EXPERIMENTAÇÕES DE UMA CLÍNICA FEMINISTA NA PERSPECTIVA INTERSECCIONAL: EFEITOS DE UMA NOMEAÇÃO

Autores

  • Simone Mainieri Paulon PPG de Psicologia Social UFRGS https://orcid.org/0000-0002-0387-1595 https://orcid.org/0000-0002-0387-1595
  • Marília Cunda Spinelli Jacoby Equipe Técnica da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS. https://orcid.org/0000-0003-3645-9545 https://orcid.org/0000-0003-3645-9545
  • Maíra Freitas Barbosa Centro de Referência para Mulheres em Situação de Violência Patrícia Esber em Canoas / RS http://orcid.org/0000-0002-1475-5135 https://orcid.org/0000-0002-1475-5135
  • Camila Maggi Rech Noguez Equipe Técnica da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS. https://orcid.org/0000-0002-9587-1145
  • Itauane de Oliveira mestrado PPG Psicoloiga Social UFRGS e equipe programa Clínica Feminista na perspectiva da Interseccionalidade UFRGS http://orcid.org/0000-0002-6519-581X https://orcid.org/0000-0002-6519-581X
  • Thais Gomes de Oliveira. mestrado no PPG Psicologia Social e Institucional e Programa de Extensão Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. https://orcid.org/0000-0002-0126-1988

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.45016

Resumo

O presente artigo objetiva problematizar os efeitos da nomeação do programa de extensão universitária “Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade”. Colocando em questão o nome e sobrenome do programa, o artigo traz uma reflexão acerca do que seria uma clínica dita feminista, atentando para a não universalização da categoria ‘mulher’, ancorado em uma perspectiva descolonial. Nesta direção, o conceito de interseccionalidade é fundamental à leitura da conexão entre distintas estruturas de opressão na escuta das mulheres em situação de violência de gênero. Já o vocábulo Clínica alude ao arranjo grupal do qual temos nos valido e aponta as possibilidades de acionar o caráter coletivo dos processos de subjetivação. Desse modo, buscamos afirmar uma prática clínica entendida como necessariamente política, na medida em que comprometida com a desconstrução das opressões limitantes – impostas pelo nosso tempo – às possibilidades de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone Mainieri Paulon, PPG de Psicologia Social UFRGS https://orcid.org/0000-0002-0387-1595

Psicóloga, Mestre em Educação (UFRGS), Dra em Psicologia Clínica (PUCSP), Pós-Doutora em Psicologia (UFRN/UNIBO). Professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, onde é coordenadora do Programa de Extensão “Clínica Feminista na Perspectiva Interseccional”, do PPG de Psicologia Social, e do Grupo INTERVIRES - Pesquisa-Intervenção em Políticas Públicas, Saúde Mental e Cuidado em Rede

Marília Cunda Spinelli Jacoby, Equipe Técnica da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS. https://orcid.org/0000-0003-3645-9545

Psicóloga. Especialista em Atendimento Clínico – Psicanálise e Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Coordenadora Adjunta do Projeto de Extensão “Clínica Feminista na Perspectiva Interseccional” e Psicóloga da Equipe Técnica da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS.

Maíra Freitas Barbosa, Centro de Referência para Mulheres em Situação de Violência Patrícia Esber em Canoas / RS http://orcid.org/0000-0002-1475-5135

Psicóloga e Especialista em Saúde Pública/Sanitarista pela Escola de Saúde Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Integrante do projeto de extensão Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

Camila Maggi Rech Noguez, Equipe Técnica da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS. https://orcid.org/0000-0002-9587-1145

Psicóloga. Especialista em Saúde Coletiva pela Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul. Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Integrante do Projeto de Extensão Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade da UFRGS. Psicóloga da Equipe Técnica da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS. 


Itauane de Oliveira, mestrado PPG Psicoloiga Social UFRGS e equipe programa Clínica Feminista na perspectiva da Interseccionalidade UFRGS http://orcid.org/0000-0002-6519-581X

Psicóloga. Especialista em Saúde Mental pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos. Mestranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Integrante do Programa de Extensão Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade da UFRGS.

 

Thais Gomes de Oliveira., mestrado no PPG Psicologia Social e Institucional e Programa de Extensão Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. https://orcid.org/0000-0002-0126-1988

Psicóloga. Mestranda no PPG Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Integrante do Projeto de Extensão Clínica Feminista na Perspectiva da Interseccionalidade da UFRGS. 

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Rev. Est. Fem, v. 8, n. 1, pp. 229-236, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106. Acesso em 04 jun. 2021

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas Tradução de Liane Schneider. P. 177-188, Ano 10, 1/2002.

FERENCZI, Sandor. Análises de crianças com adultos. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 69-83. (Obras completas Sándor Ferenczi, 4). (Original em 1931).

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Nota Técnica Violência Doméstica durante a Pandemia de COVID-19, 16 de abril de 2020. Forum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com Decode. Disponível em: http://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-v3.pdf . Acesso em Abr 2021.

GONDAR, Jô. A clínica como prática política. Lugar Comum, v. 1, n. 19, pp. 125-134, 2004. Disponível em: http://uninomade.net/wp-content/files_mf/113003120800A%20cl%C3%83%C2%ADnica%20como%20pr%C3%83%C2%A1tica%20pol%C3%83%C2%ADtica%20-%20J%C3%83%C2%B4%20Gondar.pdf. Acesso em 04 jun. 2021.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino americano. In: Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. (Org.) RIOS, Flavia; LIMA, Marcia. Rio de Janeiro: Zahar, 2020. [Texto Original 1988]

HOOKS, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; 2019.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática libertária. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes; 2017.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Rev. Est. Fem. v. 22, n. 3, pp. 935-952, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755/28577. Acesso em 04 jun. 2021.

MONCEAU, G. Implicação, Sobreimplicação e Implicação Profissional. Fractal: Revista de Psicologia. v.20, n.1. 2008. Disponível em https://doi.org/10.1590/S1984-02922008000100007 Acesso em 04 jun. 2021.

PARADA, Tatiana Castillo. De la locura feminista al “feminismo loco”: Hacia una transformación de las políticas de género en la salud mental contemporánea. Rev. Investig. Fem. v. 10, n. 2, pp. 399-416, 2019. Disponível em: https://revistas.ucm.es/index.php/INFE/article/view/66502. Acesso em 04 jun. 2021. https://doi.org/10.5209/infe.66502

PAULON, S. M.; ROMAGNOLI, Roberta. Pesquisa-intervenção e cartografia: melindres e meandros metodológicos. Estudos e Pesquisas em Psicologia (Online), v.10, n1, pp. 85-102, 2010. Disponível em http://www.revispsi.uerj.br/v10n1/artigos/pdf/v10n1a07.pdf Acesso em 27 de jun. 2021.

PINTO, Isabela Vitral; VASCONCELOS, Nadia Machado; BORDONI, Polyana Helena Coelho; SANTOS, Ana Pereira; MALTA, Deborah Carvalho; BELIVACQUA, Paula Dias. Atuação de estados e capitais no enfrentamento à violência contra as mulheres no contexto da COVID-19 no Brasil. Rev. Feminismos, v. 9, n. 1, 2021. Disponível em: <https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42363/24682> Acesso em 26 jun. 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Estudio multipaís de la OMS sobre salud de la mujer y violencia doméstica contra la mujer : primeros resultados sobre prevalencia, eventos relativos a la salud y respuestas de las mujeres a dicha violencia : resumen del informe. Genebra, OMS, 2005. Acessível em https://assets-compromissoeatitude-ipg.sfo2.digitaloceanspaces.com/2012/08/OMS_estudiomultipais_resumendelinforme1.pdf Acesso em 12 jun. 2021.

ONU MULHERES BRASIL. Gênero e Covid-19 na América Latina e no Caribe: Dimensões de Gênero na Resposta. Março 2020. Disponível em http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2020/03/ONU-MULHERES-COVID19_LAC.pdf Acesso em 12 jun. 2021.

PRECIADO, Paul. Paul Preciado na Jornada da Escola da Causa Freudiana [Mulheres em Psicanálise]. [vídeo] [online], 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?=UEkaKjUG7fY&t=2019s. Acesso em 10 abr. 2021.

PRECIADO, Paul. Liberar o feminismo das políticas identitária [online]. [Pedrosa S Tradução]. [local desconhecido]: UniNômade Brasil; 2014. Disponível em: http://uninomade.net/tenda/liberar-o-feminismo-das-politicas-identitarias/. Acesso em 10 abr. 2021.

PRECIADO, Paul. B. Beatriz Preciado y Marianne Ponsford Hay Festival 2014. [online]. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4o13sesqsJo. Acesso em 10 abr. 2021.

ROLNIK, Suely. Esferas da Insurreição: Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n - 1 edições, 2018

ROMAGNOLI, Roberta Carvalho. Algumas reflexões acerca da clínica social. Rev. Dep. Psicol., v. 18, n.1, pp. 47-56, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rdpsi/a/6GzrsCKHBnzbB4TgMxtkkdm/?lang=pt. Acesso em 10 abr. 2021.

SILVA, Cidinha. Feminismo Negro – de onde viemos: aproximações de uma memória. [org] HOLLANDA, Heloísa Buarque. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. pp. 252-260.

SOUZA, Ângela Maria Freire de Lima; ANDRADE, Francisco Leal. Gênero e cuidado em tempos de pandemia: reflexões em perspectiva interseccional. Rev. Feminismos, V. 8, n.3, 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/39089/23917>. Acesso em 10 jun. 2021.

TRUTH, Sojourner. E não sou uma mulher? [online].[Osmundo P Tradução em 2014 jan 01]. [local desconhecido]: Portal Geledés, 1851. Disponível em: https://www.geledes.org.br/e-nao-sou-uma-mulher-sojourner-truth/. Acesso em 08 jan. 2021.

VIEIRA, Pâmela Rocha; GARCIA, Leila Posenato & MACIEL, Ethel Leonor Noia. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, p. 1-5, 2020. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbepid/a/tqcyvQhqQyjtQM3hXRywsTn/abstract/?lang=pt> Acesso em 08 jun. 2021.

ZANELLO, Valeska. Saúde Mental e Gênero: cultura e processos de subjetivação. Curitiba: Appris, 2018.

Downloads

Publicado

2023-04-02

Como Citar

PAULON, S. M.; JACOBY, M. C. S.; BARBOSA, M. F.; NOGUEZ, C. M. R.; DE OLIVEIRA, I.; DE OLIVEIRA., T. G. EXPERIMENTAÇÕES DE UMA CLÍNICA FEMINISTA NA PERSPECTIVA INTERSECCIONAL: EFEITOS DE UMA NOMEAÇÃO. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.45016. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/45016. Acesso em: 23 fev. 2024.