MULHERES GORDAS NA PANDEMIA: gordofobia, (re)existências e ativismo gordo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i1.45222

Resumo

Resumo: Discutimos as inter-relações entre gordofobia, (re)existências e ativismo gordo, no que concerne às experiências de mulheres gordas durante a pandemia do novo coronavírus, tendo por diretriz relatos públicos postados no perfil @malijimenez, no Instagram. Para tanto, importam também as nossas experiências como mulheres gordas, numa perspectiva autoetnográfica, em diálogo com o aporte teórico-crítico que evidencia o campo dos estudos do corpo gordo, o movimento decolonial, o ativismo gordo e o feminismo decolonial em diálogo com o feminismo gordo. Objetivamos, nesse sentido, discutir de que modo a pandemia do novo coronavírus evidenciou a gordofobia no Brasil, ao tempo em que a exacerbou, bem como de quais formas têm se dado a atuação do ativismo de mulheres gordas nesse processo de enfrentamento ao preconceito. Realizamos, nesse sentido, um estudo autoetnográfico, de base qualitativa e de revisão bibliográfica, pautado em relatos pessoais de mulheres gordas publicados no perfil  @malijimenez – direcionado ao ativismo gordo, no Instagram. Observamos que, apesar da gordofobia ter se intensificado na pandemia, muitas mulheres gordas construíram ferramentas de subversão e (re)existência.

 

Palavras-chave: Gordofobia. Covid-19. Estudos do corpo gordo. Feminismo gordo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leila Cunha Raposo, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Mulher, gorda e feminista. Um corpo decolonial em território de saberes e poderes colonizados. Pesquisadora, doutoranda (PPGL/UESC), mestra em Letras. Bolsista Fapesb (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia), num país que desvaloriza a educação, a ciência e as artes. Tema de interesse: literatura e corpo gordo. Integrante do Grupo de Pesquisa Estudos em Línguas e Literaturas Estrangeiras (CNPq/UESC) e do Grupo de Estudos Transdisciplinares sobre o Corpo Gordo – Pesquisa Gorda. 

Maria Luisa Jimenez Jimenez, Pesquisa GORDA – Grupo de Estudos transdisciplinares das corporalidades gordas no Brasil.

Filósofa, Mestre e Doutora em Estudos de Cultura Contemporânea, pela Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT. Artivista, defendeu a tese intitulada “lute como uma gorda: gordofobia, resistências e ativismos” que foi lançada como livro em 2020. Propõe uma FILOSOFIA GORDA, dentro de uma proposta de mudança de paradigma sobre corporalidades dissidentes, e revisão epistemológica sobre o discurso soberano de saúde, em uma perspectiva das corporalidades gordas.

Referências

ARRUDA, Agnes de Souza. O peso e a mídia: uma autoetnografia da gordofobia sob o olhar da complexidade. 2019. 116 p. Tese [Doutorado]. Programa de Pós-Graduação em Comunicação. Universidade Paulista – UNIP. São Paulo – SP, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano nacional de operacionalização da vacinação contra a Covid-19. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis. Coordenação-Geral do Programa Nacional de Imunizações. 7 ed. Brasília – DF: Ministério da Saúde, 2021. Disponível em: https://abre.ai/cRBJ. Acesso em: 13 jun. 2021.

CALVA, Silvia M. Bérnard (Org). Autoetnografia: Una metodología cualitativa. México: Universidad Autónoma de Aguascalientes, 2019.

CASTILLO, constanzx alvarez. La cerda punk: ensayos desde un feminismo gordo, lésbiko, antikapitalista y antiespecista. Valparaíso, Trío Editorial: 2014.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Painel Conass: Covid-19. Conass, 27 jun. 2021. Disponível em: https://abre.ai/cWt9. Acesso em: 28 jun. 2021.

EBC. Empresa Brasileira de Comunicações. Agência Brasil. Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano. Agência Brasil. 26 fev. 2021. Disponível em: https://abre.ai/cKEu. Acesso em: 21 mai. 2021.

FISCHLER, Claude. Obeso benigno, obeso maligno. In: SANT’ANNA, D. B. (Org.) Políticas do corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Estação Liberdade, 1995, p. 69-80.

FLORES, Valéria. Prólogo. In: CASTILLO, constanzx alvarez. La cerda punk: ensayos desde un feminismo gordo, lésbiko, antikapitalista y antiespecista. Valparaíso, Trío Editorial: 2014. p. 10-15.

FORATO, Fidel. Quais são as principais variantes do coronavírus no Brasil? Canal Tech: ciência e saúde, 31 mar. 2021. Disponível em: https://abre.ai/cKD1. Acesso em 21 mai. 2021.

IG SAÚDE. Vacina contra Covid-19 pode não funcionar em pessoas obesas. IG Saúde. 07 ago. 2020. Disponível em: https://abre.ai/cRBo. Acesso em: 12 jun. 2021.

JIMENEZ-JIMENEZ, Maria Luisa. Gordofobia: injustiça epistemológica sobre corpos gordos. Revista Epistemologias do Sul, UNILA, v.4, 2020b.

JIMENEZ-JIMENEZ, Maria Luisa. Lute como uma gorda: gordofobia, resistências e ativismos. 237 p. 2020. Tese [Doutorado]. Faculdade de Comunicação e Artes. Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, 2020a.

LIPOVETSKY, Gilles. Da leveza: rumo a uma civilização sem peso. São Paulo: Manoele, 2016.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Trad. Juan Ricardo Aparicio e Mario Blaser. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, set.-dez./2014, p. 935-952.

MATTOS, Rafael. Sobrevivendo ao estigma da gordura. São Paulo: Vetor, 2012.

MENESES, Maria Paula; BIDASECA, Karina. Introdução: As Epistemologias do Sul como expressão de lutas epistemológicas e ontológicas. In: Epistemologias do Sul. Buenos Aires: CLACSO/Coimbra: CES, novembro de 2018. pPp 11-24.

NECHAR, Patrícia Assuf. Diversidade de Corpos: a ascensão do corpo gordo através das artes, redes sociais e o movimento Plus Size. In: INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Joinville – SC, 2018. Anais eletrônicos. Joinville – SC: Intercom, 2018. p. 1-15. Disponível em: https://abre.ai/cRBB. Acesso em: 12 jun. 2021.

POULAIN, Jean-Pierre. Sociologia da obesidade. São Paulo: Senac, 2013.

RAPOSO, Leila Cunha. Antigordofobia em perspectiva decolonial. Observatório das resistências plurais. 17 nov. 2020. Disponível em: https://abre.ai/cRBl. Acesso em: 12 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

RAPOSO, L. C.; JIMENEZ JIMENEZ, M. L. MULHERES GORDAS NA PANDEMIA: gordofobia, (re)existências e ativismo gordo. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i1.45222. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/45222. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos