A FEMINIZAÇÃO DO CUIDADO E A SOBRECARGA DA MULHER-MÃE NA PANDEMIA

Autores

  • Juliana Marcia Santos Silva
  • Vanessa Clemente Cardoso
  • Kamila Eulálio Abreu
  • Lívia Souza Silva

Resumo

O gênero como uma interpretação social do sexo biológico elaborou para homens e mulheres funções distintas dentro da sociedade e do lar. Por sua vez, a maternidade foi historicamente construída como um destino biológico da mulher, atribuindo a ela um amor maternal oblativo, voluntariamente ofertado para o cuidado dos filhos, da família e de outros que necessitem. Desta forma conceitos como a “ética do cuidado” e o “dispositivo materno” tornam-se relevantes para compreender tal naturalização da feminilização do cuidado. Neste sentido, a posição que a mulher ocupa na sociedade evidenciou-se durante a pandemia de Coronavirus, que também trouxe à tona as diferenças entre as classes sociais e o racismo estrutural. Assim, este artigo analisa a construção histórica dos papéis de gênero afim de refletir sobre o cuidado como parte da sobrecarga materna das brasileiras na pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Marcia Santos Silva

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2017), Mestra em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres , Gênero e Feminismos pelo PPGNEIM-UFBA (2020) e Doutoranda em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PPGSS/PUC-Rio. Pesquisadora no grupo NIEM-Núcleo Interseccional em Estudos da Maternidade, no NEIM-CIGE: Grupo de Estudos em Ciência, Gênero e Educação e no GPAAR-Grupo de Pesquisa de Ações Afirmativas e Reconhecimento - DSS/PUC-Rio.

Vanessa Clemente Cardoso

Graduada em História pela Universidade Federal de Goiás (2010), com mestrado (2013) e doutorado (2019), em História, defendidos no Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de História da Universidade Federal de Goiás. Criadora e administradora do grupo Mamães na Pós-graduação e da página Mães na Universidade. Pesquisadora no GT Mulheres Cientistas e Maternidades Plurais (UFG/CNPq).

Kamila Eulálio Abreu

Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Lívia Souza Silva

Bacharel em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Mestranda em Serviço Social na PUC-Rio. Membro do GPAAR-Grupo de Pesquisa de Ações Afirmativas e Reconhecimento - DSS/PUC-Rio.

Referências

AQUINO, L. M. L. “Pelo direito de ser mãe e estudante”: educação infantil na pauta estudantil universitária. Zero-a-seis, Florianópolis, v. 20, n. 37, 2018. Dossiê: Feminismo em estado de alerta na educação das crianças pequenas em creches e pré-escolas.

BADINTER, Elisabeth. Um Amor conquistado: o mito do amor materno. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BRASIL, Ministério da Saúde. Síntese de casos, óbitos, incidência e mortalidade no Brasil. Brasília, 2020. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/. Acesso em: 25 ago. 2020.

GÊNERO E NÚMERO. Um retrato das mães solo na pandemia. Site Gênero e número, 18 jun. 2020. Disponível em: http://www.generonumero.media/retrato-das-maes-solo-na-pandemia/ Acesso em: 05 out. 2020

GILLIGAN, Carol. Uma voz diferente: psicologia da diferença entre homens e mulheres da infância à idade adulta. Trad. Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1982.

GILLIGAN, Carol. Joining the Resistance. Cambridge: Polity Press, 2011.

LEMOS, Renata Feldman Scheinkman; KIND, Luciana. Mulheres e maternidade: faces possíveis. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 17, n. 3, pág. 840-859, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4518/451857286003.pdf . Acesso em: 26 ago. 2020.

MACÊDO, S. Ser mulher trabalhadora e mãe no contexto da pandemia covid-19: tecendo sentidos. Rev. NUFEN, Belém, v.12, n. 2, p.187-204, mai./ago. 2020.

MÃES DA FAVELA. Fundo solidário COVID-19 para Mães das Favelas Mães na favela, 2020. Disponível em: https://www.maesdafavela.com.br/. Acesso em: 10 out. 2020.

O GLOBO. Pandemia deve aumentar desigualdade de gênero, diz FMI. Agência O Globo, São Paulo, 21 jul. 2020. Disponível em: https://economia.ig.com.br/2020-07-21/pandemia-deve-aumentar-desigualdade-de-genero-diz-fmi.html. Acesso em: 09 out. 2020.

O GLOBO. Pandemia faz sete milhões de mulheres deixarem o mercado de trabalho. Globo, 21 jun. 2020. Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/celina/pandemia-faz-sete-milhoes-de-mulheres-deixarem-mercado-de-trabalho-24489196. Acesso em: 10 out. 2020.

OLIVEIRA, Carolina Bessa Ferreira. Maternidade, universidade e pandemia. Mães que escrevem, 28 ago. 2020. Disponível em: https://maesqueescrevem.com.br/maternidade-universidade-e-pandemia/.Acesso em: 09 out. 2020.

ONU MULHERES. Gênero e Covid-19 na América Latina e no Caribe: dimensões de gênero na resposta. ONU Mulheres, mar. 2020. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2020/03/ONU-MULHERES-COVID19_LAC.pdf. Acesso em: 10 out. 2020

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Dia Mundial da Saúde: OMS e parceiros pedem investimentos urgentes em profissionais de enfermagem. Site OPAS Brasil, 07 abr. 2020. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6134:dia-mundial-da-saude-oms-e-parceiros-pedem-investimentos-urgentes-em-profissionais-de-enfermagem&Itemid=844. Acesso em: 01 out. 2020.

PARENT IN SCIENCE. Produtividade Acadêmica durante a Pandemia: Efeitos de gênero, raça e parentalidade. Porto Alegre: PARENT IN SCIENCE, 2020. Disponível em: https://327b604e-5cf4-492b-910b-e35e2bc67511.filesusr.com/ugd/0b341b_81cd8390d0 f94bfd8fcd17ee6f29bc0e.pdf?index=true. Acesso em : 11 out. 2020.

QG FEMINISTA. O que é Patriarcado?. Site Medium-QG Feminista, 25 mai. 2018. Disponível em: https://medium.com/qg-feminista/teorias-do-patriarcado-7314938c59b. Acesso em: 08 out. 2020.

RÉ, Roxane. Pandemia evidencia ainda mais a desigualdade de gênero. Site do Jornal da USP, 26 jun. 2020. Disponível em: https://jornal.usp.br/atualidades/pandemia-evidencia-ainda-mais-a-desigualdade-de-genero/. Acesso em: 02 out. 2020.

SILVA, Juliana Marcia Santos. Interseccionalidades e Maternidade na Universidade Federal da Bahia. In: Seminário Nacional de História da Ciência e da Tecnologia, 16., 2018, Campina Grande. Anais [...] Rio de Janeiro : Sociedade Brasileira de História da Ciência, 2018. Disponível em: https://www.16snhct.sbhc.org.br/resources/anais/8/1533130798_ ARQUIVO_artigo16snhct.pdf Acesso em: 01 out. 2020.

SOUSA, A. M. S. et al. Maternidade e Educação – desafios e possibilidades de acesso e permanência na UFPI campus Ministro Reis Velloso. Piauí, 2017. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/editora/anais/join/2017/TRABALHO_EV081_MD1_SA70_ID1074_15092017210703.pdf. Acesso em: 10 out. 2020.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO - TRT-RJ. A desigualdade de gênero durante a pandemia de Covid-19. Site do TRT-RJ, Rio de Janeiro, 30 abr. 2020. Disponível em: https://www.trt1.jus.br/ultimas-noticias/-/asset_publisher/IpQvDk7pXBme/content/desigualdade-de-genero-no-mercado-de-trabalho-durante-a-pandemia-de-coronavirus/21078. Acesso em: 01 out. 2020

UFJF NOTÍCIAS. Desigualdade de gênero em tempos de pandemia e isolamento. Site do UFJF Notícias, Seção Campus e Comunidade, 06 abr. 2020. Disponível em: https://www2.ufjf.br/noticias/2020/04/06/desigualdade-de-genero-em-tempos-de-pandemia-e-isolamento/. Acesso em: 02 out. 2020.

UFRGS, Parent in Science. Produtividade Acadêmica durante a Pandemia: Efeitos de gênero, raça e parentalidade. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2020. Disponível em: https://327b604e-5cf4-492b-910b-e35e2bc67511.filesusr.com/ugd/0b341b_81cd8390d 0f94bfd8fcd17ee6f29bc0e.pdf?index=true. Acesso em: 25 ago. 2020.

WENHAM, Clare; SMITH, Julia; MORGAN, Rosemary. COVID-19: the gendered impacts of the outbreak. CrossMark, 6 mar. 2020.

ZANELLO, Valeska. Dispositivo materno e processos de subjetivação: desafios para a psicologia. In: ZANELLO, Valeska; PORTO, Madge (Org.). Aborto e (não) desejo de maternidade(s): questões para a psicologia. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2016. p. 103-122.

Downloads

Publicado

2021-01-07

Como Citar

SILVA, J. M. S.; CARDOSO, V. C.; ABREU, K. E.; SILVA, L. S. A FEMINIZAÇÃO DO CUIDADO E A SOBRECARGA DA MULHER-MÃE NA PANDEMIA. Revista Feminismos, [S. l.], v. 8, n. 3, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42114. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Justiça Reprodutiva