VIOLÊNCIA E GÊNERO EM TEXTOS JORNALÍSTICOS

Autores

  • Maria Cristina Macedo Alencar UNIFESSPA
  • Katerine da Cruz Leal Sonoda Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.44141

Palavras-chave:

gênero; violência; violência contra mulher; masculinidades; mídia

Resumo

Objetivou-se investigar como reportagens do jornal Correio do Tocantins/Correio de Carajás contribuem para a produção de sentidos sobre masculinidades e violência contra mulher. A constituição do corpus analisado se realizou por meio de pesquisa documental com a leitura de todas as edições do jornal Correio do Tocantins publicadas no ano de 2006 e todas as edições do jornal Correio de Carajás, publicadas no ano de 2016. Verificou-se que existe um número maior de reportagens sobre violência contra a mulher publicadas nas edições do ano de 2016. São poucos os casos de violência cometidos pelas mulheres contra seus parceiros. Concluiu-se que os textos jornalísticos participam do processo de construção de significados sobre diversos fenômenos sociais, entre eles a violência. Os textos jornalísticos ao mesmo tempo produzem sentidos sobre masculinidades e contribuem para a manutenção ou modificação de ideologias em nossa sociedade sobre a violência doméstica e a violência contra a mulher.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Macedo Alencar, UNIFESSPA

Doutora em Linguística (UFSC/SC),com estadia de pesquisa no Seminário de Romanística da Universidade de Heidelberg (Alemanha). Mestre em Linguística Aplicada (UNICAMP/SP). Especialista em Leitura e Produção textual (UFPA/PA) e em Educação do campo e currículo (IFPA-CRMB/PA). Licenciada plena em Letras (UFPA). Exerce liderança compartilhada no Grupo de Estudos Interculturais das Amazônias (GEIA/CNPq/UNIFESSPA). Está em função administrativa na Coordenadoria de Apoio à Diversidade Étnico-Racial [CADER] do Núcleo de Ações Afirmativas, Diversidade e Equidade (NUADE/UNIFESSPA).Tem experiência na área de Lingüística e Lingüística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de educadores do Campo, Educação das relações étnico-raciais, Políticas linguísticas e Educação Escolar Indígena Intercultural Bilíngue.

Katerine da Cruz Leal Sonoda, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Pesquisadora e Professora Adjunta da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA). Pesquisadora colaboradora da Universidade de Brasília (UNB). Psicóloga pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ - 2009). Mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/Fiocruz - 2012), na área de concentração Violência e Saúde. Doutora em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília (UNB - 2017), com período Sanduíche na Universidad Complutense de Madrid (2015-2016), onde foi Professora Visitante. Líder do Grupo de Pesquisa "Psicanálise, trauma e enfrentamentos do desamparo", do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Integra os grupos de trabalho (GT's) da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia (ANPEPP). É membro da Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (ABEP) e da Associação Brasileira de Redução de Riscos de Desastres (ABRRD). Atua principalmente nos seguintes temas: Psicologia Clínica, Psicanálise, psicopatologia, trauma e desamparo, História de Vida, trabalho de luto e violência urbana. Mãe de um bebê dois anos e meio.

Referências

ADRIÃO, Karla Galvão. “Sobre os estudos em masculinidades no Brasil: revisitando o campo”. Cadernos de Gênero e Tecnologia, vol.1, n.3, p. 1-20. 2005.

ALONSO, A. “Métodos qualitativos de pesquisa: uma introdução”. In: ABDAL, Alexandre.; OLIVEIRA, Maria Carolina Vasconcelos; GHEZZI, Daniela Ribas; SANTOS JÚNIOR, Jaime . (Org) Métodos de pesquisa em Ciências Sociais: Bloco Qualitativo. São Paulo: Sesc / CEBRAP, 1997. p. 8-23.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.340/06 de 07 de agosto da Presidência da República. Diário Oficial da União de 08 de agosto de 2006. Acedido a 01 set. 2020. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm Acesso em 16 de setembro de 2019.

COELHO, Sandra Maria Pinheiro de Freitas; CARLOTO, Cássia Maria. “Violência doméstica, homens e masculinidades”. Revista Textos & Contextos, vol.6, n. 2, p. 395-409. 2007.

COSTA, R. G. (2002). “Mediando oposições: sobre a crítica aos estudos de masculinidades”. In: ALMEIDA, H. B. et al. (Orgs.). Gênero em matizes. São Paulo: Universidade São Francisco, 2002. p. 213-241. (Coleção Estudos CDAPH. Série História & Ciências Sociais).

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das Mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

DUNKER, Christian Ingo Lenz; PAULON, Clarice Pimental; MILÁN- RAMOS, J.Guillermo. Análise psicanalítica de discursos: perspectivas lacanianas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

LOURO, Guacira Louro. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. “Laços perigosos entre machismo e violência”. Ciência & Saúde Coletiva, vol.10, n.1, p. 18-34. 2005.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração sobre eliminação da violência contra mulher [Internet]. 48a. Sessão Ordinária da Assembleia Geral das Nações Unidas, 1993- 21 de setembro de 1993 a 19 de setembro de 1994, Nova York, EUA. Nova York: ONU. Disponível em https://popdesenvolvimento.org/publicacoes/temas/descarregar-ficheiro.html Acesso em 20 de agosto de 2019.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação & Realidade, vol. 20, n. 2, p.71-99. 1995.

Downloads

Publicado

2023-11-08

Como Citar

ALENCAR, M. C. M.; SONODA, K. da C. L. VIOLÊNCIA E GÊNERO EM TEXTOS JORNALÍSTICOS. Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i2.44141. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/44141. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos