"Agora Eu Posso": empoderamento de operárias da construção civil na perspectiva da autonomia econômica

Autores

  • Maria Celeste Landerdahl Universidade Federal de Santa Maria - RS
  • Stela Maris de Mello Padoin Universidade Federal de Santa Maria - RS
  • Wilza Vieira Villela Universidade Federal de São Paulo - SP.

Resumo

RESUMO: O artigo aborda o empoderamento de mulheres associado à autonomia econômica como uma das repercussões do trabalho de operárias da construção civil. Apoiado em pesquisa empírica com oito mulheres pobres e de baixa escolaridade em um município do interior do Rio Grande do Sul. Produção dos dados  mediada pela História Oral Temática. Análise  do Discurso de tradição francesa guiou a análise. No campo dos deslocamentos, ante processos discursivos polissêmicos, o empoderamento das participantes relaciona-se ao consumo. Esse novo lugar pode conduzi-las à autonomia e potencializar outras habilidades para lidar com a vida. A liberdade econômica isoladamente não gera transformações nas relações de gênero recomendada em políticas públicas. É necessário investir em iniciativas que estimulem o empoderamento coletivo nas políticas de desenvolvimento para mulheres, com envolvimento em movimentos sociais como os feministas.

 

Palavras-chave: Trabalho Feminino, Análise do Discurso, Empoderamento, Autonomia Econômica, História Oral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Celeste Landerdahl, Universidade Federal de Santa Maria - RS

Curso de Enfermagem.

Área: Saúde das Mulheres, gênero, violência contra as mulheres, empoderamento de mulheres, saúde coletiva.

Stela Maris de Mello Padoin, Universidade Federal de Santa Maria - RS

CURSO DE ENFERMAGEM

SAÚDE DAS MULHERES, AIDS

Wilza Vieira Villela, Universidade Federal de São Paulo - SP.

Escola Paulista de Medicina, Departamento de Medicina Preventiva.

 

Referências

AGENDE – Ações em Gênero, Cidadania e Desenvolvimento e Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher da Universidade de Brasília. O programa bolsa família e o enfrentamento das desigualdades de gênero. [online]. Disponível em: http://www.ipundp.org/doc_africa_brazil/Webpage/missao/Pesquisas/PESQUISA_MULHER.pdf>. Acesso em: 10.01.14.


BANDEIRA, L. Fortalecimento da secretaria de políticas para as mulheres para avançar na transversalização da perspectiva de gênero nas políticas públicas. In: MELO, H. P.; BANDEIRA, L. A pobreza e as políticas de gênero no Brasil. Serie mujer Y desarrollo. CEPAL. Nações Unidas, 2005.

BERTAUX, D. Narrativas de vida: a pesquisa e seus métodos. Tradução: Zuleide Alves Cardoso Cavalcante e Denise Maria Gurgel Lavallée. Natal/RN: EDUFRN. São Paulo: Paulus, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Plano de ação 2004-2007. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

______. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013.

______. Secretaria de Políticas do Trabalho e Autonomia Econômica das Mulheres – SAE. [online] Disponível em: <http://www.spm.gov.br/secretaria-de-politicas-do-trabalho-e-autonomia-economica-das-mulheres>. Acesso em 15 jul. 2014.

CARVALHO, S. R. Os múltiplos sentidos da categoria “empowerment” no projeto de promoção à saúde. Cad. Saúde Pública, v. 20, n. 4, p. 1088-1095, jul-ago, 2004.


CORNWALL, A. Apresentação: trilhas do empoderamento de mulheres. [online] Revista Feminismos, v.1, n. 2, mai.-ago.2013. Disponível em: www.feminismos.neim.ufba.br. Acesso em: ago. 2014.


DEER, C. D.; LEÓN, M. O empoderamento da mulher: direitos à terra e direitos de propriedade na América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 2002.

IÑIGUEZ, L. A. A Análise do discurso nas ciências sociais: variedades, tradições e práticas. In: IÑIGUEZ, L. (Coordenador). Manual de análise do discurso em ciências sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

KABBER, N. Contextualizando as trilhas econômicas do empoderamento de mulheres: resultados de um programa de pesquisa em diferentes países. [online] Revista Feminismos Salvador, v. .1, n.2, s.p mai./ago. 2013. Disponível em: http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/article/viewFile/51/58. Acesso em: out. 2014

KLEBA, M. E.; WENDAUSEN, A. Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política. Saúde e Sociedade. v. 18, n. 4. São Paulo, out.-dez. 2009.

LISBOA, T.K. Empoderamento de mulheres e participação na gestão de políticas públicas. I Anais do II Seminário Nacional Movimentos Sociais, Participação e Democracia. Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais. Florianópolis : UFSC., 2007.

MANINI, D. A crítica feminista à modernidade e o projeto feminista no Brasil dos anos 70 e 80. Cadernos AEL, n. 3/4, 1995/1996.

MEIHY, J. C. S.; HOLANDA, F. História Oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2011.

MEYER, E. D. Teorias e Políticas de Gênero: fragmentos históricos e desafios atuais. Rev Bras Enferm, Brasília (DF), v. 57, n. 1, p. 13-8, jan-fev, 2004.

NOGUEIRA, C. Análise(s) do discurso: diferentes concepções na prática de pesquisa em psicologia social. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 24, n. 2, p. 235-242, 2008.

ONU MULHERES. [online] Disponível em: http://www.unifem.org.br/005/00502001.asp?ttCD_CHAVE=8466. Acesso em: dez.2014

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 6 ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005.

RAGO, M. Epistemologia feminista, gênero e história. (sd). Disponível em: <http://www.moodle.ufba.br/file.php/12635/Carla_Akotirene/Epistemologia_Feminista.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2013.

REGO, W. D. L.; PINZANI, A. Vozes do Bolsa Família: autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: UNESP, 2013.

SÁNCHEZ, M.T.C. Empoderamiento femenino y políticas públicas, uma perspectiva desde lás representaciones sociales de gênero. Entramado. Cali, Colombia, v. 7, n. 2, p. 40-53. jul-dic, 2011.

SANTOS, B. S. Subjetividade, cidadania e emancipação. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra, Portugal, n. 32, junho 1991

______. Um discurso sobre as Ciências. 6. ed. São Paulo : Cortez, 2009

______. (Org). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

SARDENBERG, C.; CAPIBARIBE, F.; SANTANA, C. Tempos de mudança, vidas em mutação: o empoderamento de mulheres na Bahia através de gerações. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, 2008.

SCHEFLER, M.L. Gênero, autonomia econômica e empoderamento. O real e o aparente: sistematização de processos de investigação-ação e/ou de intervenção social. [online] Revista Feminismos.Salvador,v.1,n.3,set-dez,2013.Disponível em: www.feminismos.neim.ufba.br. Acesso em: dez. 2014.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. Tradução: Laura Teixeira Motta. Companhia das Letras. São Paulo. 2000.

TAVARES, R. Discurso. In: BRASIL, Ministério das Relações Exteriores. Autonomia econômica e empoderamento da mulher - textos acadêmicos. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011.

TESTA, M. G. et al. Análise da contribuição do Programa Bolsa Família para o enfrentamento da pobreza e a autonomia dos sujeitos beneficiários. Rev. Adm. Pública. Rio de Janeiro, v. 47, n. 6, p. 1519-541, nov-dez, 2013.

VERNIER, E. T. N. O empoderamento de cuidadoras de crianças com necessidades especiais de saúde: interfaces com o cuidado de enfermagem. (Tese de doutorado). Escola Anna Nery. UFRJ, 2007.

Downloads

Publicado

2016-06-29

Como Citar

LANDERDAHL, M. C.; PADOIN, S. M. de M.; VILLELA, W. V. &quot;Agora Eu Posso&quot;: empoderamento de operárias da construção civil na perspectiva da autonomia econômica. Revista Feminismos, [S. l.], v. 3, n. 2/3, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30059. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos