Significados e práticas preventivas do câncer de colo de útero entre mulheres de bairros populares de Salvador, Bahia: algumas contribuições da perspectiva geracional

Autores

  • Ana María Rico Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia

Resumo

O câncer do colo do útero (CCU) é uma doença evitável e tratável. No entanto, ele continua atingindo as mulheres no Brasil, traçando um perfil de morbi-mortalidade evitável e injusto que requer ser modificado. No intuito de aprimorar as estratégias preventivas, é necessário compreender os significados e as práticas preventivas das mulheres em maior risco e analisar criticamente os critérios que orientam as ações preventivas. Analisar-se-ão dados obtidos através de entrevistas semi-estruturadas com 15 mulheres residentes em um bairro popular de Salvador, Bahia. Este trabalho propõe analisar os significados e práticas preventivas do CCU entre estas mulheres, dando especial ênfase à dimensão geracional. Esta abordagem permite refletir sobre a concepção de “mulher” que subjaz às políticas preventivas e às ações dos serviços de saúde que, pelo fato de estarem dirigidas às mulheres em idade reprodutiva, tendem a negligenciar as mulheres de maior idade, que são justamente aquelas com maior risco de adoecer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana María Rico, Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia

Licenciatura em Sociologia pela Universidad Nacional de Buenos Aires (Argentina), especialização em Educação em Saúde pelo Ministério da Saúde (Argentina), ex-integrante da área de Avaliação do Programa Nacional de Prevenção do Câncer Cérvico-uterino (Argentina). Mestre em Saúde Coletiva e doutoranda em Saúde Pública (área de Ciências Sociais em Saúde) pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

