A BRANQUITUDE E SEUS PRIVILEGIOS NO BRASIL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA NO CONTEXTO PANDÊMICO QUE VIVEMOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i1.45573

Resumo

A branquitude e seus privilégios está correlacionada a relações Inter-raciais, gênero e posição social. Este artigo tem como objetivo refletir de que forma estes privilégios influenciam no aprofundamento das desigualdades de gênero, classe e raça, sobretudo no contexto de emergência de saúde, ocasionada pela pandemia em curso. O argumento central para esta reflexão surge a partir de uma entrevista realizada no âmbito de outras 30 entrevistas, feitas com mulheres trabalhadoras rurais do Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais do Nordeste. As entrevistas foram realizadas através do aplicativo GOOGLE MEET, respeitando o distanciamento social necessário, devido a emergência em saúde pública ocasionada pela pandemia provocada pelo Sars-Cov-2. Enfatiza-se a importância de se estudar a branquitude, através de uma concepção crítica buscando a emancipação e desconstrução das relações raciais, de modo que o combate ao preconceito e discriminações seja centrais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

CLAUDIA SUELY BARRETO FERREIRA, UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB

Docente da UNEB - Curso de Graduação em Enfeermagem

 

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Especializada à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e de Urgência. Protocolo de manejo clínico da Covid-19 na Atenção Especializada. 1. ed. rev. – Brasília : 2020. 48 p.

CAMPOS, Luiz Augusto. Racismo em três dimensões: Uma abordagem realista-crítica. Revista Brasileira de Ciências sociais - vol. 32 n° 95. 2017.Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/8YsCLH9MsCZ3dPWC47JLmFd/?lang=pt&format=pdf. Acesso em 26/06/2021

CARONE, Iray ; BENTO, Maria Aparecida da Silva (Organizadoras). Branqueamento e branquitude no Brasil. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002, p. 25-58

CARDOSO, Cláudia PonsAmefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas [online]. 2014, v. 22, n. 3, pp. 965-986. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300015. Acesso em 30/06/21

CARDOSO, Lourenço. Branquitude acrítica e crítica: a supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latino americana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud Vol. 8 no. 1 ene-jun 2010. P.607-630 Disponível em: http://www.umanizales.edu.co/revistacinde/index.htm. Acesso em: 13/06/21

CÉNAT JM. The vulnerability of low-and middle-income countries facing the COVID-19 pandemic: The case of Haiti. Travel Med Infect Dis [Internet]. 2020 Apr [cited 2020 Apr 25];101684. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1477 893920301526

COURANT, Ansel Joseph. Conscientização branca em espaços de capoeira: Percepções de privilégio entre brancos que convivem com negros. Dissertação para o curso de Mestrado no Programa de Pós-graduação em Estudos Étnicos e Africanos - Pós-Afro, da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, da Universidade Federal da Bahia. 2018. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/28602. Acesso em: 20/06/21

DEVULSKY, Alessandra. Colorismo. Feminismos plurais. Djamila Ribeiro org. Editora Jandaíra. São Paulo. 2021, 208 p.

EURICO, Márcia; GONÇALVES, Renata; FORNAZIER, Tales. Racismo e novo pacto da branquitude em tempos de pandemia: desafios para o Serviço Social. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 140, p. 84-100, jan./abr. 2021

ESTRELA, Fernanda Matheus, et al. Pandemia da Covid 19: refletindo as vulnerabilidades a luz do gênero, raça e classe. Ciência & Saúde Coletiva, 25(9):3431-3436, 2020.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Eletrônico Aurélio Século XXI. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira e Lexikon Informática, 1999.

GUIMARAES, Antônio Sérgio Alfredo. Como trabalhar com "raça" em sociologia. Educação e Pesquisa. São Paulo, v.29, n.1, p. 93-107, jan./jun. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/DYxSGJgkwVyFJ8jfT8wxWxC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 23/06/2021

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD contínua – População por cor ou raça. 2019. Brasília: [s.n.], 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101707_informativo.pdf. Acesso em: 30/06/2021

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e estatística Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil. 41ª ed. Brasília: Estudos e Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica; 2018. Available from: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf Acesso em: 23/07/2021

IPEA.Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública (org.). Atlas da violência. 2020. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: IPEA; FBSP, 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=36488&Itemid=432. Acesso em 30/06/2021

LABORNE, Ana Amélia de Paula. Branquitude em foco: análises sobre a construção da identidade branca de intelectuais no Brasil. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação Conhecimento e Inclusão Social da Faculdade de Educação da UFMG. MG 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-9TDHHV. Acesso em 26/06/21

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas. v. 22, n. 3 (2014), p. 935-952. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755/28577. Acesso em 30/06/21.

MOLYNEUX, M, Mobilization without Emancipation? Women's Interests, the State, and. Revolution, Feminist Studies, 1985.

OSÓRIO, R. G. Texto para discussão n.996. O sistema classificatório de “cor ou raça” do IBGE. ISSN 1415-4765. Governo Federal. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto de Pesquisa Aplicada - Ipea, nov. 2003. Disponível em: http://www.clam.org.br/bibliotecadigital/uploads/publicacoes/1104_781_osorio.pdf. Acesso em: 30/06/21

PIZA, Edith. Porta de vidro:entrada para branquitude. In: CARONE, Iray e BENTO, Maria Aparecida da Silva (org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad y modernidad/racionalidade. Perú Indígena, Lima, v.12, n.29, p.11-20, 1992

RAMOS, Alberto Guerreiro. O problema do negro na sociologia brasileira. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995[1957].

SANTOS, Márcia Pereira Alves dos, et al. População negra e Covid-19: reflexões sobre racismo e saúde. Estudos Avançados [online]. 2020, v. 34, n. 99 . p. 225-244. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.014. Acesso em 29/06/21

SCHUCMAN, Lia VainerSim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. Psicologia & Sociedade [online]. 2014, v. 26, n. 1 p. 83-94. Disponível em:https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100010. Acesso em 30/06/21

SILVA, Daniel Neves. "Dia das Mães"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-das-maes.htm. Acesso em 30 de junho de 2021.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca no Brasil. In: WARE, Vron (org.) Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004. p. 363-386

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

FERREIRA, C. S. B.; LINHARES, T. P. S. A BRANQUITUDE E SEUS PRIVILEGIOS NO BRASIL: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA NO CONTEXTO PANDÊMICO QUE VIVEMOS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i1.45573. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/45573. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos