PAISAGENS AMAZÔNICAS E IDENTIDADES FEMININAS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX, EM MENINA QUE VEM DE ITAIARA

Autores

Resumo

Menina que vem de Itaiara, de Lindanor Celina, permite ao leitor mergulhar no cotidiano de vilas e cidades do interior da Amazônia, nas primeiras décadas do século XX. Ao analisar a obra literária, em diálogo com a História e Antropologia, abrem-se possibilidades de olhar para práticas culturais, identidades e referências histórias que constroem visões amplas sobre a complexidade na aparente simplicidade das paisagens e cenários amazônicos presentes na narrativa. Ao mesmo tempo aparece a presença marcante das personagens femininas que burlam as rígidas divisões de papeis de gênero no período, para construir suas vivências com maior autonomia nesta vila/cidade, localizada em algum lugar da Amazônia. No olhar infantil da menina, valores morais são revisitados, bem como práticas cotidianas, que foram naturalizadas pela sociedade, mas que aparecem com a força dos valores sociais questionados e ao mesmo tempo reconstruídos nas narrativas cotidianas sobre Itaiara.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gutemberg Armando Diniz Guerra, Universidade Federal do Pará

Doutor em Sócio-Economia do Desenvolvimento pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, França. Estágio pós doutoral na Columbia Universtiy in New York City (2009). Professor associado c Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural e do Programa de Pós-graduação em Agriculturas Amazônicas, ambos da Universidade Federal do Pará.

César Martins de Souza, Universidade Federal do Pará.

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense com Estágio Pós-Doutoral na mesma universidade. Professor do Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes da Amazônia e do Campus de Bragança, ambos da UFPA. Editor-Chefe da Nova Revista Amazônica/UFPA. Investigador Externo do CEAR/Universidad de Quilmes-Argentina.

Luis Junior Costa Saraiva, Universidade Federal do Pará

Doutor em Ciências Sociais na especialidade Antropologia Cultural e Social pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS). Professor associado da UFPA, atuando junto a Programa de Pós Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia (PPLSA).

Referências

ASSIS, Gláucia de Oliveira. Mulheres migrantes no passado e no presente: gênero, redes sociais e migração internacional. Estudos Feministas. Florianópolis, 2007, v. 15, n. 3, 745-772, set./dez. 2007. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v15n3/a15v15n3.pdf. Acesso em: 03 jan. 2020.

BAKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento – o contexto de François Rabelais. São Paulo/Brasília: Hucitec/Editora Universidade de Brasília, 1987.

BARROS, Flávio Bezerra: SILVA, Deusinaldo. Os mingauleiros de miriti: trabalho, sociabilidade e consumo na beira de Abaetetuba, Pará. Revista FSA. Teresina, v. 10, n. 4, 44-66, out./dez. 2013.

BRISSOLARA, Valéria. Escrever é arriscar: autoria e ética. In: NUTO, João Vianney Cavalcanti (org.). Personas autorais – prosarias e teoremas. Brasília: Siglaviva, 2016, 23-39.

CELINA, Lindanor. Menina que vem de Itaiara. Belém: Cejup, 1996.

CELINA, Lindanor. Pranto por Dalcídio Jurandir – memórias. Belém: SECDET/ Falangola, 1983.

CHONCHOL, Jacques. A soberania alimentar. Estudos avançados. São Paulo, v.19 n. 55, 33-48, set./dez. 2005. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0103-40142005000300003. Acesso em: 16 dez. 2017.

DELEUZE, Giles. Crítica e clínica. São Paulo: Editora 34, 2006.

DOMINGUES, Bruno Rodrigo Carvalho; BARROS, Flávio Bezerra. “Eu amo esse brinquedo!”: reflexões sobre o artesanato de miriti a partir de uma abordagem etnoeconômica em Abaetetuba (Pará). Margens - Revista Interdisciplinar . Abaetetuba-PA, v. 10, n. 14, 199-215, jun. 2016.

FARIAS FILHO, Luciano Mendes de. O espaço escolar como objeto da História da Educação: algumas reflexões. Revista da Faculdade de Educação. São Paulo, v. 24, n. 1, 141-159, jan./jun. 1998. Disponível em http://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/59619/62716. Acesso em: 05 jan. 2020.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1989.

GUERRA, Gutemberg Armando Diniz Guerra. Religião, Educação, futebol e mercado: elementos estruturantes da vida social em povoados da Amazônia (texto não publicado). S/l; s/e. s/d.

GUATARRI, Felix; ROLNICK, Suely. Micropolítica – cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 2005.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis: Vozes, 2015.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Londres: Routledge, 2000.

JURANDIR, Dalcídio. Menina que vem de Itaiara (Prefácio). In: CELINA, Lindanor. Menina que vem de Itaiara. Belém: Cejup, 1996, 5.

LACERDA, Franciane Gama. Uma “artéria necessária” para o progresso: a Estrada de Ferro Bragança (Pará, 1883-1908). Revista Brasileira de História e Ciências Sociais. Porto Alegre, v. 10, n. 9, 226-248, jan.-jun. 2018. Disponível em https://www.rbhcs.com/rbhcs/article/view/440/pdf. Acesso em: 03 jan. 2020.

LAGRAVE, Rose-Marie. Le village romanesque - 1950-1960. Le Paradou-França: Actes Sud, 1980.

LEMAIRE, Rita. Repensando a história literária. In: HOLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, 58-71.

MALINOWSKY, Bronislaw Kasper. Os argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MEDEIROS, Maria Lúcia. O lugar da errância. In: D’INCAO, Maria Ângela; SILVEIRA, Isolda Maciel (org.). A Amazônia e a crise da modernização. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1994, 195-198.

MONTELES, Ricardo André Rocha. Etnoconservação e apropriação social dos buritizais no entorno do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas). Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares da Universidade Federal do Pará. Belém, 2009. 117p.

NASCIMENTO, Elcio Costa do; GUERRA, G. A. D. Do avortado ao comprado: práticas alimentares e a segurança alimentar da comunidade quilombola do baixo Acaraqui, Abaetetuba, Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. Belém, v. 11, n. 1, 225-241, jan.-abr. 2016.

PAES LOUREIRO, João de Jesus. Cultura Amazônica - uma poética do imaginário. Belém, CEJUP, 1995.

PERROT, Michelle. Os excluídos na História: operários, mulheres, prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

SANTOS, Ivamilton Nonato Lobato dos; SILVA, Maria de Fátima Vilhena da. Saberes da tradição na produção de brinquedos de miriti – patrimônio cultural. ECS. Sinop/MT, v. 2, n. 2, 63-77, jul./dez. 2012.

SARLO, Beatriz. Paisagens imaginárias: intelectuais, artes e meios de comunicação. São Paulo: Edusp, 2005.

SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero – um depoimento. Cadernos Pagu. Campinas-SP, v. 11, 77-87, 1998.

TUPIASSU, Amarilis Alves. A resistência do feminino em Chove nos campos de Cachoeira. In: ÁLVARES, Maria Luzia Miranda; SANTOS, Eunice Ferreira dos; D’INCAO, Maria Ângela (orgs.). Mulher e modernidade na Amazônia. Belém: CEJUP, 1997, 43-63.

TURNER, Victor. Do ritual ao teatro: a seriedade humana do brincar. Rio de Janeiro: Editora

Downloads

Publicado

2021-05-09

Como Citar

Diniz Guerra, G. A., Martins de Souza, C., & Costa Saraiva, L. J. (2021). PAISAGENS AMAZÔNICAS E IDENTIDADES FEMININAS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX, EM MENINA QUE VEM DE ITAIARA. Revista Feminismos, 9(1). Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/43010

Edição

Seção

Artigos