Por favor, pare agora COVID-19! Escrevivências para manter uma mente sã durante a pandemia.

Autores

  • Marilda de Santana Silva IHAC -UFBA

DOI:

https://doi.org/10.9771/rf.v10i1.42749

Resumo

O presente texto tem por objetivo descrever as dificuldades, traumas e transcendências enfrentados pelo advento do covid-19 no mundo e na população brasileira desde o primeiro óbito acontecido em março de 2020 no Rio de Janeiro. No meu caso específico, se refere a inúmeros adiamentos do casamento da minha filha, por conta da pandemia, e do retorno a Salvador em meio à pesquisa de pós doutorado que estava sendo desenvolvida no Instituto de Artes da Unicamp, em Campinas, São Paulo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilda de Santana Silva, IHAC -UFBA

Marilda Santanna é Professora permanente do Programa multidisciplinar de pós graduação em Cultura e Sociedade, do Mestrado profissional em Artes-PROFARTES, e professora associada do Instituto de Humanidades Artes e Ciências prof. Milton Santos-IHAC/UFBA. Pós-doutora pela Universidade de Lisboa com pesquisa sobre Trocas culturais entre o Teatro de Revista em Portugal e no Brasil, Bolsista CAPES. Possui Doutorado em Ciências Sociais, mestrado em Artes Cênicas e graduação em História pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente coordena a pesquisa “As Bambas do samba” no grupo “Canto de cada canto” ligado ao CULT- Centro de pesquisa multidisciplinar em Cultura, da UFBA. Faz parte do conselho editorial da revista Multidisciplinar da UNIT. Cantora com dois CDs solo lançados em 2002 e 2013, e um CD com o Grupo performático As Raidiantes lançado em 2000, já circulou pelo Brasil e exterior com inúmeros shows. Possui três livros, todos lançados pela EDUFBA.  As donas do canto: uma interpretação Sociológica das estrelas-intérpretes no Carnaval de Salvador (2009); Caymmi cem: panoramas diversos (Org.) (2015); As bambas do samba: mulher e poder na roda (Org.) (2016). possui um capítulo no livro "Sortilégios da voz cantada" lançado em 2013 pela Letra e Voz. Coordenadora do Bacharelado Interdisciplinar em Artes-IHAC-UFBA (2016-2017); como pesquisadora atua principalmente nos seguintes temas-áreas: História e música, Música e identidade, Ciências sociais aplicadas, Cultura e Arte, protagonismo negro feminino na música, Teatro Musicado, Teatro-Educação, dentre outros.

Referências

ALMEIDA, Ângela Teixeira de; SILVA, Lúcia Helena Oliveira. Não falem dessa mulher perto de mim: representação da mulher na mídia e na música popular na década de 1950. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, Uberlândia, v. 14, n. 1, jan./jun. 2017.

ANZALDUA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Tradução de Édina de Marco. Revista Estudos Feministas, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106. Acesso em: 24 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 188, de 3 de fevereiro de 2020. Brasília: Imprensa Nacional, 2020a. Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infecção Humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV). Disponivel em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-188-de-3-de-fevereiro-de-2020-241408388. Acesso em: 20 nov. 2020.

BRASIL. Lei n.13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Brasília: Imprensa Nacional, 2020b. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-13.979-de-6-de-fevereiro-de-2020-242078735. Acesso em 20 nov. 2020.

BRASIL. lei nº 14.017, de 29 de junho de 2020. Dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020.

CRENSHAW, Kimberle. Porque e que a interseccionalidade não pode esperar. Ação Pela Identidade – API, set., 2015. Tradução de: Santiago D’Almeida Ferreira. Texto original em inglês para o The Washington Post: Why intersectionality can’t wait. Disponível em: https://apidentidade.wordpress.com/2015/09/27/porque-e-que-a-interseccionalidade-nao-pode-esperar-kimberle-crenshaw/. Acesso em: 21 novembro 2020.

DANTAS, Marcelo; SANTANNA, Marilda. O Mercado Cultura e o protagonismo feminino: a música da Jovem Guarda. RIGS: Revista Interdisciplinar em Gestão Social, Salvador, v. 6, n. 3 set./dez, 2018.

DAVIS, Ângela. Mulher, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

EVARISTO, Conceição. Becos da memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2019. OK

FEIXA, Carles; LECARDI Carmen. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, n. 2, maio/ago. 2010.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de Amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, jan./jun, 1988.

bell hooks. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019.

bell hooks. Vivendo de amor. https://www.tubmanbra.com/post/10-obras-em-pdf-por-bell-hooks-pra-voce-nao-reclamar-de-tedio-no-twitter. Acesso em 22 de novembro de 2020.

IRLANDINI, Isabella. Por uma ontologia plural de vozes singulares: o embate de Adriana Cavarero com a metafísica [Resenha]. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 269-289, jan./abr. 2015.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo decolonial. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 320, set./dez. 2014.

LUNA, Luedji. Entrevista com a cantora Luedji Luna. Canal Curta! 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-VgjbpJ3sS0. Acesso em: 14 nov. 2020.

LUZ, Larissa. Larissa Luz - Site oficial. 2016. Disponível em: www.larissaluz.com. Acesso em: 12 novembro 2020.

MELLO, Maria Luiza de Melo. Primeira vítima do Rio de Janeiro era doméstica e pegou corona vírus da patroa no Leblon. Notícias UOL: saúde. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/19/primeira-vitima-do-rj-era-domestica-e-pegou-coronavirus-da-patroa.htm. Acesso em: 20 nov. 2020.

NATURA; BAHIA. GOVERNO DO ESTADO. Território conquistado. 2016. Disponível em: http://www.larissaluz.com.br/territorioconquistado/index.html. Acesso em:10 out. 2019.

RODRIGUES, Manuela. Depoimento a autora em 5 de dezembro de 2020

SANTANNA, Marilda. As bambas do samba: mulher e poder na Roda (org.). Salvador: EDUFBA, 2019.

SANTANNA, Marilda. As donas do canto: uma interpretação sociológica das estrelas-intérpretes no Carnaval de Salvador. Salvador: EDUFBA, 2009.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

SILVA, M. de S. Por favor, pare agora COVID-19! Escrevivências para manter uma mente sã durante a pandemia. Revista Feminismos, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. DOI: 10.9771/rf.v10i1.42749. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42749. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

DEPOIMENTOS