“TÁ ESTRESSANTE DEMAIS”

impacto da pandemia do Coronavírus na vida das mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i1.46984

Palavras-chave:

Mulheres, Quarentena, Rotina familiar

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar a percepção de mulheres mães sobre as mudanças ocorridas em sua rotina no período de pandemia do Coronavírus. A coleta de dados se deu por meio de um questionário online composto por perguntas objetivas e descritivas disponibilizado nas redes sociais respondido por 174 mulheres, destas, 160 mães. Os resultados apontam para o aumento da carga de trabalho doméstico, o abandono do trabalho remunerado em prol do dia-a-dia familiar e sentimento de culpa, por avaliar não conseguir realizar todas as atividades como deveria, principalmente perante a necessidade de acompanhar os/as filhos/as em aulas a distância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lindamir Salete Casagrande, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Paraná

Gênero e ciências; Gênero e educação; mulheres nas ciências; diversidade sexual; gênero e diversidade; divisão sexual do trabalho; Hiostória das mulheres.

Tânia Gracieli Vega Incerti, UFTPR

Doutoranda em Tecnologia e Sociedade (UTFPR). Mestra em Tecnologia e Sociedade pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Especialista em Gestão de Políticas, Programas e Projetos Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná e em Serviço Social: Direitos e Competências pela Universidade de Brasilia. Graduada em Serviço Social pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2003). Atualmente é assistente social do Instituto Federal do Paraná e Pesquisadora do Núcleo de Gênero e Tecnologia- GETEC/UTFPR

Lucas Bueno de Freitas, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutor em Tecnologia e Sociedade, pelo Programa de Pós-Graduação em Tecnologia (PPGTE) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Mestre em Tecnologia, pelo PPGTE/UTFPR, Especialista em Tecnologias e Educação a Distância pelas Faculdades Dom Bosco e Graduado em Pedagogia pela Universidade Estácio de Sá e em Comunicação Institucional, pela UTFPR. Docente servidor público do Município de São José dos Pinhais - PR. Atua na áreas: (a) Gênero, (b) Ciência e Tecnologia e (c) Educação.

Referências

ARONOVICH, Lola. Não quero ser e nem me pareço com um homem. Disponível em: <http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2017/04/nao-quero-ser-e-nem-me-pareco-com-um.html>. Acesso em: 06 de novembro de 2018.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BRUSCHINI, Cristina. Gênero e trabalho no Brasil: novas conquistas ou persistência da discriminação? (Brasil, 1985/95). In.: ROCHA, Maria Isabel Baltar. (Org.) Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. Campinas: ABEP, NEPO/UNICAMP e CEDERPLAR/UFMG. São Paulo: Ed. 34, 2000. p. 13-58.

CASTELLS, Manuel. La era de la información. Volumen III: El poder de la identidad. Cidade do México: Siglo XXI Editores, 2000.

DEL PRIORE, Mary. Histórias e conversas de mulher. São Paulo: Planeta, 2014.

D’INCAO, Maria Angelo. Mulher e Família Burguesa. In.: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. p. 223-240.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a bruxa. Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

FELIPE, Jane. Conversando sobre: Violência contra crianças em tempos de pandemia. Curitiba, 12 de agosto de 2020. Instagram: @lindamirsalete. Disponível em: @lindamirsalete. Acesso em: 07/09/2020.

FERNÁNDEZ, Alicia. A Mulher Escondida na Professora. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1994.

FONSECA, Tânia Maria Galli. Utilizando Bourdieu para uma análise das formas (in)sustentáveis de ser homem e mulher. In.: STREY, Marlene Neves; MATTOS, Flora; FENSTERSEIFER, Gilda; WERBA, Graziela (Org.). Construções e perspectivas em gênero. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2000. p. 19-32.

FREITAS, Lucas Bueno de. “É que pra mim vocês são invisíveis”: relações de gênero em aulas de ciências do ensino fundamental. 2019. 171 f. Tese (Doutorado em Tecnologia e Sociedade) – Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, 2019.

HIRATA, Helena e KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set/dez. 2007.

LIMA, Betina Stefanello. O labirinto de cristal: as trajetórias das cientistas na Física. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 85-105, p. 883-903, set./dez. 2013.

PINSKY, Carla Bassanezi. Mulheres dos Anos Dourados. História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. p. 607-639.

RAGO, Luzia Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar, BRASIL 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

ROSENBERG, Fúlvia. Mulheres educadas e educação para as mulheres. In.: PINSKY, Carla. e PEDRO, Joana Maria. (org.) Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. p. 333-360.

THOMPSON, Denise. Radical Feminism Today. Great Britain: SAGE Publications, 2001.

VIVAS, Esther. Mamá desobediente: Una mirada feminista a la maternidad. (ENSAYO) (Spanish Edition) . Capitán Swing Libros. 2019, 2 Ed. Edição do Kindle. Não paginado.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

CASAGRANDE, L.; VEGA INCERTI, T. G.; BUENO DE FREITAS, L. . “TÁ ESTRESSANTE DEMAIS”: impacto da pandemia do Coronavírus na vida das mulheres. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i1.46984. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/46984. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos