Perfil epidemiológico de sífilis congênita em um estado do Nordeste

Autores

Palavras-chave:

SINAN, Sífilis Congênita, Perfil epidemiológico, Informação e Saúde, Saúde Pública

Resumo

O objetivo da pesquisa é analisar o perfil epidemiológico da Sífilis Congênita no Estado do Rio Grande do Norte, considerando que o conhecimento da magnitude do problema poderá subsidiar o planejamento e monitoramento de políticas específicas. Estudo observacional e transversal, desenho do tipo ecológico. Nesse período foi notificado no Estado do Rio Grande do Norte (RN) um total de 1.855 casos de SC. Percebe-se o crescimento e a tendência dos casos e da taxa de detecção apresentou significância estatística (p<0,05), com aumento médio anual de 20 casos confirmados/0,43 casos para cada 1000 nascidos vivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pollianna Marys de Souza e Silva, Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Doutora em Ciência da Informação e Mestra em Serviço Social pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário de João Pessoa.

José Cirino Neto, Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte - SESAP-RN

Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (SESAP-RN)

Gabriella Morais Duarte Miranda, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz e Mestra em Saúde Pública pelo Centro de Pesquisas Ageu Magalhães. Professora do Departamento de Medicina Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao Pré-Natal de Baixo Risco. Brasília: 2012.

CARVALHO, I. S.; BRITO, R. S. Sífilis Congênita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do período 2007-2010, Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 23, n. 2, p. 287-294, 2014.

HOLANDA, M. T. C. G. et al. Perfil Epidemiológico da Sífilis Congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte -2004 a 2007, Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília,v. 20, n. 2, p. 203-212, 2011.

LIMA, L. H. M.; GURGEL, M. F. C.; MOREIRA-SILVA,S. F. Avaliação da Sífilis Congênita no Estado do Espírito Santo. DST − Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 18, n. 2, p. 113-116, 2006.

OPS. Organización Panamericana de Salud.Unidad de VIH/Sida.Eliminación de Sífilis Congénita en América Latina y el Caribe: marco de referênciapara su implementación. Washington, D.C., 2004.

SARACENI V. et al.Vigilância da Sífilis na Gravidez, Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 16, n. 2, p. 103-111, 2007.

SINAN. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Disponível em: http://sinan.saude.gov.br/sinan/login/login.jsf. Acesso em: 12 ago. 2020.

VALDERRAMA, J.; ZACARÍAS F.; MAZIN R. Sífilis Materna y Sífilis Congénita en América Latina: un problema grave de solución sencilla, Revista Panamericana de Salud Pública, Washington - United Statesv. 16, n. 3, p. 211-217, 2004.

Downloads

Publicado

2020-09-11

Como Citar

SILVA, P. M. de S. e; CIRINO NETO, J.; MIRANDA, G. M. D. Perfil epidemiológico de sífilis congênita em um estado do Nordeste. Revista Fontes Documentais, [S. l.], v. 3, n. Ed. Especial, p. 512–519, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RFD/article/view/57752. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

COMUNICAÇÕES: Práticas estruturadas de informação em redes e sistemas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)