A sexualidade moderna e o "imperativo fálico": algumas reflexões sobre a emergência do “gozo genitalizado”

Autores

  • Felipe Salvador Weissheimer Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o desenvolvimento histórico de algumas teorias psicológico-científicas que tomaram o sexo como objeto de linguagem. Para tanto, centramos nossas análises em dois autores que desenvolveram discursos significativos na instituição da sexualidade moderna: Sigmund Freud e Wilhelm Reich. No decorrer deste artigo, analisamos como se desenvolveram os discursos dos autores a partir de uma “hipótese repressiva”, e quais foram os desencadeamentos teóricos em torno dos métodos terapêuticos propostos para “eliminar os recalques” provenientes da “repressão sexual”. Assim, constatamos que a emergência dessas terapias para “eliminar os recalques” desencadeou em novas concepções de sexualidade, na qual o orgasmo genital tornou-se um novo imperativo, uma “genitalidade obcecada”. E, a partir das análises sobre as teorias e métodos de Freud e Reich, tecemos algumas críticas e questões que buscaram conduzir os leitores a reflexões sobre os modos de subjetivação sexuais e as relações de gênero na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Salvador Weissheimer, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Possui graduação em História pela Universidade Paranaense; pós-graduação em Teorias Psicanalíticas pela Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras; mestrado em História pelo PPGH da Universidade Estadual do Oeste do Paraná e, atualmente, é doutorando em História pelo PPGH da Universidade do Estado de Santa Catarina. É bolsista PROMOP-UDESC.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? Revista Outra travessia, Florianópolis, n. 5, p. 9-16, 2005, jul/dez. 2005.
ALMEIDA, Leonardo Pinto de. O conceito foucaultiano de literatura. Revista Filosofia Unisinos, São Leopoldo, n. 9(3): p. 269-280, set/dez. 2008.
BAUMAN, Zygmunt. Sobre a redistribuição pós-moderna do sexo: a História da sexualidade, de Foucault, revisitada. In: O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998. p. 177-189.
BRUCKNER, Pascal; FINKIELKRAUT, Alain. A nova desordem amorosa. Tradução de D. J. de Saingalf. São Paulo: Editora brasiliense, 1981.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador: Formação do Estado e civilização. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.
FERREIRA, Arthur Arruda Leal. O surgimento da psicologia e da psicanálise nos textos da genealogia foucaultiana. Revista Memorandum, Belo Horizonte: UFMG; Ribeirão Preto: USP, n. 10, p. 71-84, abril. 2006.
FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.
FREUD, Sigmund. A história do movimento psicanalítico. In: ____. Os pensadores: Freud. Tradução de Durval Marcondes. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p. 39-84.
FREUD, Sigmund. Moral sexual “civilizada” e doença nervosa moderna. In: ____. Freud. Livro 31. Tradução de Maria Aparecida Moraes Rego. Rio de Janeiro: Imago, 1976. p. 26-47.
FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. In: ____. Os pensadores: Freud. Tradução de Durval Marcondes. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p. 85-128.
MARIANI, Bethânia. Sentidos de subjetividade: imprensa e psicanálise. Revista polifonia. Cuiabá, Vol. 12, nº 1, 21-45. 2006.
MEZAN, Renato. A vingança da esfinge: Ensaios de psicanálise. 3ª edição. São Paulo: Casa do psicólogo, 2002.
POHL, Herbert A. Introdução à mecânica quântica. Tradução de Hélio C. Chagas. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 1971.
RAGO, Margareth. Subjetivismo, feminismo e poder, ou podemos ser outras? In: PEDRO, Joana Maria, ISAIA, Artur Cesar e DITZEL, Carmencita de Holleben Mello (orgs.). Relações de poder e subjetividades. Ponta Grossa, PR: TodaPalavra, 2011. p. 15-30.
REICH, Wilhelm. A função do orgasmo: problemas econômico-sexuais da energia biológica. 9ª edição. Tradução de Maria da Glória Novak. São Paulo: Editora brasiliense, 1975.
RUDGE, Ana Maria. Pulsão de morte como efeito de supereu. Revista Ágora, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 79-89 , jan/jun. 2006.
WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos históricos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-72.

Downloads

Como Citar

WEISSHEIMER, F. S. A sexualidade moderna e o "imperativo fálico": algumas reflexões sobre a emergência do “gozo genitalizado”. Revista Feminismos, [S. l.], v. 3, n. 2/3, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/29940. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos