ELZA SOARES E A INSUBMISSÃO DAS MARIAS DAS VILAS MATILDE: “CÊ VAI SE ARREPENDER DE LEVANTAR A MÃO PRA MIM”

Autores

Resumo

A canção “Maria da Vila Matilde”, interpretada por Elza Soares no álbum “A mulher do fim do mundo” de 2015, é analisada neste trabalho a partir de perspectivas teóricas feministas. Visando a exploração da linguagem poética da letra desta canção, discorre-se acerca da insurgência feminina contextualizada na sociedade patriarcal no Brasil, que se expressa culturalmente através da canção brasileira. Portanto, tal análise ancora-se em autoras: hooks (2019a, 2019b), Berth (2019), Lugones (2019), Lorde (2019), entre outros. Conclui-se que o contato com tais produções poéticas musicalizadas, ao provocar uma reflexão acerca da condição social, possibilitaria emancipação e descolonização da mulher subalterna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Cossetin Alves, UNIOESTE (Universidade Estadual do Oeste do Paraná)

Mestranda em Letras pelo programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE). Atualmente desenvolve a pesquisa intitulada “Canções de mulheres na América Latina: um Feminismo unido pela emancipação de todas”. Beneficiária de auxílio financeiro da CAPES – Brasil.

Adriana Aparecida de Figueiredo Fiuza, UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Possui Graduação em Letras Português/Espanhol, Mestrado e Doutorado em Letras pela UNESP/ Campus de Assis. Durante o Doutorado, realizou estágio de doutorado sanduíche junto ao Departamento de Filologia Espanhola da Universidad Autónoma de Madrid, entre 2007 e 2008, com bolsa sanduíche da CAPES. Desenvolveu projeto de Pós-Doutorado na Universidad Complutense de Madrid com bolsa do CNPq, entre 2015 e 2017. É professora da área de Espanhol do curso de Licenciatura em Letras e de Teoria Literária do Curso de Letras/ Libras - Licenciatura, modalidade EaD. É professora do Programa em Pós-Graduação em Letras - Linguagem e Sociedade - da UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná em nível de Mestrado e Doutorado, atuando nas linhas de pesquisa Linguagem literária e interfaces sociais: estudos comparados e Literatura, memória, cultura e ensino.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. São Paulo, Companhia das Letras, 2017.

BARZOTTO, L. A. Violência e resistência: olhares oblíquos sobre a literatura de Moçambique. In: BONNICI, Thomas. Resistência e intervenção nas literaturas pós-coloniais. Maringá: Eduem, 2009.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: fatos e mitos. 4.ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BERTH, Joice. Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro, Pólen, 2019.

BOSI, Alfredo. Sobre alguns modos de ler poesia: memórias e reflexões. In: BOSI, Alfredo (Org). Leitura de poesia. São Paulo: Ática, 2010.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acessado em: 11/05/2020.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 09 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm. Acessado em: 11/05/2020.

ELZA SOARES faz protesto no Rock in Rio 2019 "machistas não passarão". 2019. Disponível em: https://youtu.be/E9N1fqdAb34. Acessado em: 11/05/2020.

FIUZA, Alexandre Felipe. Entre cantos e chibatas: a pobreza em rima rica nas canções de João Bosco e Aldir Blanc. 2001. 267 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

FBSP – FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Ano 10, São Paulo: 2016. Disponível em: http://www.forum seguranca.org.br/storage/10_anuario_site_18-11-2016-retificado.pdf. Acessado em: 11/05/2020.

FBSP – FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Ano 13, São Paulo: 2019. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/09/Anuario-2019-FINAL-v3.pdf. Acessado em: 11/05/2020.

GERMANO, Douglas. Maria da Vila Matilde. In: SOARES, Elza. A mulher do fim do mundo. São Paulo: Circus, 2015. Digital.

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 6. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019a.

hooks, bell. Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspectiva, 2019b.

LORDE, Audre. Idade, raça, classe, gênero: mulheres redefinindo a diferença. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 239-250.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 357-378.

MADRID, Alejandro L. ¿Por qué música y estudios de performance? ¿Por qué ahora?: una introducción al dossier. TRANS-Revista Transcultural de Música, 13, 2009. Disponível em: Disponível: http://www.sibetrans.com/trans/publicacion/1/trans-13-2009. Acessado em: 12/05/2020.

PATERMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

QUITES, Aline Porto. A presença do texto literário na arte da performance. 2006. 269 f. Tese (Doutorado em Literatura) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/85363. Acessado em: 13/05/2020.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo: Perseu Abramo, 2004.

SOARES, Elza. “A música serve para denunciar, para gritar”. Cult. [2015]. [Entrevista cedida a] Nathalia Parra. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/a-musica-serve-para-denunciar-para-gritar/. Acessado em: 13/05/2020.

SOARES, Elza. DOCUMENTÁRIO Canal Bis – Elza Soares – O Gingado da Nega. [Entrevista cedida a] Bis. Direção de Rafael de Paula Rodrigues. Produzido por Raquel Corrêa. São Paulo: Bis, 2013. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5EqOwNuKE78 Acessado em: 11/05/2020.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

RAGO, Margareth. As mulheres na historiografia brasileira. In: SILVA, Zélia Lopes (Org.). Cultura Histórica em Debate. São Paulo: UNESP, 1995. p. 81-91. Disponível em: <http://historiacultural.mpbnet.com.br/artigos.genero/margareth/RAGO_Margareth-as_mulheres_na_historiografia_brasileira.pdf>. Acessado em: 11/05/2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

ALVES, L. C.; FIUZA, A. A. de F. ELZA SOARES E A INSUBMISSÃO DAS MARIAS DAS VILAS MATILDE: “CÊ VAI SE ARREPENDER DE LEVANTAR A MÃO PRA MIM”. Revista Feminismos, [S. l.], v. 8, n. 2, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/42098. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Justiça Reprodutiva