AGUILAR-PÉREZ, José A. et al. Tamizaje en cáncer cervical: conocimiento de la utilidad y uso de citología cervical en México. Rev. Saúde Pública, São Paulo, 37(1), p. 100-106. 2003.
AGURTO Irene. et al. Perceived barriers and benefits to cervical cancer screening in Latin America. Preventive Medicine, San Diego, n39, p. 91-98. 2004.
ALVAREZ, Silvia Lamadrid. Aspectos socio-culturales de la sexualidad como factores obstaculizantes de la prevención secundaria del cáncer cérvico uterino. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 14 (Supl. 1), p. 33-40. 1998.
AMORIM, Vivian M.S.L. et al. Fatores associados à não realização do exame de Papanicolaou: um estudo de base populacional no Município de Campinas , São Paulo , Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(11), p.2329-2338. 2006.
ANDRADE, Márcia A.R.; FRANCH, Mónica. “Eles não estão mais pra nada”. Sexualidade e processos de envelhecimento na dinâmica do programa saúde da família. Mediações, Londrina, v. 17 n. 2, p. 41-56, Jul./Dez. 2012.
ARROSSI, Silvina; PAOLINO, Melisa, SANKARANARAYANAN, Rengaswamy. Challenges faced by cervical cancer prevention programs in developing countries: a situational analysis of program organization in Argentina. Rev. Panam. Salud Pública. 28(4), p. 249-257. 2010.
ASHING-GIWA, Kimlin T. et al. The impact of cervical cancer and dysplasia: a qualitative, multiethnic study. Psychooncology, 13 (10), p. 709-728. 2004.
BAHIA. Secretaria da Saúde do Estado. Diretoria de Informação e Comunicação em Saúde; Secretaria Municipal de Saúde/Sub-coordenação de Informações em Saúde. [online] Disponível em: http://www.tabnet.saude.salvador.ba.gov.br/deftohtm.exe?tabpop/populacao.def. Acesso em: fev. 2012.
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.
BINGHAM, Allison et al. Factors affecting utilization of cervical cancer prevention services in low-resource settings. Salud Pública de México, Morelos, 45(3), p. 408-416. 2003.
BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero. Diretrizes do rastreamento. Brasília: INCA, 1996. [online] Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/nobrasil/programa_nacional_controle_cancer_colo_utero/deteccao_precoce Acesso em fevereiro 2012. Acesso em: fev. 2012.
________________________. Instituto Nacional do Câncer. Revista Rede Câncer Nº 09, 2009. Nota de capa: O desafio feminino do câncer. [online] Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/revistaredecancer/site/home/n9/revista_9 Acesso em 30 jan. 2011.
________________________. Instituto Nacional do Câncer. Plano de ação para redução da incidência e mortalidade por câncer do colo do útero: sumário executivo. Rio de Janeiro, 2010.
________________________. Instituto Nacional do Câncer. Atlas da Mortalidade por câncer. Rio de Janeiro: INCA; 2011a. [online] Disponível em: http://mortalidade.inca.gov.br/Mortalidade/. Acesso em: fev. 2012.
________________________. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Informática do SUS (Datasus). Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM. [online] Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205. 2011b. Acesso em: set. 2011.
BRENNA, Silvia M.F. et al. Conhecimento, atitude e prática do exame de Papanicolaou em mulheres com câncer de colo uterino. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 17(4), p. 909-914. 2001.
CONRAD, Peter. The medicalization of society: on the transformation of human conditions into treatable disorders. Baltimore: John Hopkins University Press, 2007.
COSTA, Ana Maria; BAHIA, Ligia; CONTE, Danielle. 2007. A Saúde da Mulher eo SUS: laços e diversidades no processo de formulação, implantação e avaliação das políticas de saúde para as mulheres no Brasil. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 31, n. 75/76/77. P. 13-24, jan./dez. 2007.
DEBERT, Guita; BRIGEIRO, Mauro. Fronteiras de gênero e a sexualidade na velhice. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v27, n80, p. 37-54, out. 2012.
DELBES, Christiane; GAYMU, Joelle. Les families à quatre générations. Informations Sociales, Paris, v.32, p.8-12. 1993.
FERNANDES, José V. et al. Conhecimentos, atitudes e prática do exame de Papanicolaou por mulheres, Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública, São Paulo, 43(5), p. 851-858. 2009.
FERLAY, Jacques et al. GLOBOCAN 2008 v1.2, Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC CancerBase No. 10. Lyon: International Agency for Research on Cancer; 2010. [online] Disponível em: http://globocan.iarc.fr accessed on day/month/year. Acesso em: set. 2011.
FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. 2a. Edição. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
FYLAN, Fiona. Screening for cervical cancer: a review of women´s attitudes, knowledge and behaviour. British Journal of General Practice, v. 48, n. 433, p. 1509-1514. 1998.
HOWSON, Alexandra. Cervical screening, compliance and moral obligation. Sociology of Health & Illness, v. 21, n 4, p. 401-425. 1999.
INTERNATIONAL AGENCY FOR RESEARCH ON CANCER [IARC]. Cervix cancer screening. Handbooks of Cancer Prevention, v 10. Lyon: IARC Press. 2005.
LENOIR, Remi. Objeto sociológico e problema social. In: CHAMPAGNE, Patrick; LENOIR, Remi; MERLLIÉ, Dominique. Iniciação à prática sociológica. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 59-106.
LINS DE BARROS, Myriam. Autoridade e Conflito. In: Autoridade e afeto: avós, filhos e netos na família brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1987. p. 44-72.
LUPTON, Deborah. Medicine as culture: illness, disease and the body in western societies. London: SAGE, 1994.
MANNHEIM, Karl. O problema da juventude na sociedade moderna. In:___. Diagnóstico do nosso tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1961. p. 47-64.
MOTTA, Alda Brito da. Reinventando fases: a família do idoso. Cadernos CRH, Salvador, n. 29, p. 69-87, jul./dez. 1998.
___________________. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. Cadernos Pagu, Campinas, n. 13, p.191-221. 1999.
___________________. A atualidade do conceito de gerações na pesquisa sobre o envelhecimento. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, n. 2, p. 225-250. 2010.
ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Hoja Informativa del Programa Mujer, Salud y Desarrollo. Dez. 2001. [online] Disponível em: www.paho.org/Spanish/HDP/HDW/cervicalcancersp.doc Acesso em 30 jan. 2011.
PEIXOTO, Clarice Ehlers. Avós e netos na França e no Brasil. In: PEIXOTO, Clarice Ehlers; SINGLY, François de; CICCHELLI, Vincenzo (Eds.). Familia e Individualização. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2000. p. 95-111.
PINHO, Adriana de Araujo et al. Cobertura e motivos para a realização ou não do teste de Papanicolaou no Município de São Paulo. Rev. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19 (Sup. 2). p. 303-313. 2003.
SCHRAIBER, Lilia Blima. Eqüidade de gênero e saúde: o cotidiano das práticas no Programa Saúde da Família do Recife. In: VILLELA, Wilsa; MONTEIRO, Simone (Org.). Gênero e saúde: Programa Saúde da família em questão. Rio de Janeiro: ABRASCO - UNFPA, 2005, v. 1, p. 39-61.
SCHMIDT, Maria Inês et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet, v.6736, n.11, p. 60135-60139. 2011. [online] Disponível em: http://download.thelancet.com/flatcontentassets/pdfs/brazil/brazilpor4.pdf. Acesso em: set. 2011.
WOOD, Katharine; JEWKES, Rachel; ABRAHAMS, Naeemah. Cleaning the womb: constructions of cervical screening and womb cancer among rural black women in South Africa. Soc Sci Med, 45(2), p. 283-294. 1997.

Downloads

Publicado

2015-05-07

Como Citar

RICO, A. M. Significados e práticas preventivas do câncer de colo de útero entre mulheres de bairros populares de Salvador, Bahia: algumas contribuições da perspectiva geracional. Revista Feminismos, [S. l.], v. 2, n. 3, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/29956. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos