GÊNERO E TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS DISCURSOS DO BANCO MUNDIAL E DA OIT

Autores

  • Rani Santos de Andrade Universidade Federal de São Paulo
  • Fernanda Ely Matsuda

Resumo

O objetivo do artigo é analisar as diferentes concepções sobre igualdade de gênero nas relações de trabalho a partir de um estudo comparativo entre duas organizações internacionais, a Organização Internacional do Trabalho e o Banco Mundial. Para isso, o estudo faz uso do método de análise de discurso sobre as trajetórias institucionais das Organizações e dois documentos principais: os relatórios Women, Business and the Law (Banco Mundial, 2018) e World Employment and Social Outlook: Trends for Women (OIT, 2018). Portanto, busca-se identificar e comparar quais paradigmas feministas estão presentes e quais são suprimidos nos discursos, nas agendas e recomendações da OIT e do Banco Mundial. Além de uma breve articulação entre as teorias dominantes das Relações Internacionais e as teorias feministas da área, nas quais as Organizações em estudo estão postas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rani Santos de Andrade, Universidade Federal de São Paulo

Bacharela em Relações Internacionais pela Escola Paulista de Política Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo, no ano de 2018.

Fernanda Ely Matsuda

É professora adjunta da Universidade Federal de São Paulo, coordenadora do Núcleo de Apoio ao Estudante (Campus Osasco) e coordenadora do projeto de educação popular em direitos Promotoras Legais Populares (São Paulo). É doutora (2016) e mestre (2010) pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Possui graduação em Direito (2002) pela Universidade de São Paulo e graduação em Ciências Sociais (2012) também pela Universidade de São Paulo.

Referências

AGUIAR, Diana. As redes feministas transnacionais e as Organizações internacionais: diferentes Visões do processo de desenvolvimento. Cena Internacional, vol. 9, nº 1, pp. 140-165. 2007.

BANCO MUNDIAL. Women, Business and the Law 2018. [online] Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/926401524803880673/Women-Business-and-the-Law-2018

Acesso em: Agosto de 2018.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 1ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, Tássia Camila de Oliveira; RIBEIRO, Renata Albuquerque; SILVA, Danielle Costa da. A Análise de Conteúdo de pronunciamentos oficiais como Metodologia interpretativa da Política Externa Brasileira. Revista Eletrônica de Ciência Política, vol. 6, n. 2, p. 346 – 363. 2015.

CORRÊA, Sonia; ALVES, José Eustáquio Diniz; JANNUZZI, Paulo de Martino. Direitos e saúde sexual e reprodutiva: marco teórico-conceitual e sistema de indicadores. In: CAVENAGHI, Suzana (Org.). Indicadores municipais de saúde sexual e reprodutiva, Rio de Janeiro: ABEP, Brasília: UNFPA, 2006, pp. 27-62.

DANTAS, Aline Chianca; LEITE, Alexandre César Cunha. A análise de discurso como abordagem metodológica nas Relações Internacionais: a influência do Discurso de Segurança Humana na Política Externa Japonesa. Carta Internacional Publicação da Associação Brasileira de Relações Internacionais, v. 10, n. 2, pp. 163 – 180, julho-dezembro. 2015.

FOUCAULT, Michel. A hipótese repressiva. In: FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1 – A vontade de saber, Rio de Janeiro: Graal, 1998. pp. 19-50.

FRASER, Nancy. A justiça social na globalização. Revista Crítica de Ciências Sociais, Nova Iorque, v.63, pp. 7-20, Outubro. 2002.

HERZ, Mônica; HOFFMANN, Andrea Ribeiro. Cooperação Funcional. In: HERZ, Mônica; HOFFMANN, Andrea Ribeiro. Organizações Internacionais – História e Práticas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. pp. 41-78.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 1, pp. 61-73, junho. 2014.

MIGUEL, Luís Felipe. Teoria política feminista e liberalismo: o caso das cotas de representação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 44, pp. 91-102, Outubro. 2000.

MOSER, Caroline O.; TORNQVIST, Annika; BRONKHORST, Bernice Van. Mainstreaming Gender and Development in the World Bank: Progress and Recommendations. Washington D.C.: World Bank, 1999.

ONU Mulheres (Brasil). Conferências Mundiais da Mulher. [online] Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/planeta5050-2030/conferencias/.

Acesso em: Agosto de 2018.

Organização Internacional do Trabalho. A abordagem da OIT sobre a Promoção da Igualdade de Oportunidades e Tratamento no Mundo do Trabalho. [online] Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/publicacoes/WCMS_229490/lang--pt/index.htm

Acesso em: Agosto de 2018.

Organização Internacional do Trabalho. World Employment and Social Outlook: Trends for Women 2018. [online] Disponível em: https://www.ilo.org/global/research/global-reports/weso/trends-for-women2018/WCMS_619577/lang--en/index.htm

Acesso em: Agosto de 2018.

PEREIRA, João Márcio Mendes. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008). Tese (doutorado em História). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009. 386.

PIERUCCI, Antônio Flávio. A diferença faz diferença, ou: a produtividade social da diferença. In: PIERUCCI, Antônio Flávio. Ciladas da diferença, São Paulo: PPGS-FFLCH-USP/Ed. 34, 2000. pp. 119 49.

RIBEIRO, Dillyane de Sousa. Gênero e Desenvolvimento na perspectiva do Banco Mundial: a instrumentalização das mulheres para a realização da agenda neoliberal. Monografia (bacharel em Direito). Faculdade de Direito, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013. 88.

SILVA, M.D.C. . A equidade de gênero na agenda de desenvolvimento do Banco Mundial. In: XXIX Simpósio Nacional de História da Anpuh: contra os preconceitos: História e Democracia., 2017, Brasília, Distrito Federal. Anais do XXIX Simpósio Nacional de História - contra os preconceitos: história e democracia, 2017. Disponível em: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502852384_ARQUIVO_AEQUIDADEDEGENERONAAGENDAPOLITICADOBANCOMUNDIAL.pdf

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, pp. 71-99, julho-dezembro. 1995.

SCOTT, Joan W. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, Florianópolis v. 13, n. 1, pp. 11-30, janeiro-abril. 2005.

TEIXEIRA, Marilane. O desmonte trabalhista e previdenciário: reinventando novas formas de desigualdades entre os sexos. [online] Disponível em: https://www.fes-brasil.org/publicacoes/?tx_digbib_digbibpublicationlist%5BpageIndex%5D=5

Acesso em: Abril de 2018.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira. O que gera e perpetua a segregação, a discriminação e as desigualdades salariais. In: LEONE, Eugenia Troncoso; KREIN, José Dari; TEIXEIRA, Marilane Oliveira (Orgs.). Mundo do Trabalho das Mulheres – ampliar direitos e promover a igualdade. São Paulo: Sec. Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres/Campinas: Unicamp IE Cesit, 2017. pp. 107-24.

THOME, Candy Florencio. O Princípio da Igualdade em Gênero e a Participação das Mulheres nas Organizações Sindicais de Trabalhadores. Tese (doutorado em Direito). Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. 344.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, pp. 460-482. 2001.

WHITWORTH, Sandra. Gender, international relations and the case of the ILO. Review of International Studies, Cambridge, v. 20, n. 4, pp. 389-405, Outubro. 1994.

YANNOULAS, Silvia Cristina. Dossiê: Políticas Públicas e relações de gênero no mercado de trabalho. CFEMEA/FIG-CIDA Projeto Relações de Gênero no Mundo do Trabalho: Direitos e Realidades, Brasília, 2002.

ZABALA, I.E. La perspectiva de género en los análisis y en las políticas del Banco Mundial: su evolución y sus limites. Tese (doutorado em Economia Aplicada) Faculdade de Ciências Econômicas e Empresariais, Universidade do País Basco, Bilbau, 2005. 473.

Downloads

Publicado

2020-11-10

Como Citar

ANDRADE, R. S. de; MATSUDA, F. E. GÊNERO E TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS DISCURSOS DO BANCO MUNDIAL E DA OIT. Revista Feminismos, [S. l.], v. 7, n. 3, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30670. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos