Extensão Universitária e Serviço Social: uma experiência exitosa no trabalho junto ao processo transexualizador no Rio de Janeiro

Autores

  • Marcia Cristina Brasil Santos Universidade do estado do Rio de Janeiro
  • Guilherme da Silva Almeida Professor – Doutor da Universidade do Estado do Rio de janeiro.

Resumo

A extensão universitária pode se configurar como um importante elemento dinamizador e potencializador de programas e ações profissionais existentes na realidade social no entorno da Universidade. É o que tem acontecido no caso específico que ora destacamos e onde se apresenta um relato de experiência sobre o processo de troca de vivencias e conhecimentos propiciados pela assessoria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro à equipe técnica de assistentes sociais integrantes da equipe técnica da Unidade de Atenção Especializada no Processo Transexualizador daquele Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Cristina Brasil Santos, Universidade do estado do Rio de Janeiro

Assistente social do Hospital Universitário Pedro ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e professora substituta da escola de Serviço Social da  Universidade Federal Fluminense. Mestre em serviço social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordenadora Técnica Ambulatorial da Unidade de Atenção  Especilizada no Processo Transexualizador do Rio de Janeiro.

Guilherme da Silva Almeida, Professor – Doutor da Universidade do Estado do Rio de janeiro.

Professor – Doutor da Universidade do Estado do Rio de janeiro. Assessor técnico e acadêmico da equipe de serviço social da Unidade de Atenção Especializada no Processo Transexualizador do Hospital Universitário Pedro Ernesto do HUPE/UERJ.

Referências

ALMEIDA, G. S. “Repercussões sociais da assistência à saúde transexual”. In: Eloísio Alexsandro da Silva (org.). Transexualidade: princípios de atenção integral à saúde. 01 ed. Rio de Janeiro: Santos- Grupo GEN, 2011, V., p. 01-260;
ARÁN M, LIONÇO T, MURTA D, VENTURA M, LIMA F, GONÇALVES L. Transexualidade e saúde pública: acúmulos consensuais de propostas para atenção integral. Rio de janeiro, IMS/UERJ, 2008.
ARÁN, M. “Transexualidade e políticas públicas no Brasil”. Anais do Seminário Fazendo Gênero 8- corpo, violência e poder, Florianópolis, 2008.
BENTO, B. A (re) invenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond/CLAM, 2006.
BENTO, B. O que é Transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.
BENTO, B & PELUCIO, L. Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, 20(2): 256 maio-agosto/2012.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 1707 de 18 de agosto de 2008. Brasília: Diário Oficial da União de 19 de agosto de 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 457 de 19 de agosto de 2008. Brasília: Diário Oficial da União de 19 de agosto de 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria SAS/MS nº 55 de 24/02/1999
BRASIL. Lei Orgânica da Saúde. Lei n. 8080 de 19 de setembro de 1990.
BRAVO, Maria Inês Souza et al. Política de saúde na atual conjuntura: modelos de gestão e agenda para a saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro: Rede Sirius/Adufrj-SSind,2008
BRAVO, Maria Inês Souza. “Política de Saúde no Brasil”. In: Mota, Ana Elisabete et al. (orgs.). Serviço Social e Saúde. São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, Cortez, 2006.
BUTLER, Judith. “Desdiagnosticando o gênero”. Revista Physis, Rio de Janeiro: v.19, n.1, p. 96-126, 2009.
CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social, 1993.
CFESS. Parâmetros para a Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde.
CFESS, Brasília, 2010.
DUARTE, Marco José de Oliveira. “Diversidade sexual e Política Nacional de Saúde Mental: contribuições pertinentes dos sujeitos insistentes”. Revista Em Pauta n. 28. Rio de Janeiro: FSS/UERJ, 2011.
HEILBORN, Maria Luiza. "De que gênero estamos falando?” In: Sexualidade, gênero e Sociedade ano 1, n° 2 CEPESC/IMS/UERJ, 1994.
LIONÇO, Tatiana. “Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios”. Physis Revista de Saúde
Coletiva, Rio de Janeiro, n. 19, vol. 1, p. 43-63, 2009.
LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Porto Alegre: Editora Autêntica, 1999.
MACHADO M, MONTEIRO E, QUEIROZ D, VIEIRA N, BARROSO M. "Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS - uma revisão conceitual". Ciência & Saúde Coletiva n. 12, vol. 2, p. 335-342, 2007.
MARTINS DE SÁ, J. L. "Apresentação". In: MARTINS DE SÁ, J.L. (org). Serviço Social e interdisciplinaridade: dos fundamentos à prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 1995.
MATTOS, Rubem. “Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos”. In: PINHEIRO, Roseni; MATTOS, Rubem Araújo de. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS/UERJ/ABRASCO, 2001, p. 39-64.
MELO A. ALMEIDA, G. “Interdisciplinaridade: possibilidades e desafios para o trabalho profissional”. In: CFESS/ABEPSS. Capacitação em Serviço Social. Brasília:
CFESS/UnB, módulo 4, 2000.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (orgs). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.
MINAYO, Maria Cecília de Souza “Interdisciplinaridade: uma questão que atravessa o saber, o poder e o mundo vivido”. Rio de Janeiro, Revista de Saúde Pública, v.24, n. 2, p. 70-77, abr/jun. 1991.
SCOTT, Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS, v.16,1990

Downloads

Publicado

2015-05-07

Como Citar

BRASIL SANTOS, M. C.; ALMEIDA, G. da S. Extensão Universitária e Serviço Social: uma experiência exitosa no trabalho junto ao processo transexualizador no Rio de Janeiro. Revista Feminismos, [S. l.], v. 3, n. 1, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30062. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Justiça Reprodutiva