A PSICOLOGIA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: ARTICULAÇÕES ENTRE PSICOLOGIA SOCIAL E FEMINISMOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i1.44701

Resumo

Este artigo é fruto da discussão entre vivências do cotidiano em serviços públicos de saúde com teóricas(os) que propõem uma implicação política da Psicologia Social, as diretrizes previstas para a atuação da psicologia na Atenção Básica à Saúde (AB) e pensadoras feministas a fim de pensar práticas comprometidas com a mudança social. Esperançando novas formas de produção de conhecimento e de intervenção da Psicologia Social na AB, o presente estudo objetiva alimentar o debate sobre a dimensão ético-política da relação entre a atuação da Psicologia Social e a AB, considerando as desigualdades e marcadores sociais a partir de uma perspectiva feminista. Para finalizar será apresentada a experiência de criação do grupo de mulheres na Unidade de Saúde (US), como ferramenta de conscientização e intervenção possível para a promoção da saúde na AB.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victória Paulo Menin, Associação Cultural Beneficente Ilê Mulher

Psicóloga formada pela PUCRS (2014). Especialista em Saúde da Família e Comunidade pela Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade do Grupo Hospitalar Conceição (GHC). Atualmente é trabalhadora do Sistema Único de Assistência Social no Centro de Referência Especializado para Pessoas em Situação de Rua (Centro POP) no município de Porto Alegre.

Bruna Moraes Battistelli, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012). Especialista em Instituições em Análise pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015). Mestra em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2017) onde foi bolsista CNPQ. Doutoranda no PPG Psicologia Social e Institucional (UFRGS), onde sé bolsista CAPES.

Tiana Brum de Jesus, Grupo Hospitalar Conceição

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI 2009). Realizou Residência Integrada em Saúde (Especialização Latu Senso), do Grupo Hospitalar Conceição (GHC), com ênfase em Saúde da Família e da Comunidade (2012). Mestre em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Atualmente é assistente social do Serviço de Saúde Comunitária do GHC, compondo a equipe de NASF da Unidade de Saúde Santíssima Trindade (USST). É preceptora do Programa de Residência em Saúde da Família e Comunidade da Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) do GHC, compondo também o grupo de facilitadoras do espaço teórico de campo do Programa. 

Referências

BRASIL. Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990.

BRASIL. Nota Técnica Nº 03/2020. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (CFP). Referências Técnicas para atuação de psicólogas(os) na Atenção Básica à Saúde. CREPOP, 2019.

CURIEL, O. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. (In) Hollanda, H.B. (Org). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

DIMENSTEIN, Magda. A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Natal: Estudos de Psicologia, v. 5, n. 1, p. 95-121, 2000.

ESTÉS, C. P. Mulheres que correm com os lobos - mitos e histórias do arquétipo da Mulher Selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpos e acumulação primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Visível e invisível: A vitimização de mulheres no Brasil. Brasília: Governo Federal, 2019.

FREIRE, P. A pedagogia do oprimido. Ebook, 1986.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Ebook, 1997.

FURTADO, T. F. Porto Alegre: vila, favela, bairro¿ O que dizem as crianças. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014.

GONÇALVES, M. A. Psicologia favelada: ensaios sobre a construção de uma perspectiva popular em psicologia. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2020.

HOOKS, b. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2015.

IPEA. Atlas da violência. Brasília: Governo Federal, 2020.

MARTÍN-BARÓ, I. O papel do psicólogo. Estudos de psicologia, 2(1), 7-27, 1996.

MARTÍN-BARÓ, I. Crítica e libertação na Psicologia: estudos psicossociais. Petrópolis: Editora Vozes, 2017.

MENIN, V. P. Diário de Campo. Porto Alegre, 2019.

MENIN, V. P. Diário de Campo. Porto Alegre, 2020.

MESSEDER, S. A. A pesquisadora encarnada: uma trajetória decolonial na construção do saber científico blasfêmico. In: HOLLANDA, H.B. (org). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

OLIVEIRA, É. C. S. Uma “monstra perigosa”: Pistas de Carolina Maria de Jesus para a intervenção psicossocial. Estudos de Psicologia, 22(4), 378-388, 2017.

OLIVEIRA, É. C. S.; PEZZATO, L. M.; MENDES, R. Às margens do cuidado: regulações de gênero em uma equipe de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 28, e280208, 2018.

OLIVEIRA, É. C. S.; RODRIGUES, L.; BATTISTELLI, B. M.; & CRUZ, L. R. D. Raça e Política de Assistência Social: Produção de Conhecimento em Psicologia Social. Psicologia: Ciência e Profissão, 39 (SPE2), 2019.

PEDROSA, M.; ZANELLO, V. (In)visibilidade da violência contra as mulheres na saúde mental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32 (SPE), 2016.

RODRIGUES, L. Por um cuidado antirracista. In: Superando a situação de rua? Cuidado e atenção a populações vulnerabilizadas, 2020.

SAFFER, D. A.; BARONE, L. R. Em busca do comum: o cuidado do agente comunitário de saúde em Saúde Mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27, 813-833, 2017.

SAFFIOTI, H. Gênero e patriarcado. São Paulo: PUC-SP, 1999.

SAWAIA, B, B. O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In: As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.

STRECK, D. R.; REDIN, E.; ZITKOSKI, J. J. (Eds.). Dicionário Paulo Freire. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ZANELLO, V. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Curitiba: Editora Appris, 2020.

Downloads

Publicado

2023-04-05

Como Citar

PAULO MENIN, V.; MORAES BATTISTELLI, B.; BRUM DE JESUS, T. A PSICOLOGIA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: ARTICULAÇÕES ENTRE PSICOLOGIA SOCIAL E FEMINISMOS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 1, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i1.44701. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/44701. Acesso em: 9 dez. 2023.