EU SOU PORQUE NÓS SOMOS: APORTES SOBRE A CONSTRUÇÃO COLETIVA DAS TRAJETÓRIAS PROFISSIONAIS FEMININAS E DO CUIDADO EM SAÚDE MENTAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i2%20e%203.44609

Resumo

Neste ensaio, buscamos desvelar a produção coletiva tanto do cuidado quanto de trajetórias profissionais de mulheres no campo da saúde mental, refutando o individualismo e a meritocracia, que sustentam a referida produção. Adotamos um conjugado teórico complexo que inclui o feminismo interseccional, a psicologia social construcionista e a teoria do care associada à definição de cuidado integral da saúde coletiva. Primeiro, resgatamos brevemente histórias emblemáticas de mulheres referenciais no campo da saúde mental. Em seguida, discutimos os atravessamentos de gênero, raça e classe social envolvidos nas construções das trajetórias profissionais e produção do cuidado no referido campo. Defendemos a democratização do cuidado como alinhada tanto aos valores da reforma psiquiátrica brasileira, quanto como um caminho para a igualdade de oportunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Cerqueira Medrado, UFBA

Graduada em Psicologia pela Unifacs (2009). Tem especialização em saúde mental na modalidade de Residência Multiprofissional em Saúde pela UNEB (2015). Mestra pela Programa de Pós-Graduação em Saúde, Ambiente e Trabalho da Faculdade de Medicina da UFBA. Atualmente cursa doutorado no Programa de Pós-graduação em Psicologia da UFBA. Tem experiência em docência pela Univasf (2011-2012) e na assistência pelo SUS em Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Tem interesse pelos temas: CAPS, saúde mental, drogas, saúde coletiva, educação em saúde, residência multiprofissional, trabalho, formação em psicologia, psicologia social, gênero, feminismo.

Mônica Lima de Jesus, UFBA

Professora Associada III do Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Possui graduação em Psicologia pela UFBA (1997), Mestrado (2000) e Doutorado em Saúde Pública/Coletiva (2005) pelo Instituto de Saúde Coletiva (UFBA), Pos-doutorado em Psicologia Social pela Universidad Antónoma de Barcelona (UAB). Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Laboratório de Estudos Vinculares em Saúde Mental do IPS/UFBA e do Grupo de Pesquisa Políticas Públicas e Programas de Reestruturação da Universidade Brasileira.

Referências

BAIÃO, Juliana Jesus et al. O trabalho em saúde mental: condições de trabalho e a relação com o sofrimento dos trabalhadores. In: GOÉS, Ângela Cristina Fagundes; ARAÚJO, Patrícia Sodré; VALE, Paulo Roberto Lima (Orgs.). Atenção à saúde no SUS: reflexões sobre saúde mental e atenção básica. Salvador: EDUNEB, 2017.

BIROLI, Flávia. Cuidado e responsabilidades. In: BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

CAMPOS, Rosana Onocko; BACCARI, Ivana Preto. A intersubjetividade no cuidado à Saúde Mental: narrativas de técnicos e auxiliares de enfermagem de um Centro de Atenção Psicossocial. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 4, p. 2051–2058, 2011.

CARVALHO, Sonia Maria Marchi de; AMPARO, Pedro Henrique Mendes. Nise da Silveira: a mãe da humana-idade. Clássicos da Psicopatologia, v. IX, n. 1, p. 126–137, 2006.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Pesquisa perfil da enfermagem no Brasil: banco de dados. Brasília: FIOCRUZ/COFEN, 2013. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/>. Acesso em: 20 de junho de 2019.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Demografia médica no Brasil: dados gerais e descrições de desigualdades. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e Conselho Federal de Medicina, 2011. Disponível em: <http://www.flip3d.com.br/web/temp_site/edicao-1415db70fe9ddb119e23e9b2808cde38.pdf>. Acesso em: 20 de junho de 2019.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Demografia médica no Brasil. São Paulo: Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP; Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; Conselho Federal de Medicina, 2018. Disponível em: <http://www.flip3d.com.br/web/temp_site/edicao-97e48472142cfdd1cd5d5b5ca6831cf4.pdf>. Acesso em: 20 de junho de 2019.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. A psicologia brasileira apresentada em números. Disponível em: <http://www2.cfp.org.br/infografico/quantos-somos/>. Acesso em: 25 de junho de 2019.

DEBERT, Guita Grin. Arenas de conflito em torno do cuidado. Tempo Social, v. 26, n. 1, p. 35–45, 2014.

GERGEN, Kenneth. Realidades y relaciones: aproximaciones a la construcción social. Barcelona: Paidós, 2011.

GERGEN, Kenneth. Narrative, moral identity and historical consciousness: a Social Constructionist account (1998). Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/84a2/4510c02cf02045ebecdfa135a09e2cf68230.pdf>. Acesso em: 30 de agosto de 2017.

GEORGES, Isabel P. H.; SANTOS, Yumi Garcia dos. Olhares cruzados: relações de cuidado, classe e gênero. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1, p. 47–60, 2014.

GOULART, Maria Stella Brandão. Basaglia: a Franca. In: PORTUGAL, Francisco Teixeira; JACÓ-VILELA, Ana Maria (Orgs.). Clio-psyché: gênero, psicologia, história. Rio de Janeiro: NAU, 2012.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1, p. 61–73, 2014.

HIRATA, Helena. O trabalho de cuidado: comparando Brasil, França e Japão. SUR, v. 13, n. 24, p. 53–64, 2016.

LHULLIER, Louise; ROSLINDO, Jéssica. As psicólogas brasileiras: levantando a ponta do véu. In: LHULLIER, Louise (Org.). Quem é a psicóloga brasileira? Mulher, psicologia e trabalho. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2013.

LIMA, José. Ubuntu: “eu sou porque nós somos”. Jornal GGN, 2018. Disponível em: < https://jornalggn.com.br/noticia/ubuntu-eu-sou-porque-nos-somos-2/>. Acesso em 26 de junho de 2019.

MARCONDES, Mariana Mazzini. Transversalidade de gênero nas políticas de cuidado. Revista Feminismos, v.8, n.3, p. 176-189, 2020.

Suprimido texto da autora

Suprimido texto das autoras

MOLINIER, Pascale. Cuidado, interseccionalidade e feminismo. Tempo Social, v. 26, n. 1, p. 17–33, 2014.

PASSOS, Rachel Gouveia. Trabalho, gênero e saúde mental: contribuições para a profissionalização do cuidado femenino. São Paulo: Cortez, 2018.

PASSOS, Rachel Gouveia; PEREIRA, Melissa de Oliveira. Luta antimanicomial, feminismos e interseccionalidades: notas para o debate. In: PEREIRA, Melissa de Oliveira; PASSOS, Rachel Gouveia (Orgs.). Luta antimanicomial e feminismos: discussões de gênero, raça e classe para a reforma psiquiátrica brasileira. Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

PEREIRA, Melissa de Oliveira; BATISTA, Lucia. (2017). Mulheres Unidas: entrevista com Lucia Batista. In: PEREIRA, Melissa de Oliveira; PASSOS, Rachel Gouveia (Orgs.). Luta antimanicomial e feminismos: discussões de gênero, raça e classe para a reforma psiquiátrica brasileira. Rio de Janeiro: Autografia, 2017.

PINHEIRO, Roseni. Cuidado em saúde. In: Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz/Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2009. Disponível em: < http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/cuisau.html>. Acesso em: 10 de junho de 2019.

PRAXIS ESPECIAL. Dona Ivone Lara e o Serviço Social. Rio de Janeiro: CRESS, s/d. Disponível em: <http://www.cressrj.org.br/site/wp-content/uploads/2018/04/Dona-Ivone-Lara-Praxis-entrevista.pdf>. Acesso em: 13 de agosto de 2018.

SHOTTER, John; LOGAN, Josephine. A penetração do patriarcado: sobre a descoberta de uma voz diferente. In: GERGEN, Mary McCanney (Ed.). O pensamento feminista e a estrutura do conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos/Edunb, 1993.

SILVEIRA, Nise (Org.). Casas das Palmeiras: a emoção de lidar, uma Experiência em Psiquiatria. Rio de Janeiro: Ed. Alhambra, 1986.

SOARES, Raquel Cavalcante. Contrarreforma na política de saúde e a ênfase nas práticas assistenciais e emergenciais. In: GARCIA, Maria Lúcia Teixeira (Org.). Análise da política de saúde brasileira. Vitória: EDUFES, 2014.

SPINK, Mary Jane; FREZZA, Rose. Práticas discursivas e produção de sentido: a perspectiva da psicologia social. In: SPINK, Mary Jane. Práticas Discursivas e Produção de Sentido no Cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2013.

SPINK, Mary Jane; MEDRADO, Benedito. Produção de sentido no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, Mary Jane. Práticas Discursivas e Produção de Sentido no Cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2013.

TRONTO, Joan. Assistência democrática e democracias assistenciais. Sociedade e Estado, v. 22, n. 2, p. 285–308, 2007.

Downloads

Publicado

2022-10-17

Como Citar

CERQUEIRA MEDRADO, A. C.; LIMA DE JESUS, M. EU SOU PORQUE NÓS SOMOS: APORTES SOBRE A CONSTRUÇÃO COLETIVA DAS TRAJETÓRIAS PROFISSIONAIS FEMININAS E DO CUIDADO EM SAÚDE MENTAL. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 2 e 3, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i2 e 3.44609. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/44609. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos