Em busca do “bem comum do convento”: o conflito entre o Convento de Santa Mônica de Goa e o poder episcopal na primeira metade do século XVIII

Autores

Resumo

A sociedade do Antigo Regime foi marcada por diversos tipos de conflitos. Não apenas revoltas e rebeliões, mas também tensões e micro conflitos entre grupos dessa sociedade. Da mesma forma, essa conflitualidade foi uma característica profunda e endêmica no ambiente religioso. As mulheres, como parte integrante dessa sociedade, fossem leigas ou religiosas, também estiveram envolvidas em contendas. Há de se entender como elas agiram e reagiram nessas situações, cuja defesa de seus interesses foi necessária. Para tanto, neste artigo pretende-se analisar a crise que se estabeleceu na vida religiosa do Convento de Sta. Mônica de Goa a partir da contenda com o arcebispo de Goa e prelado do convento, D. Fr. Inácio de Santa Teresa, entre os anos de 1723 e 1738. A análise das cartas produzidas pelas religiosas e de outras enviadas pelo arcebispo, por vice-reis e pela coroa, em cruzamento com outras fontes documentais, como o Livro das Profissões, normas monásticas, ordens e requerimentos, possibilitam a compreensão de detalhes da contenda e dos pontos de vista dos envolvidos. Portanto, tendo como foco principal o protagonismo das religiosas rebeldes, poder-se-á refletir sobre como elas se posicionaram contra as determinações episcopais e reagiram aos ataques dos opositores, angariando o apoio de outras instituições religiosas e civis a fim de defender seus interesses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rozely Menezes Vigas Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Mestre e doutora em História Social pela UERJ-FFP. Pesquisadora de pós-doutorado em História no IFCH-UNICAMP.

Referências

ABREU, Miguel Vicente de. Real Mosteiro de Santa Mónica de Goa. Memória Histórica. Nova Goa: Imprensa Nacional, 1882.

ALVES, Ana Maria Mendes Ruas. “O Reyno de Deos e a sua Justiça”: Dom Frei Inácio de Santa Teresa (1682-1751). Tese de Doutorado. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2012.

BELLINI, Lígia; PACHECO, Moreno Laborda. Memória conventual e política em Portugal no Antigo Regime. Revista Tempo, vol. 18, nº 32, p.49-68, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-77042012000100003&script=sci_ abstract&tlng=pt> Acesso em: 26 set. 2016.

BURNS, Kathryn. Hábitos coloniales: Los conventos y la economia espiritual del Cuzco. Lima: Institut Français d’Études Andines, 2008.

CHOWNING, Margaret. Rebellious nuns: the troubled history of a Mexican convent, 1752–1863. New York: Oxford University Press, 2006.

FERNÁNDEZ, Amaya; MARTINIÉRE, Margarita Guerra; LEIVA, Lourdes; MARTÍNEZ, Lidia. La mujer en la conquista y la evangelización en el Perú. Lima: PUCP – Fondo Editorial, 1997.

HESPANHA, António Manuel. Caleidoscópio do Antigo Regime. São Paulo: Alameda, 2012.

LAVEN, Mary. Virgens de Veneza: vidas enclausuradas e quebra de votos no convento renascentista. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2003.

LOPES, Maria Antónia. Mulheres, espaço e sociabilidade. A transformação dos papéis femininos em Portugal à luz das fontes literárias (segunda metade do século XVIII). Vol. 1. Lisboa: Livros Horizonte, 1989.

MENDES, José Maria. Inácio de Santa Teresa: construindo a biografia de um arcebispo. 149p. 2012. Dissertação (Mestrado em História dos Descobrimentos e da Expansão) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2012.

______. Inácio de Santa Teresa: o percurso de um arcebispo polémico. vols. 1 e 2. 2015. Tese (Doutoramento em História dos Descobrimentos e da Expansão) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2015.

OLIVEIRA, Rozely Menezes Vigas. As mônicas no Vale dos Lírios: das “santas” fundadoras às freiras sublevadas do Monte Santo em Goa, de 1606 a 1738. 2019. 473f. Tese (Doutorado em História Social) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2019.

PIÑEDO, Ramón Molina. Las señoras de Valfermoso. Guadalajara: AACHE Ediciones, 1996.

ROCHA, Leopoldo da. Uma página inédita do Real Mosteiro de Santa Mónica de Goa (1730-1734) e achegas para a história do padre nativo. Mare Liberum, nº 17, p. 229-266, 1979.

SILVA, Ricardo Manuel Alves da. Casar com Deus: vivências espirituais femininas na Braga Moderna. 2011. Tese (Doutorado em História – Conhecimento em Idade Moderna) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade do Minho, Minho, 2011.

SOUZA, Evergton Sales. D. Ignácio de Santa Thereza, arcebispo de Goa: um prelado às voltas com a Inquisição portuguesa. In: VAINFAS, Ronaldo; FEITLER, Bruno; LIMA, Lana Lage da Gama (orgs.). A Inquisição em xeque: temas, controvérsias, estudos de caso. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2006.

______. Jansénisme et Réforme de l’Église dans l’Empire Portugais, 1640 à 1790. Paris: Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 2004.

TOMÉ, Manuela Maria Justino. Odivelas – um mosteiro cisterciense. Odivelas: Comissão Instaladora do Município de Odivelas, Departamento Sociocultural, Divisão de Cultura e Património Cultural, 2001.

TRINDADE, Ana Cristina Machado. O episcopado de D. Frei Manuel Coutinho, 1725-1741. 2011. 443p. Tese (Doutorado em Letras, História Moderna) – Universidade da Madeira, Ilha da Madeira, 2011.

UM ESTANDARTE histórico bordado pelas freiras do Convento de Santa Mónica da Velha Goa e restaurado pelas Irmãs Franciscanas Missionárias de Caranzalém. Goa: Imprensa Nacional, 1959.

ZARRI, Gabriela. Recinti, Donne, clausura e matrimonio nella prima età moderna. Bologna: Il Mulino, 2000. p. 64. Apud: AVELINO, Carla Maria Pinto. Livro da Fundação do santo Convento de nossa Senhora da esperança de Villa viçoza e de algũas plantas que em elle se criarão pera o ceo dignas de memoria. Estudo Introdutório e Estabelecimento do Texto. 2015. 619p. Tese (Doutorado em Literaturas e Culturas Românicas) – Faculdade de Letras, Universidade do Porto, 2015.

Downloads

Publicado

2021-05-09

Como Citar

Menezes Vigas Oliveira, R. (2021). Em busca do “bem comum do convento”: o conflito entre o Convento de Santa Mônica de Goa e o poder episcopal na primeira metade do século XVIII. Revista Feminismos, 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/43169

Edição

Seção

Artigos