AÇÕES FEMININAS NOS PROCESSOS CRIMES: RESISTÊNCIA COTIDIANA, VIOLÊNCIA E RESSIGNIFICAÇÃO (ALTO SERTÃO DA BAHIA, 1900-1930).

Autores

  • Marcos Profeta Ribeiro Universidade do Estado Da Bahia

Resumo

Este artigo objetiva analisar atuações de mulheres cujas ações as colocaram cotidianamente em oposição a um conjunto de normas sociais coercitivas e violentas sobre seus corpos. Através da análise de processos crimes, envolvendo os segmentos sociais mais pobres, residentes no alto sertão baiano nas três primeiras décadas do século XX, esta pesquisa pretende esmiuçar fragmentos de trajetórias femininas a partir de três casos exemplares, que nos possibilitam enxergá-las para além das normas sociais vigentes. Sem desconsiderar a intensidade das violências sofridas por elas, este estudo é pautado pela incessante ressignificação de conceitos, a fim de destacar o caráter perenemente insubmisso dos agires femininos no alto sertão baiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Profeta Ribeiro, Universidade do Estado Da Bahia

Professor Assistente do Colegiado de História do Departamento de Ciências Humanas (DCH), da Universidade do Estado da Bahia, campus VI, Caetité. Membro do Grupo de Pesquisa Cultura, Sociedade e Linguagem (GPCSL/CNPq).

Referências

BARROS, José D’Assunção. O campo da história: especialidades e abordagens. Petrópolis: Vozes, 2004.

BESSE, S. K. Crimes passionais: a campanha contra os assassinatos de mulheres no Brasil. 1910-1940. In: Revista Brasileira de História. São Paulo: vol. 9, nº 18, ago/set 1989, p. 181-197.
BOSI, Ecléa. As outras testemunhas. In: DIAS, Maria Odila. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 2. ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 1995.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do pós-modernismo. In: Cadernos Pagu. Campinas, nº 11. 1998, p 11-42.

CAULFIELD, Sueann. Em defesa da honra: moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940). Campinas: Editora Unicamp, 2000.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Teoria e método dos estudos feministas: perspectiva histórica e hermenêutica do cotidiano. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, C. (Orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.

_______. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 2. ed. rev. São Paulo: Brasiliense, 1995.

GINZBURG, Carlo. A micro história e outros ensaios. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. In: Estudos Feministas. Florianópolis, nº 1, 1993, p. 7-32.

KOSELLECK. Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Ed. PUC – Rio, Contraponto, 2006.
NOGUEIRA, Maria Lúcia S. Porto. Mulheres, história e literatura em João Gumes: alto sertão da Bahia, 1897-1930. São Paulo: Intermeios, 2015.
PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.
PIRES, Maria de Fátima Novaes. Fios da vida: tráfico interprovincial e alforrias nos sertoins de sima – BA (1860-1920). São Paulo: Editora Annablume, 2009.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar, Brasil 1989-1830. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1985.

_______. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890 – 1930). São Paulo: Paz e Terra, 2008.

SAMARA, Eni de Mesquita. Casamento e papeis familiares em São Paulo. In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo, nº 37, maio1981, p 17-25.

SANTOS, Paulo Duque. Légua tirana: sociedade e economia no alto sertão da Bahia. Caetité, 1890-1930. 2014. 334 f. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo – Sp, 2014.
SCOTT, Joan Wallach. “Prefácio a gender and politics of history”. In: Cadernos Pagu. Campinas, n.3, 1994, p. 11-27.

______. A invisibilidade da experiência. In: Revista Projeto História. São Paulo, nº 16, fevereiro de 1998, p. 297-325.

SOIHET, Rachel. O corpo feminino como lugar de violência. In: Revista Projeto História. São Paulo, nº 25, dezembro de 2002, p. 269-289.

SWAIN, Tânia Navarro. Mulheres, sujeitos políticos: que diferença é esta? In: SWAIN, T; MUNIZ, D. Mulheres em ação: práticas discursivas, práticas políticas. Florianópolis: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2005.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Downloads

Publicado

2017-11-15

Como Citar

RIBEIRO, M. P. AÇÕES FEMININAS NOS PROCESSOS CRIMES: RESISTÊNCIA COTIDIANA, VIOLÊNCIA E RESSIGNIFICAÇÃO (ALTO SERTÃO DA BAHIA, 1900-1930). Revista Feminismos, [S. l.], v. 5, n. 1, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30138. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos