Alunos ingressantes e as relações de gênero na universidade

Autores

  • Edevania Trevizan Universidade Tecnológica federal do Paraná
  • Magela Reny Fonticiella Gómez Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Resumo

A escola é um espaço social e, como tal, é atravessado por representações de gênero. Apesar dos avanços em diversas áreas e profissões, a ciência moderna, ainda, é caracterizada como androgênica e excludente pela manutenção de redutos masculinos. A análise do artigo baseia-se nos percentuais da participação feminina em relação ao número de alunos ingressantes nos cursos de Engenharias, Ciência da Computação e Licenciatura em Química. Depreende-se do trabalho desenvolvido que apesar da evolução, ainda, está fortemente arraigado a masculinização de algumas profissões, em detrimento de outras consideradas femininas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edevania Trevizan, Universidade Tecnológica federal do Paraná

Doutoranda em Educação pelo Programa da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP- Câmpus de Marília, Mestre em Educação pela UNESP Campus Marília. Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) (2004). Especialização em Fundamentos Filosóficos e Políticos da Educação pela Unioeste (2007). Tem experiência na área de Educação, atuando como professor pedagogo no Estado do Paraná, durante os anos de 2005 a 2010. Atualmente é Técnica em Assuntos Educacionais da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Medianeira.

Magela Reny Fonticiella Gómez, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutoranda em Educação na UNESP Campus Marília. Mestrado em Educação pela UNESP Campus Marília. Graduada em Tecnologia em Alimentos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2001), Especialização em Metodologia no Ensino da Química, Formação de professores, e Auditora em Qualidade e Auditoria Interna. Trabalha na Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Medianeira no Núcleo Psicopedagógico e Assistência Estudantil da UTFPR Câmpus Medianeira. Coordenadora do ENEM, ENADE e PROVA BRASIL no município de Medianeira. Trabalha na área de Educação como membro de comissões nas Políticas Educacionais, Políticas Sociais e Culturais da instituição.

Residente no município de medianeira, Paraná, Brasil.

Referências

BARRETO, Andreia. A mulher no ensino superior distribuição e representatividade. Cadernos do GEA (Grupo estratégico de análise da educação superior no Brasil), Rio de Janeiro, n. 6, jul./dez. 2014.

BELTRÃO, Kaizô Iwakami; ALVES, José Eustáquio Diniz. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, v. 39, n. 136, p. 125-156, jan./abr. 2009.

CABRAL, Carla Giovana; BAZZO, Walter Antonio. As Mulheres nas Escolas de Engenharia Brasileiras: História, Educação e Futuro. Revista de Ensino de Engenharia, ABENGE, v. 24, n. 1, p. 3-9, 2005.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de. "Gênero e carreiras universitárias: o que mudou?" Trabalho apresentado no Seminário Internacional Fazendo Gênero 7. UFSC, 28 a 30, ago. 2006.

CASAGRANDE, Lindamir Salete. Entre silenciamentos e invisibilidades: relações de gênero no cotidiano das aulas de matemática. 2011. 261 f. Tese (Doutorado em Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

GOUVÊA, Leda Aparecida Vanelli Nabuco de; NOMA, Amélia Kimiko. A educação feminina na perspectiva de agências multilaterais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 12, n. 45, p. 263-280, mar. 2012.

HIRATA, Helena. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, Campinas, s/v, n. 17/18, p.139-156, 2002.

HIRATA, Helena. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v.1, n.132, set/dez, p. 595-609, 2007.

LEITE, José Carlos Corrêa (org.). UTFPR: uma história de 100 anos. Curitiba: Ed. UTFPR, 2010.

LIMA, Michelle Pinto. As mulheres na ciência da computação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n.3, p.793-816, set/dez, 2013.

LOMBARDI, Maria Rosa. A engenharia brasileira contemporânea e a contribuição das mulheres nas mudanças recentes do campo profissional. Revista Tecnologia e Sociedade. Curitiba, v. 2, n. 2, p. 109-131, jan./jun. 2006.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e magistério: identidade, história e representação. In: CATANI, Denice et al. Docência, Memória e Gênero: estudos sobre formação. 4. ed. São Paulo: Escrituras, 2003.

MADSEN, Nina. A construção da agenda de gênero no sistema educacional brasileiro (1996 a 2007). Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília. Brasília: 2008.

MESQUITA, Rodrigo Salera; GONÇALVES, Raquel Quirino. Divisão sexual do trabalho na engenharia: contribuições do programa Ciência sem Fronteiras. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. Trad. FUZATTO, Ana Venite. São Paulo: Moderna; Campinas: Editora da UNICAMP, 1999.

MUZI, Joyce Luciane Correia. De escola de aprendizes à universidade tecnológica: desvelando a participação das mulheres na história de uma instituição de educação profissional. 2011. 236 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2011. Disponível em:<http://files.dirppg.ct.utfpr.edu.br/ppgte/dissertacoes/2011/ppgte_dissertacao_341_2011.pdf>. Acesso em: 20 out. 2017.

OLINTO, Gilda. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, DF, v. 5 n. 1, p. 68-77, jul./dez. 2011.

Rago, Margareth. Epistemologia Feminista, Gênero e História. In: Pedro, Joana; Grossi, Miriam. (orgs.) Masculino, Feminino, Plural. Florianópolis, Ed. Mulheres, 1998. Disponível em: http://projcnpq.mpbnet.com.br/textos/epistemologia_feminista.pdf. Acesso em 15 de outubro de 2017.
ROSA, Mislene Aparecida Gonçalves; QUIRINO, Raquel Gonçalves. Relações de gênero na ciência e tecnologia (c&t): estudo de caso de um Centro Federal de Educação Tecnológica. Revista Diversidade e Educação, v.4, n.8, p. 42-55, jul./dez. 2016

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Revista Estudos Feministas, n. 2. Florianópolis, jun./set. 2001, pp.515-540.

SAFFIOTI, Heleieth. Rearticulando Gênero e Classe social. In: BRUSCHINI, Cristina; COSTA, Albertina de Oliveira (Orgs.). Uma questão de Gênero. São Paulo: Rosa dos Tempos; Fundação Carlos Chagas. 1992. p. 183-215.

SARAIVA, Karla. Produzindo engenheiras. Revista de Ensino de Engenharia, Abenge, v. 27, n. 1, p. 48-56, 2008.

Downloads

Publicado

2020-10-17

Como Citar

TREVIZAN, E.; GÓMEZ, M. R. F. Alunos ingressantes e as relações de gênero na universidade. Revista Feminismos, [S. l.], v. 7, n. 1, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30344. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos