VIOLÊNCIA CONJUGAL: POR QUE AS MULHERES PERMANECEM NESTE CONTEXTO?

Autores

  • Renata de Araújo Chamma Universidade veiga de Almeida
  • Lidianne Chiroll da Silva Araujo Universidade Veiga de Almeida
  • Thais Mendonça Esteves Universidade Veiga de Almeida
  • Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Veiga de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v11i2.44025

Resumo

A violência contra a mulher deve ser tratada como uma questão de saúde pública, visto os altos índices de violência doméstica verificados, que justificam o presente debate e as investigações. Este artigo objetiva apontar e compreender alguns dos fatores que explicam a permanência da mulher nessa posição, mesmo sofrendo diversos tipos de abusos. Para cumprir esse fim, o estudo em questão investigou essa realidade através da aplicação de questionários a 117 mulheres, com idades entre 18 e 62 anos, que estão ou já tiveram relações heterossexuais não saudáveis. Quanto às hipóteses, os seguintes fatores foram colocados como os mais relevantes para os participantes: “dependência emocional”; “expectativa de mudanças de comportamento”; “apego às boas experiências” e “não considerar as atitudes como abusivas”. Os dados foram submetidos à técnica de análise de conteúdo e organizados em gráficos e tabelas. Os resultados mostraram que os itens “expectativa de mudança de comportamento” e “apego às boas experiências”, respectivamente, receberam um percentual mais expressivo quando comparados aos demais, por conseguinte, estes mostraram ter maior influência sobre as participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata de Araújo Chamma, Universidade veiga de Almeida

Graduada em Psicologia pela Universidade Veiga de Almeida e pós graduanda em terapia cognitivo comportamental na prática clínica pelo IPCS (Instituto de Psicologia e Controle de Estresse).

Lidianne Chiroll da Silva Araujo, Universidade Veiga de Almeida

Graduada em Psicologia na Universidade Veiga de Almeida

Thais Mendonça Esteves, Universidade Veiga de Almeida

Graduada em Psicologia pela Universidade Veiga de Almeida

Ligia Claudia Gomes de Souza, Universidade Veiga de Almeida

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Gama Filho (1991), mestrado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001) e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). 

Referências

ARAUJO, F. M.; ALVEZ, Elaine Moreira; CRUZ, Monalise Pinto. Algumas reflexões em torno dos conceitos de campo e de habitus na obra de Pierre Bordieu. Perspectivas da Ciência e Tecnologia, v.1, n.1, jan-jun, 2009.

Bíblia online. Timóteo capítulo 2, versículos 11-15. Disponível em: <https://www.bibliaonline.com.br/nvi/1tm/2/11+>. Acesso em: 28 jul. 2020.

CARNEIRO, J. B.; GOMES, N. P.; ESTRELA, F. M.; SANTANA, J. D. ; MOTA, R. S.; ERDMANN, A. L. Violência conjugal: repercussões para mulheres e filhas(os). Esc. Anna Nery Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, aug. 2017.

CITELI, M. T., NUNES, M. J. F. R. Violência simbólica: a outra face das religiões. Cadernos católicos pelo direito de decidir. São Paulo: Católicas pelo direito de decidir, v.2, n.14, 2010.

CUNHA, T. R. A. Violência Conjugal: Os ricos também batem. Publ. UEPG Humanit. Sci., Appl. Soc. Sci., Linguist., Lett. Arts, Ponta Grossa, v.16, n.1, p. 167-176, jun. 2008.

DANTAS-BERGER, S. M.; GIFFIN, K. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 417-425, Apr. 2005.

FABENI, L., SOUZA, L. T.; LEMOS, L. B.; OLIVEIRA, M. C. L, R. O discurso do "amor" e da "dependência afetiva" no atendimento às mulheres em situação de violência. Revista NUFEN, Belém, v. 7, n. 1, p. 32-47, 2015.

FALKE, D.; OLIVEIRA, D. Z.; ROSA, L. W.; BENTANCUR, M. Violência conjugal: um fenômeno internacional. Contextos Clínicos, São Leopoldo, v.2, n.2, p.81-90, jul. - dez., 2009.

GARCIA, C. C. Breve História do Feminismo. 3ª ed. São Paulo: Claridade Ltda, 2015.

GOMES, I.R.R.; FERNANDES, S.C.S. A permanência de mulheres em relacionamentos abusivos à luz da teoria da ação planejada. Boletim - Academia Paulista de Psicologia, São Paulo, v. 38, n. 94, p. 55-66, jan. 2018.

GRACIA, E.; MERLO, J. Intimate partner violence against women and the Nordic paradox. Social Science & Medicine, Oxford, v. 157, n. 1, p. 27-30, mar. 2016.

GREGÓRIO, R. Violência patrimonial cresceu após a pandemia, em especial contra mulheres e idosos. Disponível em: https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2020/08/20/violencia-patrimonial-cresceu-apos-a-pandemia-em-especial-contra-mulheres-e-idosos.ghtml. Acesso: 12/02/2021.

GOMES, N. P.; DINIZ, N. M. F.; ARAUJO, A. J. S.; COELHO, T. M. F. Compreendendo a violência doméstica a partir das categorias de gênero e geração. Acta Pau Enferm, São Paulo, v. 20, n.4, p. 504-508, out. /dez., 2007.

