MINHA VIDA NÃO É FOLHA DE PAPEL EM BRANCO: revisitando memórias de uma trabalhadora rural.

Autores

  • Maria Asenate Conceição Franco INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO, campus Governador Mangabeira Ba.
  • Márcia Santana Tavares Universidade Federal da Bahia

Resumo

Resumo

Reflexões críticas sobre memórias subterrâneas e memórias oficiais têm contribuído para fortalecer o debate sob uma perspectiva de gênero e feminista. A partir dessa premissa, propomos analisar e contextualizar a história de vida de Tereza[1] trabalhadora rural que, dentre os papéis sociais desempenhados, foi parteira por longo período de sua vida.  Ela, durante o trabalho de campo na comunidade rural de Pau Ferro- Muritiba- BA, realizado para fins de doutoramento, participou como uma das protagonistas da pesquisa. Gênero, raça, etarismo/geração, memórias, ruralidade e violência são algumas das categorias analíticas exploradas. A escolha da narrativa de sua história de vida para este artigo guarda proximidade com as marcas sociais de diferenciação, cicatrizadas no corpo e na alma ao longo de seu caminhar. A pesquisa, de natureza qualitativa, vale-se da história de vida que, associada à observação participante, possibilitam rememorar e ressignificar as histórias contadas por ela.

Palavras-chave: gênero, violência, memórias.


[1] Pseudônimo utilizado para lembrar Tereza de Benguela, líder do Quilombo de Quariterê e também parteira.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Asenate Conceição Franco, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO, campus Governador Mangabeira Ba.

Assistente social, mestre em Políticas sociais e cidadania pela Universidade Católica da Bahia e doutora em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo pela UFBA.

Márcia Santana Tavares, Universidade Federal da Bahia

Assistente social, professora associada 1 do Instituto de Psicologia da UFBA; professora da graduaçao e pós-graduação em Serviço Social e do Programa de pós-graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo da UFBA.

Referências

AQUINO, Silvia de. Reflexões sobre a violência contra a mulher denunciada na DDM em Salvador. In: DEBERT, Guita Grin; GREGORI, Maria Filomena; PISCITELLI, Adriana (orgs.). Gênero e Distribuição da Justiça: As Delegacias de Defesa das Mulheres e a Construção das Diferenças. PAGU/Núcleo de Estudos de Gênero: UNICAMP, 2006, p.187-205.

ARAGÃO, Milena; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de. Práticas de castigos escolares: enlaces históricos entre normas e cotidiano. Conjectura, Caxias do Sul, v. 17, n. 2, p. 17-36, maio/ago. 2012. Disponível em http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/viewFile/1648/1024. Acesso em: 20 jan. 2020.

BANDEIRA, Lourdes. (2013), “A violência doméstica: uma fratura social nas relações vivenciadas entre homens e mulheres”. In: VENTURI, G.& GODINHO, T. (Orgs) Mulheres Brasileiras e Gêneros Nos espaços Públicos e Privado: uma década de mudanças na opinião pública. - São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo: Edições Sesc SP, p. 63-78.

_______. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Revista Sociedade e Estado - Volume 29 Número 2 Maio/Agosto 2014.

BOSI, Ecléa. O tempo vivido da memória. Ensaios de Psicologia Social.- São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996, p.183-191.

BRASIL. Lei Maria da Penha. Lei n. 11.340/2006. Coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República, 2006.

BRASIL. Lei nº 13.104/2015. Presidência da República, 2015.

BRITTO DA MOTTA, Alda. Emprego doméstico: revendo o novo. Caderno CRH, n. 16, p. 31-49, jan./jun. 1992. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/2380/1/CadCRH-2007-362%20s.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

_______. As velhas também. Revista ex aequo, Porto - PT, n. 23, 2011, p.13-21.

CARNEIRO, Sueli. Raça e Gênero. In: BRUSCHINI, C. & UNBEHAUM, S. (org.) Gênero, democracia e sociedade brasileira, p. 167-194, Editora 34, São Paulo, 2002.

CARVALHO, Maria do Carmo Brant (Org.) A família contemporânea em debate. São Paulo: Cortez, 1997.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 10. Ed. – São Paulo: Cortez, 2009. - (Biblioteca da educação. Série 1. Escola; v.16).

DATASENADO. Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Brasília: Senado Federal/Secretaria de Transparência, 2013.

DEBERT, G. Guita. Problemas relativos à utilização de história de vida e história oral. In. CARDOSO, Ruth (Org.). Aventura Antropológica, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986, p. 141-156.

________; GREGORI, Maria Filomena. Violência e gênero: novas propostas, velhos dilemas. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo , v. 23, n. 66, p. 165-185, fev. 2008 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092008000100011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 28 jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092008000100011.

Evaristo, Conceição. “Poemas da recordação e outros movimentos”. Belo Horizonte: Nandyala, 2008. Do velho ao jovem. Disponível: http://www.revistaprosaversoearte.com/conceicao-evaristo-poemas/.

FLICK. Ewe. Introdução à pesquisa qualitativa. – 3ª. ed.- Porto Alegre: Artmed, 2009.

GIFFIN, Karen Mary. Produção do conhecimento em um mundo "problemático": contribuições de um feminismo dialético e relacional. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 14, n. 3, p. 635-653, Dec. 2006 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2006000300004&lng=en&nrm=iso>. access on 30 Jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2006000300004.

GIIL, Scherto e GOODSON, Ivor. Métodos de história de vida e narrativa. In. SOMEKH, Bridget e LEWIN, Cathy (Orgs). Teoria e Métodos de Pesquisa Social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015, p. 215-224.

GOLDENBERG, M.: A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais- 2ª ed. – Rio de janeiro: Record,1998.

GONZALÉZ. Lélia. Por un feminismo afrolatinoamericano. Santiago, Revista Isis International. Vol. IX, junio, 1988, Chile, MUDAR/DAWN, p. 133-141.

HAGUETTE, T. M, F. Metodologias qualitativas na sociologia. – 11.ed.- Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

JOVCHELOVITCH, S; BAUER, M. W. Entrevista Narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.p. 90-113.

LANGNESS, L, L, A História de Vida na Ciência Antropológica (tradução de Heloisa Previdello) - São Paulo, EPU, 1973. (Antropologia e sociologia).

LENOIR, Remi. Objeto sociológico e problema social. In: CHAMPAGNE, Patrick; LENOIR, Remi; MERLLIÉ, Dominique. Iniciação à prática sociológica. Petrópolis: Vozes, 1998.

LIMA, Toni Barreto; SOUZA, Milena Cristina Aragão Ribeiro de. Castigos escolares: práticas e significados de professoras da educação infantil. Anais 8º ENFOPE, v. 9, n. 1 (2016). Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/issue/archive. Acesso em: 20 jan. 2020.

LIMA, Jaqueline da Silva. “Marias” do rural alagoano: A [in] visibilidade do trabalho em face da opressão patriarcal. In: DIAS, Alfrancio Ferreira; Santos, Elza Ferreira; CRUZ, Maria Helena Santana (orgs.). Gêneros, Feminismos, Poderes e Políticas Públicas: Investigações contemporâneas. [Gênero e Ruralidades]. 19º Encontro Internacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre Mulher e Relações de Gênero. Realize: Campina Grande-PB, 2016, p. 3891-3904.

LIMA, Márcia; PRATES, Ian. Emprego doméstico e mudança social Reprodução e heterogeneidade na base da estrutura ocupacional brasileira. Tempo soc., São Paulo , v. 31, n. 2, p. 149-172, May 2019 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702019000200149&lng=en&nrm=iso>. access on 25 Jan. 2020. Epub Aug 29, 2019. http://dx.doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.149291.

LISBOA, Tereza Kleba. Violência de gênero, políticas públicas para o seu enfrentamento e o papel do serviço social. Temporalis. Brasília (DF), ano 14, n. 27, p. 33-56, jan./jun. 2014.

MACHADO, Marta Rodriguez de Assis et al. A violência doméstica fatal: O problema do feminicídio íntimo no Brasil. Brasília: Ministério da Justiça, 2015.

MARIN, Joel Orlando Bevilaqua. Infância rural e trabalho infantil: concepções em contexto de mudanças. Desidades, Rio de Janeiro, n. 21, p. 46-58, dez. 2018 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2318-92822018000400004&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 16 jan. 2020.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução Yara Aun Khoury. Proj. História, São Paulo, (10), dez,1993, pp. 7-28.

PARENTE, Temis Gomes. Gênero e memória de mulheres desterritorializadas. ArtCultura, Uberlândia, v. 9, n. 14, p. 99-111, jan.-jun. 2007.

PASINATO, Wânia. Acesso à justiça para mulheres em situação de violência. Um estudo de caso sobre a Delegacia da Mulher e a rede de enfrentamento a violência de Belo Horizonte. Anais 34º Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu: MG, 2010, p. 1-30.

_______. “Femicídios” e as mortes de mulheres no Brasil. cadernos pagu (37), julho-dezembro de 2011: 219-246.

PAZ, Potiguara de Oliveira. Feminicídios Rurais: Uma análise de gênero. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 30, n. 2, p. 1-11, abr./jun. 2016.

PERON, Ana Paula. As imagens da violência conjugal nos relatos e nos registros de uma Delegacia da Mulher. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder, 2008. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST60/Ana_Paula_Peron_60.pdf. Acesso em: 27 jan. 2020.

PERROT, Michelle. Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiencia. In. Cadernos Pagu, n. 4, 1995. p. 9-28

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silencio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 3-15.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira. Relatos Orais: do “indivizível” ao “divizível”. In VON SIMSON, Olga de Moraes. Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice/Ed. Revista dos Tribunais, 1988, p. 14-41.

RAMOS, Crystiane Pontes. Mulheres rurais atuando no fortalecimento da agricultura familiar local. Gênero. Niterói | v.15 | n.1 | p. 29-46 | 2.sem.2014.

ROJAS, Juana Eugenia Arias. O indizível e o dizível na história oral. MARTINELLI, Maria Lúcia (Org.). Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras, 1999, p. 87-88.

ROMANELLI, G. A entrevista antropológica: troca e alteridade. In: Geraldo Romanelli; Zélia Maria Mendes Biasoli Alves. (Org.). Diálogos metodológicos sobre prática de pesquisa. 1ª ed. Ribeirão Preto- SP: Ed. Legis Summa Ltda, 1998, p. 119-133.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, Patriarcado, Violência. - São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo – 2004, (Coleção Brasil Urgente).

SALVATICI, Silvia. Memórias de gênero: reflexões sobre a história oral de mulheres. História Oral, v. 8, n. 1, p. 29-42, jan-jun 2005. Disponível: http://revista.historiaoral.org.br/index.php? journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=114&path%5B%5D=109.Acesso em:23/09/17.

SANTOS, Cristiane dos A arte de partejar: o legado das parteiras tradicionais como herança ancestral e os impactos para a saúde das mulheres. GELEDÉS, 2016. Disponível em: https://www.geledes.org.br/arte-de-partejar-o-legado-das-parteiras-tradicionais-como-heranca-ancestral-e-os-impactos-para-saude-das-mulheres/. Acesso: 12 out. 2017.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. DA CRÍTICA FEMINISTA À CIÊNCIA A UMA CIÊNCIA FEMINISTA? Disponível em: http://www.neim.ufba.br/wp/wp-content/uploads/2013/11/feminismocienciencia.pdf. Acesso em: 02 abr. 2016.

SILVA, Isabel de Oliveira e; LUZ, Iza Rodrigues da. Educação Infantil e Famílias Residentes em Áreas Rurais: Demandas e concepções em dois municípios do Brasil. Cad. CEDES, Campinas , v. 37, n. 103, p. 303-318, Dec. 2017 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622017000300303&lng=en&nrm=iso>. access on 16 Jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/cc0101-32622017176090.

SILVA, Valdir Pierote; BARROS, Denise Dias. Método história oral de vida. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v. 21, n. 1, p. 68-73, jan./abr. 2010.

SIQUEIRA, Ana Elizabeth Souza Silveira de. Trajetórias e experiências de mulheres agricultoras. In: DIAS, Alfrancio Ferreira; Santos, Elza Ferreira; CRUZ, Maria Helena Santana (orgs.). Gêneros, Feminismos, Poderes e Políticas Públicas: Investigações contemporâneas. [Gênero e Ruralidades]. 19º Encontro Internacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre Mulher e Relações de Gênero. Realize: Campina Grande-PB, 2016, p. 3878-3890.

SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero um depoimento. cadernos pagu (11) 1998: p.77-87. Disponível:https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634464/2388. Acesso 31 jan. 2020.

SOUZA, Edinelia Maria Oliveira. História oral, memórias e campesinato negro/mestiço na Bahia pós-abolição. História Oral, v. 16, n. 2 (2013), p. 55-71. Disponível: http://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=310. Acesso 31 jan. 2020.

TAVARES, Márcia Santana. Com açúcar e sem afeto: a trajetória de vida amorosa de mulheres das classes populares em Aracaju/SE. Serv. Soc. Soc., São Paulo , n. 101, p. 121-145, mar. 2010 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282010000100007&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 23 jan. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282010000100007

TEDESCHI, Lisandro, Antonio Os lugares da História Oral e da Memória nos Estudos de Gênero. OPSIS, Catalão, v. 15, n. 2, p. 330-343, 2015. Disponível: https://www.revistas.ufg.br/Opsis/article/view/33931/20055#.WirmTlWnHIU. Acesso em: 29 jan. 2020

Tereza de Benguela, uma heroína negra. Disponível em: ttps://www.geledes.org.br/tereza-de-benguela-uma-heroina-negra/ Acesso em:

THOMPSON, Paul. A voz do passado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

2020-10-17

Como Citar

FRANCO, M. A. C.; TAVARES, M. S. MINHA VIDA NÃO É FOLHA DE PAPEL EM BRANCO: revisitando memórias de uma trabalhadora rural. Revista Feminismos, [S. l.], v. 7, n. 2, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/38667. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Justiça Reprodutiva