DESPROTEGIDAS E SILENCIADAS: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES EM TEMPOS DE ISOLAMENTO SOCIAL E PANDEMIA COVID-19

Autores

  • Tamires Aparecida Batista de Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • Maria Helena Santana Cruz Universidade Federal de Sergipe https://orcid.org/0000-0002-7794-278X

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i1.45117

Resumo

A dominação masculina pode ser pensada como um fenômeno que se molda à ordem simbólica do mundo social. Assim, a violência contra a mulher é uma realidade enraizada na estrutura da sociedade e na tradição cultural, reflexo de um longo período de desigualdade de gênero que permeia a organização social, a dinâmica econômica e as relações de poder. A partir da análise da estrutura patriarcal que rege essas relações e da dominação do masculino sobre o feminino, este artigo busca investigar o papel das políticas públicas no enfrentamento e prevenção da violência doméstica; entender a estrutura de ordem masculina que cria as condições de dominação; e analisar a ocorrência de violência doméstica no Brasil. A pesquisa é bibliográfica, de natureza qualitativa, levanta reflexões acerca da violência, dialogando com conceitos centrais de violência doméstica e de violência simbólica cunhado por Pierre Bourdieu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamires Aparecida Batista de Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (PPGED-UFS/SE), na área: Educação, Comunicação e Diversidade. Inserida na linha de pesquisa: Educação e Comunicação. É integrante do Grupo de Pesquisa sobre Educação, Formação, Processo de Trabalho e Relações de Gênero (PPGED/UFS/CNPQ) coordenado pela Profa. Dra. Maria Helena Santana Cruz, professora Emérita da Universidade Federal de Sergipe

Maria Helena Santana Cruz, Universidade Federal de Sergipe

Doutora e Mestra em Educação pela Universidade Federal da Bahia; Professora permanente dos Programa de Pós-graduação em Educação e Serviço Social da Universidade Federal de Sergipe. Coordena o Grupo de Pesquisa certificado pelo CNPq: “Educação, Formação, Processo de Trabalho e Relações de Gênero” (PPGED/UFS).

Referências

ALENCAR, J.; STUKER, P.; Tokarski, C.; ALVES, I.; ANDRADE, K. Políticas públicas e violência baseada no gênero durante a pandemia da Covid-19: ações presentes, ausentes e recomendadas. Brasília; IPEA; jun. 2020. (Nota Técnica / IPEA. Disoc, 78). Disponível em: <https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/200624_nt_disoc_78.pdf>. Acesso em 10 jun. 2021.

AOS 13 ANOS, Lei Maria da Penha ainda enfrenta obstáculos à plena efetividade. In: Instituto Brasileiro de Direito de Família - IBDFAM. Assessoria de Comunicação, 2019. Disponível em: < https://ibdfam.org.br/noticias/7019/ Aos+13+anos,+Lei+Maria+ da+ Penha+ainda+enfrenta+obst%c3%a1culos+%c3%a0+plena+efetividade>. Acesso em 01 jun. 2021.

BANDEIRA, L.; BATISTA, A. S. Preconceito e discriminação como expressões de violência. Revista Estudos Feministas, vol. 10, n. 1. Florianópolis, 2002. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100007>. Acesso em: 02 jun. 2021.

BARBOSA, T. R.; VALVERDE, T. de S. O enfrentamento à violência doméstica contra a mulher no contexto de pandemia. 2020. Disponível em: < http://ri.ucsal.br:8080/jspui/

bitstream/prefix/2729/1/TCCTHAYNABARBOSA.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2021.

BONAVIDES, S. S. G.; BAZZO, M. S. A importância do artigo 26, III, da lei Maria da Penha no enfrentamento à violência de gênero. 2017. Disponível em:. Acesso em 01 jun. 2021.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BRASIL. [Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1998.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal... da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União. - Seção 1; 8/8/2006, p. 1. Brasília, DF, 8 ago. 2006.

BRASIL. Secretaria de Políticas para as Mulheres - Presidência da República. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2021.

BRASIL. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. Ministério Público Federal. Lei Maria da Penha & direitos da mulher. Cartilha. 2013. Disponível em: <http://pfdc.pgr. mpf.mp.br/atuacao-e-conteudos-de-apoio/publicacoes/mulher/cartilha-maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpf. Acesso em: 02 jun. 2021.

BRASIL. Nos 14 anos da Lei Maria da Penha, senadoras pedem ações e mais educação. Senado Federal. Senado Notícias. Anderson Vieira, 07 ago. 2020. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/08/07/nos-14-anos-da-lei-maria-da-penha-senadoras-pedem-acoes-e-mais-educacao#:~:text=Nesta%20sexta%2Dfeira%20 (7),avan%C3%A7ada%20em%20rela%C3%A7%C3%A3o%20ao%20tema. Acesso em: 09 jun. 2021.

BRAVO, R. Pobreza por razones de género: Precisando conceptos. Género y pobreza. Nuevas dimensiones. In: ARRIAGADA, Irma; TORRES, Carmen (eds.), ISIS Internacional, n. 26, Ediciones de lasMujeres. Santiago de Chile, 1998.

CARNEIRO, A. A.; FRAGALL, C. K. A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada. Serv. Soc. Soc., n. 110. São Paulo, 2012. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0101-66282012000200008>. Acesso em 02 jun. 2021.

COELHO, E. B. S. et al. Políticas públicas no enfrentamento da violência. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2014.

COSTA, F. J. L. da. Estratégia, reforma do estado e políticas públicas no Brasil. Perspectivas em Políticas Públicas. Belo Horizonte, vol. II, n. 4, jul./ dez; p. 142-143. 2009.