HUFTON, O. The Prospect Before Her: A History of Women in Western Europe, 1500 – 1800. ed.1. Londres: Harper Colins, 1995.

Instituto Fernandes Figueira. Visível e invisível: A vitimização das mulheres: relatório técnico, 2019.

Instituto de Pesquisa DataSenado. Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/violencia-contra-a-mulher-agressoes-cometidas-por-2018ex2019-aumentam-quase-3-vezes-em-8-anos-1. Acesso: 10/03/2021.

KELLY, J. B., JOHNSON, M. P. Differentiation among types of intimate partner violence: Research update and implications for interventions. FamilyCourt Review. New York, v. 46, n.3, p. 476-499, jul. 2008.

Lei nº.11.340, de 7 de ago. de 2006. Lei Maria da Penha. Cria Mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso: 13/03/2021.

LEITE, R. M.; NORONHA, R. M. L. A violência contra a mulher: herança histórica e reflexo das influências culturais e religiosas. Direito & Dialogicidade - Crato, CE, v. 6, n. 1, jan./jun. 2015.

LOURENÇO, L. M.; COSTA, D. P. Violência entre Parceiros Íntimos e as Implicações para a Saúde da Mulher. Interinstitucional de Psicologia, Belo Horizonte, v. 13, n.1, p. 1-18, jan. 2020.

MARQUES, T. M. Violência conjugal: estudo sobre a permanência da mulher em relacionamentos abusivos. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Psicologia – Mestrado, Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Psicologia, Uberlândia, 2005. p. 300.

MORGANTE, M. M.; NADER, M. B. O patriarcado nos estudos feministas: um debate teórico. IN: XVI Encontro Regional de História da Anpuh-Rio, 2014, Rio de Janeiro.

NARVAZ, M.; KOLLER, S. Mulheres vítimas de violência doméstica: compreendendo subjetividades assujeitadas. Eletronicas.pucrs.br, Rio Grande do Sul, v.37, n.1, p.7-13, jan./abr. 2006.

NOTA TÉCNICA. Violência doméstica durante a pandemia de COVID-19. Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Chefe da ONU alerta para aumento da violência doméstica em meio à pandemia do coronavírus [online]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/chefe-da-onu-alerta-para-aumento-da-violencia-domestica-em-meio-a-pandemia-do-coronavirus/. Acesso em: 14 de maio de 2020.

PAZO, C. G; AGUIAR, A. C. Sentidos da violência conjugal: análise do banco de dados de um serviço telefônico anônimo. Physis, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 253-273, ago. 2012.

PEREIRA, D. C. Z.; CAMARGO, V. S.; AOYOMA, P. C. N. Análise funcional da permanência das mulheres nos relacionamentos abusivos: um estudo prático. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, Paraná, v.20, n.2, p.9-25, jun. 2018.

PORTO, M. A Permanência de mulheres em situações de violência: considerações de psicólogas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.30, n.3, p.267-276, set. 2014.

PORTO, M.; BUCHER-MALUSCHKE, J. S. N. F. A permanência de mulheres em situações de violência: considerações de psicólogas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.30, n.3, p.267-276, set. 2014.

PEDRO, J. M. As mulheres e a separação das esferas. Diálogos, Santa Catarina, v. 4, n. 4, p.33-39, jun. 2000.

SOUZA, P. A.; AURÉLIO, M. R. Os motivos que mantêm as mulheres vítimas de violência no relacionamento violento. Ciências Humanas, Florianópolis, n.40, p.509-527, out. 2006.

SCHRAIBER, L. B.; D’OLIVEIRA, A. F. P. L.; FRANÇA-JUNIOR, I., PINHO, A. A. Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Saúde pública, São Paulo, v.36, n.4, p. 470-477, mai. 2002.

TEODORO, F. N. J.; BRASIL, L. F. A banalização da violência contra a mulher: uma análise da culpabilização da vítima sob o olhar de Hanna Arent. Práxis juridic@, Goias, v.4, n.1, pág. 1-23, abril/2020.

VIGÁRIO, C.; PAULINO-PEREIRA, F. C. Violência contra a mulher: análise da identidade de mulheres que sofrem violência doméstica. Revista de Psicologia, v.5, n.2, 153-172, 2014.

WALKER, L. E. The abused woman: a survivor therapy approach. 1ª edição. New York: Newbridge Communications, 1994.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Violence against women. Geneva. [online] Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/violence-against-women. Acesso em: 12 de março de 2021.

ZANCAN, N.; WASSERMANN, V. LIMA, G. Q. A violência doméstica a partir do discurso de mulheres agredidas. Pensando Famílias, Porto Alegre, v.17, n.1, p.63-76, jul. 2013.

Downloads

Publicado

2023-11-07

Como Citar

CHAMMA, R. de A.; ARAUJO, L. C. da S.; MENDONÇA ESTEVES, T.; GOMES DE SOUZA, L. C. . VIOLÊNCIA CONJUGAL: POR QUE AS MULHERES PERMANECEM NESTE CONTEXTO? . Revista Feminismos, [S. l.], v. 11, n. 2, 2023. DOI: 10.9771/rf.v11i2.44025. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/44025. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos