, Florianópolis. 2009. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2009000300002 . Acesso em 09/06/2020.

BEAUVOIR, Simone. O Segundo sexo. Fatos e mitos. Volume 1. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BIRMAN, Joel. Gramáticas do erotismo: a feminilidade e as suas formas de subjetivação em psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 6ª edição. 2013

BOSCO, Adriana; PAIVA, Vera. Gênero uma categoria de análise e da psicanálise? In: AMBRA, Pedro, SILVA JR., Nelson da. (Org). Histeria e Gênero: o sexo como desencontro. São Paulo. Editora nVersos, 2014.

CECCARELLI, Paulo Roberto. Psicanálise, sexo e gênero: algumas reflexões. In: RIAL, C.; PEDRO, J.; AREND, S. (Orgs). Diversidades: dimensões de gênero e sexualidade. Florianópolis, Ed. Mulheres, p. 269-285, 2010

CINTRA, A; CLEMENS, J; xxxxxxxxxxx. Ser menino, ser menina: é tão simples assim? Sig: revista de psicanálise/Sigmund Freud. Associação Psicanalítica. Porto Alegre 4 (6) Jan-Jun. p. , 2015.

COSSI, R. K.A diferença dos sexos: Lacan e o feminismo. Tese Doutorado Programa de Pós Graduação em Psicologia. Área de concentração: Psicologia Clínica. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. 2016. 276 páginas.

DERRIDA, Jacques; ROUDINESCO, Elisabeth. De que amanhã... Diálogo. Rio de Janeiro: Zahar. 2004.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.

FLAX, Jane. Thinking Fragments: Psychoanalysis, Feminism and Postmodernism in the Contemporary West. Berkeley: University of California Press, 1990.

FREUD, Sigmund. A Feminilidade. Conferência XXXIII. (1933) In: IANNINI, Gilson; TAVARES, Pedro Heliodoro (Orgs). Amor, sexualidade e feminilidade. Obras incompletas de Sigmund Freud. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

GONZÁLES, Lélia. Por um feminismo afro–latino–americano: ensaios, intervenções e diálogos / organização Flávia Rios, Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

IACONELLI, Vera. Mulher Falada. In: PORCHAT, Patrícia; FRANÇOIA, Carla; CORSETTO, Patrizia. (Orgs). Psicanálise e Gênero, narrativas feministas e queer no Brasil e na Argentina. Curitiba: Editora Caligraphie, 2018.

KEHL, Maria Rita. Deslocamentos do Feminino. Rio de Janeiro: Editora Imago. 2007.

xxxxxxxxx. Feminismo, psicanálise, gênero: viagens e traduções. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 18(1): 288, janeiro-abril. (2010a). Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/SVz6FgncwfZmZPLbhXdNDVt/?lang=pt. Acesso em 20/08/2021.

xxxxxxxxx. A Psicanálise nas ondas dos Feminismos. In: RIAL, Carmen.S; PEDRO, Joana. M.; AREND, Sílvia. M. F (Orgs.) Diversidades: Dimensões de gênero e sexualidade. Florianópolis: Editora Mulheres, 2010. p. 269-286. (2010b). Disponível em file:///C:/Users/Rosa/Downloads/diversidades.pdf. Acesso em 16/11/2020.

LACAN, Jacques. O seminário, Livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985. (Seminário ministrado em 1972-73).

LACAN, Jacques. Seminário RSI. In J. Lacan, Ornicar (pp.1-70). (Originalmente publicado em 1974-1975), Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1976.

MEZAN, Renato. Interfaces da psicanálise. São Paulo: Editora Blucher, 2019.

MITCHELL, Juliet. Psicanálise e feminismo. Freud, Reich, Laing e mulheres. Belo Horizonte: Interlivros, 1979.

MOREIRA, Maíra. O feminismo é feminino? A inexistência da mulher e a subversão da identidade. Editora Anablume. 2019

PORCHAT, Patricia; BUTLER, Judith. Conversando sobre psicanálise: entrevista com Judith Butler. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 18(1): 288, janeiro-abril/ 2010 Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/L8vVC5NzQ5n5gQz9WbY9WHk/?lang=pt. Acesso em 08/04/2019.

PORCHAT, Patrícia. Psicanálise, gênero e singularidade. Revista Faac, Bauru, v. 2, n. 2, p. 195-202, out. 2012/mar. 2013. Disponível em: https://www3.faac.unesp.br/revistafaac/index.php/revista/article/view/135. Acesso em 10/05/2021.

PORCHAT, Patrícia ; FRANÇOIA, Carla; CORSETTO, Patrizia. Psicanálise e Gênero, narrativas feministas e queer no Brasil e na Argentina. Curitiba: Editora Caligraphie, 2018.

PORCHAT, Patrícia. Transmitindo questões de gênero. In: TAPERMAN, Daniela; GARRAFA, Tais; IACONELLI, Vera. (Org). Gênero. 1ed. Belo Horizonte:Editora Autêntica - Coleção Parentalidade e Psicanálise. 2020.

RIBEIRO, Djamila. As diversas ondas do feminismo acadêmico. In: RIBEIRO, Djamila. (Org) Quem tem medo do feminismo negro? P. 44- 48. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ROSA, Miriam Debieux. A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Rev. Mal-Estar e Subjetividades. Fortaleza, v. 4, n. 2, p. 329-348, set. 2004. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rmes/article/view/1509. Acesso em 08 nov. 2021.

ROSA Miriam Debieux.; DOMINGUES, Eliane. O método na pesquisa psicanalítica de fenômenos sociais e políticos: a utilização da entrevista e da observação. Psicologia& Sociedade; 22(1), 180-188. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/yKGKsrdH3QvCNdYkTkPqpfP/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 04/05/2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.) Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

Downloads

Publicado

2023-07-18

Como Citar

FERNANDES GUEDES, M.; COELHO DE SOUZA LAGO, M.; DE SOUZA, M. MOVIMENTOS FEMINISTAS E TEORIA PSICANALÍTICA: RESSONÂNCIAS NA PRÁTICA DE PSICANALISTAS MULHERES. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.47004. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/47004. Acesso em: 25 fev. 2024.