“HISTÓRIA DO PRESENTE” DE MULHERES DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19: FEMINIZAÇÃO DO CUIDADO E VULNERABILIDADE

Autores

  • Iara Falleiros Braga Universidade Federal da Paraíba
  • Wanderlei Abadio de Oliveira Pontifícia Universidade Católica de Campinas: Campinas, São Paulo, BR
  • Manoel Antônio dos Santos Professor Titular da Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.

Resumo

O cuidado informal reproduz processos de opressão e dominação que permeiam a vida social. A divisão e hierarquização social do trabalho atribui à mulher a função de cuidar do lar e dos filhos, naturalizando a feminização das práticas de cuidado. Este ensaio parte do seguinte questionamento: se na perspectiva dos estereótipos sexistas o cuidar é atribuição exclusiva da mulher, então quem cuida das mulheres durante a pandemia e em que bases teóricas, conceituais e éticas esse cuidado deveria ser organizado e oferecido? A análise lança mão de uma perspectiva interseccional para refletir sobre a sobrecarga de trabalho e cuidado da casa e dos filhos durante o período de confinamento doméstico. Argumenta-se que os papéis e deveres incorporados culturalmente acabam por vulnerabilizar as mulheres. Também se atenta para o aumento da violência de gênero em razão do maior tempo de convívio cotidiano com o parceiro íntimo violento. Evidências ainda apontam que a quarentena tem contribuído para um aumento alarmante dos casos de feminicídio no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iara Falleiros Braga, Universidade Federal da Paraíba

Terapeuta Ocupacional, Doutora em Ciências pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Programa de Pós Graduação Enfermagem em Saúde Pública. Docente do Curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS, Boletim 2/2020 Assassinatos Contra Travestis e Transexuais Brasileiras, 2020. Disponível em: < https://antrabrasil.org/noticias/> Acesso em 08 nov. 2020.

BARBOSA, Jeanine Pacheco Moreira. et. al. Interseccionalidade e outros olhares sobre a violência contra mulheres em tempos de pandemia pela Covid-19. Pre-print SciELO. 2020.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1964.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p.329-376, jun. 2006.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Coronavírus: sobe o número de ligações para canal de denúncia de violência doméstica na quarentena. 2020. Disponível: < https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/todas-as-noticias/2020-2/marco/coronavirus-sobe-o-numero-de-ligacoes-para-canal-de-denuncia-de-violencia-domestica-na-quarentena>. Acesso em: 30/07/2020

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. 236p

CIM. Inter-American Commission of Women. COVID-19 en la vida de las mujeres: Razones para reconocer los impactos diferenciados. Comisión Interamericana de Mujeres. 2020. p.25

FEDERICI, Silvia. O Calibã e a bruxa. São Paulo: Enfante, 2018. 530p.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2014. 296p.

GOES, Emanuele; NASCIMENTO, Enilda. Mulheres negras e brancas: as desigualdades no acesso e utilização dos serviços de saúde no Estado da Bahia, PNAD -2008. In: BATISTA, LE; WERNECK, J; LOPES, F. (Orgs.). Saúde da população negra (Coleção negras e negros: pesquisas e debates / coordenação Tânia Mara Pedroso Müller). 2. ed. Brasília, DF: ABPN -Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, 2012, p.274-287. Disponível em:<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_populacao_negra.pdf>. Acesso em: 22/04/2020.

IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Aspectos dos cuidados das crianças de menos de 4 anos de idade: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. 62p. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100137.pdf

IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Rio de Janeiro. n.38, 2018. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf

MACEDO, Shirley. Ser mulher trabalhadora e mãe no contexto da pandemia COVID-19: tecendo sentidos. Revista NUFEN, v. 12, n. 2, p. 187-204, 2020. http://dx.doi.org/10.26823/RevistadoNUFEN.vol12.nº02rex.33.

MENDES, Janaina Dutra Silvestre. As mulheres à frente e ao centro da pandemia do novo coronavírus. Metaxy - Revista Brasileira de Cultura e Política em Direitos Humanos. 2020.

OLIVEIRA, Anita Loureiro de. A espacialidade aberta e relacional do lar: a arte de conciliar maternidade, trabalho doméstico e remoto na pandemia de Covid-19. Revista Tamoios, São Gonçalo (RJ), ano 16, n. 1, Especial COVID-19. p. 154-166, maio 2020.

OLIVEIRA, Wanderlei Abadio. et al. Violência por parceiro íntimo em tempos da COVID-19: scoping review. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 21, n. 3, p. xx-xx, 2020.

CARDOSO, Érika Arantes de Oliveira et al . The effect of suppressing funeral rituals during the COVID-19 pandemic on bereaved families. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 28, e3361, 2020. http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.4519.3361

Mazza, Cristina. et al. A nationwide survey of psychological distress among Italian people during the COVID-19 pandemic: immediate psychological responses and associated factors. International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 17, n.9, p. 3165. doi:10.3390/ijerph17093165

ONU MULHERES. Mulheres no centro da luta contra a crise Covid-19. [s.l.] Organização das Nações Unidas, 26 mar. 2020b. Disponível em: < https://brasil.un.org/>. Acesso em: 30 set. 2020.

ONU. Relatora da ONU: Estados devem combater violência doméstica na quarentena por COVID-19. https://nacoesunidas.org/relatora-da-onu-estados-devem-combater-violencia-domestica-na-quarentena-por-covid-19/. Acesso em: 27/set/2020

<https://nacoesunidas.org/relatora-da-onu-estados-devem-combater-violencia-domestica-na-quarentena-por-covid-19/>

PEGORARO, Renata Fabiana; CALDANA, Regina Helena Lima. Mulheres, loucura e cuidado: a condição da mulher na provisão e demanda por cuidados em saúde mental. Saude soc., v. 17, n. 2, p. 82-94, 2008. https://doi.org/10.1590/S0104-12902008000200009.

SANTOS, Gabriela de Brito Martins et al. Cuidado de si: trabalhadoras da saúde em tempos de pandemia pela Covid-19. Revista trabalho, educação e saúde, v. 18, n. 3, e00300132, 2020. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00300.

SANTOS, Manoel Antônio dos; OLIVEIRA, Wanderlei Abadio de; OLIVEIRA-CARDOSO, Érika Arantes de. Inconfidências de abril: impacto do isolamento social na comunidade trans em tempos de pandemia de COVID-19. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte , v. 32, e020018, 2020. https://doi.org/10.1590/1807-0310/2020v32240339

TIAN, Fangyuan et al. Psychological symptoms of ordinary Chinese citizens based on SCL-90 during the level I emergency response to COVID-19. Psychiatry Research. 2020 Jun;288:112992. doi: 10.1016/j.psychres.2020.112992. Epub 2020 Apr 11. PMID: 32302816; PMCID: PMC7151383.

VIEIRA, Pâmela Rocha; GARCIA, Leila Posenato; MACIEL, Ethel Leonor Noia. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela?. Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, v. 23, e200033, 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-07

Como Citar

BRAGA, I. F.; DE OLIVEIRA, W. A.; DOS SANTOS, M. A. “HISTÓRIA DO PRESENTE” DE MULHERES DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19: FEMINIZAÇÃO DO CUIDADO E VULNERABILIDADE. Revista Feminismos, [S. l.], v. 8, n. 3, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42459. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Justiça Reprodutiva