ENNES, M. MARCON, F. Processos Identitários. Sociologias. Porto Alegre, ano 16, no 35, jan/abr 2014. http://www.scielo.br/pdf/soc/v16n35/a10v16n35.pdf.

GOMES, K. S. Violência contra a mulher e Covid-19: dupla pandemia. Revista Espaço Acadêmico, 224, set./ out. 2020.

GONÇALVES, B. Nos 16 anos da lei contra violência doméstica, Congresso reforça proteção à mulher. In: Senado Notícias. (15/06/2020). Disponível em: < https://www12.senado. leg.br/ noticias/materias/2020/06/15/nos-16-anos-da-lei-contra-violencia-domestica-congresso-reforca-protecao-a-mulher>. Acesso em: 16 jun. 2021.

HERINGER, F. R. de A. Quantas políticas públicas há no Brasil? O problema da imprecisão conceitual para a avaliação de políticas públicas Senado Federal. Instituto Legislativo Brasileiro (ILB). Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/ id/555174/ILB2018_HERINGER.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 01 jun. 2021.

KIPNIS, B. J. Mulheres em situação de vulnerabilidade social: contextos, construção simbólica e políticas públicas. Fundação Getúlio Vargas. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. São Paulo, 2015. Disponível em https://pesquisa-eaesp.fgv.br/ sites/ gvpesquisa.fgv.br/files/publicacoes/betriz_kipnis_mulheres_em_situacao_de_vulnerabilidade_social_contextos_construcao_simbolica_e_politicas_publicas.pdf. Acesso em 30 mai. 2021.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação – Uma perspectiva pós-estruturalista. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

MACEDO, A. R. Lei Maria da Penha enfrenta dificuldades para ser cumprida integralmente. In: Câmara dos Deputados. Agência Câmara de Notícias. 26/08/2013. Disponível em: <https://www.camara.leg.br/noticias/412750-lei-maria-da-penha-enfrenta-dificuldades-para-ser-cumprida-integralmente/>. Acesso em 02 jun. 2021.

MELO, M. A. Estado, governo e políticas públicas. In: MICELI, S. (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995), vol. 3, Ciência política, São Paulo/Brasília, Sumaré, Anpocs/Capes, 1999.

MURRAY, D. A loucura das massas. Gênero, Raça e Identidade. Record, 2021.

OLIVEIRA, F. As conquistas do movimento feminista brasileiro. [Entrevista cedida a] Rafael Ciscati, 06 de março de 2020. In: Brasil de Direitos. Disponível em:

PEDONE, L. Formulação, implementação e avaliação de políticas públicas. Fundação Centro de Formação do Servidor Público (FUNCEP). Brasília, 1986. Disponível em: <http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/2982>. Acesso em: 01 jun. 2021.

RAIHER, A. P. Condição de Pobreza e a Vulnerabilidade da Mulher Brasileira. Informe Gepec, Toledo, v. 20, n. 1, jan./ jun. 2016. Disponível em: <http://e-revista.unioeste.br/ index.php/gepec/article/viewFile/13531/10017>. Acesso em 02 jun. 2021.

RODRIGUES, Alex. Denúncias apontam escalada da violência contra mulheres no país. In: Agência Brasil. 2020. Disponível em https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-05/denuncias-apontam-para-escalada-da-violencia-contra-mulheres-no. Acesso em: 10 jun. 2021.

RUA, M. das G. Políticas públicas. 3. ed. Rev. atua. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/ UFSC. Brasília: CAPES: UAB, 2014. Disponível em: < https://educapes. capes. gov.br/bitstream/capes/145407/1/PNAP%20-%20Modulo%20Basico%20-%20GPM %20-%20Politicas%20Publicas.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2021.

SAFFIOTI, H. I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Dossiê: Feminismo em questão, questões do feminismo. Cad. Pagu, n. 16. Campinas, 2001. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332001000100007>. Acesso em: 01 jun. 2021.

SANTOS, C. M.; IZUMINO, W. P. Violência contra as mulheres e violência de gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil. E.I.A.L., vol. 16, n. 1, 2005. Disponível em: < https:// dialnet. .es/descarga/articulo/4004126.pdf. Acesso em: 02 maio 2021.

SANTOS, L. S. A. et. al. Impactos da pandemia de COVID-19 na violência contra a mulher: reflexões a partir da teoria da motivação humana de Abraham Maslow. 2020. Disponível em: <https://preprints.scielo.org › preprint › download>. Acesso em: 02 jun. 2021.

SARDENBERG, C. M. B. A violência simbólica de gênero e a lei “antibaixaria” na Bahia. 2011. In: Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares, Gêneros e Feminismo. UFBA. Salvador, 2011.

SCHNAITH, N. O fundo da imagem na questão feminina. Encontros com a civilização brasileira. v. 26. Número especial: Mulher Hoje. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980, p. 97- 104.

SCOTT, J. W. O enigma da igualdade. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 13, n. 1, abr. 2005. http://www.culturaegenero.com.br/download/scott.pdf.

VIEIRA, P. R.; GARCIA, L. P.; MACIEL, E. L. N. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Rev. Bras. Epidemiol., 23, 2020: E200033.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

OLIVEIRA, T. A. B. de; CRUZ, M. H. S. . DESPROTEGIDAS E SILENCIADAS: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA AS MULHERES EM TEMPOS DE ISOLAMENTO SOCIAL E PANDEMIA COVID-19. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i1.45117. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/45117. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos